Desafio Planejamento 2009: A vencedora e algumas liçõesEm outubro lançamos um desafio para os leitores. Quem enviasse o melhor e mais completo planejamento de 2009, utilizando como base a planilha de acompanhamento de gastos e receitas apresentada no artigo ganharia o livro “Dieta do Bolso”, da Eliana Bussinger (Campus). No final de novembro, optamos por postergar a promoção visto que havíamos recebido pouquíssimos planejamentos – além de dar a opção de escolha de mais um livro: “Avaliando Empresas, Investindo em Ações”, de Carlos Alberto Debastiani e Felipe Augusto Russo (Editora Novatec).

Pois o aumento do prazo deu um gás e recebemos mais alguns planejamentos. Já temos a vencedora: Lea Valquíria Ribeiro, de Fortaleza-CE. A Lea escreveu um planejamento muito interessante ao listar os erros de 2008, o que fará para consertá-los em 2009 e os sonhos e planos para o ano que vem. Ela nos conta um pouco sobre sua situação financeira e apresenta suas idéias. Vamos ver onde ela errou e como podemos ajudá-la?

Seu planejamento começa com uma breve história de sua vida. Ela é Administradora de Empresas, pós-graduanda em Gestão Financeira e Controladoria, trabalha na Caixa Econômica Federal, mora com a mãe e suas receitas se resumem a salário mais rendimento de imóveis que herdou em 2006. Sua preocupação com sua gestão financeira[bb] se tornou prioridade quando trabalhava na área de vendas e recebia comissão, o que fazia com que sua renda mensal fosse variável.

Sua reflexão foi se aprimorando e em 2008 ela pôde identificar erros comuns que devem ser revertidos em 2009 e acertos, como por exemplo:

“Coloquei os rendimentos dos imóveis como receita”. Pois é, apesar de serem receita não seria mais interessante considerá-los como uma renda extraordinária não esperada? Não poderia tê-los revertido em uma poupança? Ela conta que gastava mais do que o seu salário porque tinha uma renda extra, o que fazia com que ela gastasse mais principalmente com supérfluos. Gosto muito de renda extra, principalmente quando ela vai direto para uma aplicação financeira[bb].

“Outro fator que passou despercebido foi a noção de salário bruto. Apesar de trabalhar nas planilhas com valor líquido, fazia cálculos pensando no valor bruto”. Infelizmente, esta é uma “bola fora” cometida por muitos, não é mesmo? Para as pessoas com registro em carteira, há deduções de imposto de renda, INSS, transporte e muitos outros. Isso deve ser considerado com prioridade porque as deduções podem somar até 30% do salário! Grande parte das pessoas não tem idéia do seu salário líquido.

“O fato de pensar em ‘data boa’ faz com que usemos mais de um cartão. Constatei que foi um – senão o maior – erro de 2008: utilizar mais de um cartão de crédito”. Dois pontos importantíssimos:

  1. Atire o primeiro cartão quem não espera o cartão “virar” para ir ao shopping;
  2. A gama de bandeiras disponíveis é enorme, e as lojas fecham parcerias de melhores condições de pagamento com uma determinada bandeira.

Assim podemos optar, de forma a distribuir nossas compras em mais de uma fatura – mas, muitas vezes, perdendo o controle do valor total de todas. Centralizar as compras no cartão de crédito é uma forma prática de controlar os gastos (principalmente para as pessoas que recebem o salário integral uma vez por mês) e aumenta nosso poder de barganha na negociação de anuidades.

Infelizmente, muitos acreditam que cartão de crédito é dinheiro fácil e perdem o controle. Portanto, concentrar gastos no cartão de crédito só é viável para pessoas que têm um controle rígido dos gastos e que estão acostumadas a planejá-los.

“Fui muito feliz ao amortizar uma consignação, antecipando aos momentos ainda obscuros do ano de 2009”. Parabéns! Quitação de dívidas é uma grande conquista!

“Acredito que ainda tenho muitos impulsos de compras. Estou procurando me policiar quanto ao sentimento e motivação por trás do ato de comprar. Dicas como postergar a compra e deixá-la para um ou dois dias depois e verificar a utilidade do bem antes de comprar me ajudaram bastante”. Grande parte da população é influenciada e, muito, pela ansiedade. Aprender a controlá-la é essencial. Esperar alguns dias para ter tempo de repensar a compra é um ótimo exercício. Parabéns!

Vamos aos planos de 2009:

  • Trocar o carro em junho. Usará os recursos da primeira parcela do 13º salário, participação dos lucros da empresa, 6 meses de aluguéis e venda do carro atual;
  • Aumentar em 50% os recursos do CDB com antecipação de férias, segunda parcela do 13º salário e aluguéis do restante do ano;
  • Matrícula no curso de inglês ainda no primeiro semestre e no curso de Ciências Contábeis no segundo semestre, considerando-os como gastos fixos de 2009.

Nos investimentos, segundo ela sua carteira está composta por:

Seus investimentos são bastante balanceados por representarem diferentes graus de risco, porém seu conceito deixa a desejar na questão do Título de Capitalização. Como insistimos bastante aqui, Capitalização não é investimento. Não passa de um produto extremamente rentável para os bancos e pouquíssimo interessante para nós.

A rentabilidade é baixa e te obriga a ser fiel por, no mínimo, 5 anos. É mais rentável transferir os recursos destinados à Capitalização a algum fundo cujo valor mínimo de aplicação seja baixo e optar pelo débito automático da conta corrente, mesmo modo de operação dos Títulos de Capitalização.

Além disso, apesar de muitos discordarem, acredito que devemos utilizar os financiamentos bancários em alguns casos, desde que sejam com taxas de juros viáveis e mantenham o fluxo de caixa da família em dia. Para as pessoas que não tem o valor integral para a compra da casa própria e não desejam esperar anos até poupar todo o valor necessário, esta alternativa pode ser considerada.

No entanto, é essencial pesquisar os melhores bancos financiadores – dê preferência ao que ofereça as menores taxas. Saber aproveitar os serviços que as instituições financeiras nos oferecem, levando benefícios para a ambas as partes, é simples e pode ser a saída, desde que respeitadas as condições aqui apresentadas.

O consórcio imobiliário, produto escolhido pela Lea, deve ser considerado como um gasto fixo. É uma boa opção para as pessoas que não têm pressa na aquisição de um imóvel, visto que as chaves podem demorar alguns anos a sair caso não seja dado um lance.

Parabéns e obrigado Lea
Enfim, acredito que a Lea não tenha muita dificuldade em concluir e atingir novos resultados. Basta boa vontade, atenção e paciência. Devemos pensar que os maiores beneficiários de todo esse estudo somos nós mesmos. Viver endividado, pagando altas taxas de juros, tendo que se privar de muitas coisas é muito mais desgastante do que adquirir o hábito de controlar suas finanças. Pense nisso.

Quero agradecer a todos os participantes e espero que eles continuem a participar das promoções do Dinheirama – essa semana temos várias promoções no ar. A Léa optou pelo recebimento do livro “Analisando Empresas, Investindo em Ações”, da Novatec Editora. Agradeço também à Novatec pelo incentivo.

Mais uma promoção
O livro “Dieta do Bolso”, autografado pela autora Eliana Bussinger, ainda está disponível e, por isso, lanço uma nova promoção: a primeira leitora que entrar em contato com o nosso corretor André Hojo (andré[email protected]), se cadastrar no clube de investimentos “Meninas com Dinheirama” e fizer a aplicação ganhará o livro. Vamos lá, participem meninas!

Aproveito para desejar um Feliz Natal a todos e que venha 2009! Muita paz, amor, saúde, felicidade e dinheirama a todos!

——
Mariana Prates é economista pela PUC-SP e pós-graduanda em Administração de Empresas pela FGV. Trabalha em precificação de Empréstimo em Folha e adora fazer planejamento financeiro para amigos e familiares.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários