Desemprego para conter a inflação, uma ideia para ser esquecidaVem ganhando cada vez mais força no mercado o discurso de que o país precisa de aumento em sua taxa de juros para controlar a inflação. Na última semana, dois economistas com passagem pelo Banco Central afirmaram que o desaquecimento da economia é o único caminho.

Os economistas mencionados são Alexandre Schwartsman, que hoje tem sua própria empresa de consultoria, e Illan Goldfajn, atualmente Economista Chefe do Itaú-Unibanco. A interpretação do discurso adotado por ambos mostra que eles acreditam que as demissões, que seriam efeitos diretos de eventuais medidas para desaquecer a economia, não seriam um problema maior do que a inflação.

“A saída é frear a economia. É demitir mesmo”, disse Alexandre Schwartsman.“A inflação não cai num passe de mágica. Não cai porque o Banco Central resolve falar mais duro. Cai com o encontro do crescimento da oferta com o crescimento da demanda. É preciso fazer escolhas. Não dá para fazer omeletes sem quebrar os ovos”, afirmou Illan Goldfajn.

Resolver um problema criando outro é, em minha humilde opinião, uma visão míope. É verdade que a inflação está alta, próxima do topo da meta, mas admitirmos que o desemprego terá um efeito menos danoso para economia e para o povo é uma postura quase irresponsável.

Veja o que pensa Delfim Neto, economista que está muito próximo e alinhado ao que pensa a Presidente Dilma Rousseff: “A empregada doméstica virou manicure ou foi trabalhar num call center. Agora, ela toma banho com sabonete Dove. A proposta desses “gênios” é fazer com que ela volte a usar sabão de coco aumentando os juros. A saída para a economia é promover reformas estruturais que passem pelo aumento da educação do trabalhador”.

A verdade é que a inflação é um problema emergencial e um dos pontos críticos é justamente a percepção de que o Banco Central não tomará nenhuma medida restritiva. A ingerência política sobre a equipe econômica faz com que os especuladores de plantão ataquem em diversas frentes.

De toda forma, pior que ver os aumentos de preço é não ter trabalho é nem renda. O desemprego tem se mostrado como um dos graves problemas em boa parte do mundo. Na Zona do Euro (ZE), a média de desempregados beira os 12%. Na Grécia, o percentual é superior a 26%.

Os dados são ainda piores para os mais jovens: 23,9% dos jovens estavam desempregados na ZE, em comparação com os 22,3% de fevereiro de 2012. Esta situação foi particularmente catastrófica na Espanha (55,7%), Portugal (38,2%) e Itália (37,8%). Na Grécia, 58,4% dos jovens com menos de 25 anos estava sem trabalho em dezembro de 2012.

Acredito que a opção pelo crescimento seja menos danosa em tempos de crise mundial, mas o que precisa ficar mais claro para todos é o rumo da política monetária – não dá para sustentar crescimento com dúvidas sobre o caminho a ser seguido.

O que você acha? Desaquecer a economia demitindo parece a melhor saída? O que pensa a respeito? Deixe sua opinião no espaço de comentários abaixo. Até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários