Vou contar uma história simples, que aconteceu recentemente, e que ilustra bem o que é a Educação Financeira.

Minha mulher me contou que no restaurante em que ela almoça todos os dias, existe uma condição diferenciada para quem paga a conta em espécie, ou seja, em dinheiro vivo. Funciona assim: se o cliente paga em espécie, não usa cartão de crédito ou débito, ele ganha 5% de desconto no valor da conta.

E vale a pena? Ela também quis saber.

Evento online gratuito: Workshop com Conrado Navarro, Gustavo Cerbasi e outros especialistas

Ora, vamos fazer a seguinte análise: imagine que ela gaste R$ 25,00 por dia; com 5% de desconto, isso fica em R$ 23,75 apenas R$ 1,25 a menos. Você pode pensar, “isso é bobagem, não vou ficar carregando dinheiro na carteira para ganhar R$ 1,25 por dia. Não paga nem o café”. 

Claro, compreendo se sua decisão for essa, mas eu gosto sempre de provocar um pouco. Vamos pensar a respeito do que isso pode representar no longo prazo.

Eu não pagaria em dinheiro se não almoçasse lá todos os dias. Se fosse uma vez na vida, não pensaria, pegaria o cartão de crédito e pagaria. Gosto de concentrar meus gastos todos no cartão, pois além de aumentar minhas recompensas no programa de milhas, ainda tenho o benefício de uma vez por mês saber o quanto gastei, e isso facilita meu controle.

Mas, se eu almoçasse lá todos os dias, ou a maioria dos dias, sim, eu pagaria em dinheiro, iria ao caixa eletrônico, sacaria o dinheiro para a semana e pagaria sempre dessa forma. Sabe por quê? Veja este comparativo:

5% todos os dias significa que em 20 dias (5% x 20 = 100%) eu teria um almoço grátis! Se ela trabalha de segunda a sexta, são 5 dias por semana; logo, ela almoça 5 dias x 4 semanas = 20 dias por mês.

Em um ano, temos 52 semanas. Multiplicando 52 semanas por 5 dias (de cada semana), teremos um total de 260 dias trabalhados. Se a cada 20 dias, um almoço sai de graça, então dividimos 260 por 20 e teremos 13 dias.

E 13 dias são 65% de um mês de trabalho (20 dias). Finalizando, economizando 5% em cada refeição, ela terá mais de 2/3 (65%) de um mês de trabalho de refeições de graça. Imagine se você economizar todos os dias um pouquinho, quais seriam os efeitos disso no longo prazo?

Leitura recomendada: Passar a vida poupando não é sinônimo de riqueza (deixem o cafezinho em paz)

Educação financeira é isso: buscar uma melhor qualidade de vida, tanto hoje, quanto no futuro, proporcionando a segurança material necessária para aproveitar os prazeres da vida e, ao mesmo tempo, obter uma garantia para eventuais imprevistos.

Educação financeira é pensar em você no futuro, é olhar para você nesse futuro e ter um pouco de carinho consigo mesmo lá na frente. Este pequeno texto faz parte do meu novo livro, “O inédito viável na Educação Financeira: Dinheiro Caro, filosofia barata”, que será lançado em 28/11/2016.

Você concorda comigo? O que acha? Deixe sua opinião no espaço de comentários abaixo. Obrigado e até a próxima!

Emerson Weslei Dias
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários