Uma pesquisa da BM&F Bovespa mostrou que poupança, dólar e título de capitalização são as aplicações mais conhecidas pelo público não investidor. Menos citada, a Bolsa de Valores soa como algo distante da realidade das pessoas.

Talvez para essa parcela da população, investir na ação de uma empresa demanda uma qualificação superior ou muita grana disponível. Tudo isso é mito. O complicado mesmo são esses ativos mencionados na pesquisa.

A caderneta de poupança remunera seu capital em pelo menos 6,17% ao ano. Se no acumulado em 12 meses a inflação gira em torno de 6,30%, aqui não ganhamos nem do avanço no nível geral de preços.

Quanto ao dólar, eu não ousaria traçar prognósticos para a taxa de câmbio. O ativo depende do fluxo de recursos externos de curto prazo, além do investimento estrangeiro direto de longo prazo. Uma tarefa dura até para a bola de cristal.

Já o título de capitalização funciona como jogar na loteria. Prefiro tratar meu dinheiro com mais responsabilidade.

No caso das ações, não é necessário ser um expert para se tornar um bom investidor, mas sempre é bom se manter curioso e a procura de informações importantes.

Desde quando comprei minha primeira ação, em setembro do ano passado, tento me dedicar ao que é realmente crítico para as empresas e setores que invisto. Eu não sou analista e ouço deles que a análise excessiva, repleta de ruídos, muitas vezes atrapalha a busca pelos sinais.

Concordo com o que ouvi de um gestor de recursos recentemente: uma pessoa que compra um imóvel não precisa decorar a planta hidráulica ou elétrica do prédio para fazer um bom negócio. Ela estará no caminho certo se pesquisar preço, bairro e acessibilidade.

Investir sempre será no fundo uma tarefa fundamental para quem sabe que o futuro irá chegar e quer se preparar para que tudo seja alcançado com estratégia e planejamento.

Se você se interessa em conhecer mais sobre o mercado de ações e quer acompanhar mais de perto a Bolsa, ofereço-lhe o “Guia da Empiricus para aprender a investir” (clique para acessá-lo), por lá apresentamos o passo a passo inicial de forma prática e simples.

Quem acompanha nosso trabalho e já assina o “Minha Primeira Ação” (clique para detalhes), conhece minha rotina no mundo do mercado de ações, recebe os capítulos do guia gratuitamente. A nave investidora não para. Até a próxima.

Foto “Financial growth”, Shutterstock.

Conrado Mazzoni
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários