A diferença dos juros de cheque especial entre bancosCheque especial é um assunto recorrente no Dinheirama. Sempre procuramos alertar os leitores sobre os perigos do uso do cheque especial como complemento de renda. Recentemente, publicamos a notícia de que os juros do cheque especial podem chegar a impressionantes 138,5% ao ano.

Hoje a notícia não é menos importante: o cheque especial chega a variar 173% entre os bancos, segundo levantamento feito pela reportagem do R7 com taxas mensais cobradas pelas principais instituições do varejo brasileiro.

A Caixa teve o menor valor (3,94% ao mês) entre as instituições pesquisadas – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Citibank, Itaú-Unibanco, HSBC, Safra e Santander. As informações foram repassadas ao Banco Central pelos bancos.

Coincidentemente, publicamos no mês passado um levantamento de tarifas bancárias onde a Caixa se destacou justamente por ser a instituição financeira com tarifas mais baixas. No entanto, ela está sendo acusada de praticar venda casada pelo Ministério Público do Espírito Santo.

As taxas mais caras e mais baratas

Enquanto a Caixa registra a menor taxa cobrada do cliente que recorrer ao cheque especial, o Citibank tem a taxa mais cara, anotando 10,76% ao mês. Outros bancos pesquisados praticam taxas acima de 8%:

  • Santander (9,81%)
  • HSBC (9,39%)
  • Bradesco (8,20%)
  • Safra (8,14%)
  • Itaú-Unibanco (8,06%)

Junto com a Caixa, o Banco do Brasil também cobra uma taxa abaixo dos 8%, com taxa mensal de 4,97%. Coincidência ou não, as duas instituições financeiras são públicas, enquanto as outras analisadas são privadas.

O levantamento do R7 ressalta que as taxas acima são uma média e podem ser mais baixas, de acordo com os relacionamentos dos clientes com o banco.

Outro lado

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) também ressalta o funcionamento do cheque especial como um “saldo extra”, já que fica disponível ao cliente a qualquer momento. A federação aponta que o uso desse artifício é recomendado em situações de emergência.

“Manter essa linha tem um custo para os bancos. Por isso, os juros do cheque especial são mais altos do que a taxa de outras modalidades de crédito”, lembra a Febraban.

Mantenha-se informado

A utilização do cheque especial merece cuidado e atenção. É por isso que o Dinheirama publica artigos que auxiliam você a criar um planejamento financeiro, segui-lo e encontrar um caminho que seja livre de cheque especial, compras a prazo, financiamentos, empréstimos e etc.

Pensando na estrutura de todo nosso conteúdo, marcamos nossos textos com tags que facilitam a navegação pelos mais de 1.600 artigos publicados no site. Comece sua leitura navegando por algumas de nossas tags:

Fonte: R7. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários