Poupança é importante!O ano de 2007 ainda não terminou e já podemos chegar a algumas conclusões interessantes. A que chama mais atenção é: o brasileiro tomou gosto pelos investimentos em bolsa de valores[bb]. É fato que existe em todo lugar pessoas incentivando a prática, revistas com histórias fantásticas, eventos e corretoras cada dia mais acessíveis. Mas o interesse do brasileiro merece todo destaque.

A Bovespa divulgou que, no final de outubro, os investidores pessoa física chegaram a um total de 310.625, um aumento de 9,17% em relação a setembro. Um resultado fantástico, mas ao mesmo tempo revelador, pois tivemos nesse período um fato de extrema relevância que foi o IPO da Bovespa Holding. O IPO pode ter auferido a esses novos investidores lucros muito interessantes, mas como ficam os impostos sobre essas movimentações?

Imposto de Renda
A mordida do Leão é tão voraz nos investimentos em bolsa quanto é nas outras modalidades de investimentos. Para transações mensais acima de R$ 20 mil, deve-se considerar 15% sobre o ganho de capital para efeito de imposto de renda. A exceção fica por conta do day trade, onde a alíquota é de 20%. Existe ainda a possibilidade de somar as despesas de corretagem, taxas e outros custos ligados às operações ao custo da aquisição das ações, reduzindo assim o valor do ganho de capital e, conseqüentemente, o valor do imposto.

Aqueles que auferiram ganhos líquidos, onde o valor das vendas for igual ou inferior a R$ 20 mil, como pessoas físicas, operando no mercado de ações à vista, dentro de um mês, estarão isentos do imposto de renda. Exceto, mais uma vez, as transações day trade, onde não há tal isenção.

Outro ponto importante é a questão do imposto de renda retido na fonte (IRRF). Todas as operações de bolsa[bb] já têm, a título de antecipação, um percentual de 0,005% sobre as operações. Para operações day trade, este percentual é de 1%. Esses valores podem ser compensados na apuração mensal do IR sobre o ganho líquido.

Eu participo de um clube de investimento, como funciona a tributação?
A Bovespa encerrou o mês de outubro com nada menos que 2.053 clubes de investimento, com um patrimônio líquido total de R$ 13,8 bilhões e 149.886 cotistas. Assim, é muito comum que muitos se perguntem como funciona a tributação para essa modalidade. Se esse é seu caso fique atento.

Carteiras constituídas por, no mínimo, 67% de ações negociadas no mercado à vista de bolsas ou entidades assemelhadas incorrem em tributação de 15%, que ocorrerá exclusivamente no resgate das cotas.

Carteiras que não atinjam o percentual mínimo de 67% em ações negociadas no mercado à vista, adotam tributação semelhante ao dos investimentos em renda fixa. Semestralmente, com o vencimento da carência, incide a alíquota de 15% e, se necessário, variando de 15% a 22,5% no resgate, de acordo com o tempo da aplicação, conforme abaixo:

  • Aplicação de até 180 dias, alíquota de 22,50%;
  • Aplicação de 181 a 360 dias, alíquota de 20%;
  • Aplicação de 361 a 720 dias, alíquota de 17,50%;
  • Aplicação acima 720 dias, alíquota de 15%.

Observação: os Fundos utilizam os mesmos procedimentos tributários descritos para as carteiras sem o percentual mínimo de 67% de ações.

Já sei quanto pagar, mas como proceder?
Para quem faz operações no mercado à vista, o contribuinte terá até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que os ganhos tiverem sido apurados. O recolhimento deverá ser feito através de um guia DARF com o código 6015. Para quem perder o prazo, ficam valendo as mesmas regras de multa aplicadas na declaração do IR, cobrando-se multa e juros, atualmente fixados em 0,33% ao dia, sobre o valor devido, limitado a 20% do total. Existe ainda a incidência da Selic no período.

Sobre a retenção do imposto de renda na fonte (0,005% ou 1%), de acordo com o 6º parágrafo do artigo 2º da lei 11.033 de dezembro/2004, a responsabilidade do recolhimento é da instituição intermediadora que recebe diretamente a ordem do cliente, da bolsa que registrou as operações ou da entidade responsável pela liquidação e compensação das operações, na forma regulamentada pela secretária da Receita Federal no Ministério da Fazenda. Com relação aos fundos e clubes de investimento, a responsabilidade do recolhimento será do administrador da carteira.

Fontes de consulta para a criação deste artigo: Bovespa e InfoMoney

—–
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários