Dilma lança plano de defesa do consumidorNo Dia do Consumidor, a presidente Dilma anunciou o lançamento do Plano Nacional de Consumo e Cidadania, um pacote de medidas que busca fortalecer os órgãos de defesa do consumidor (PROCON) do país e melhorar a qualidade de produtos e da prestação de serviços.

As novas medidas já foram pautas aqui no Dinheirama, como as novas regras que incentivam a transparência dos bancos. Durante a cerimônia também foram assinados decretos que regulamentam a contratação de Comércio Eletrônico e criam a Câmara Nacional de Relações de Consumo, composta pelos ministérios da Justiça, Fazenda, Desenvolvimento, Planejamento e Casa Civil.

Dessa maneira, o plano visa transformar a defesa do consumidor em política de Estado. José Eduardo Cardoso, Ministro da Justiça, foi quem anunciou a mudança e ainda defendeu a criação de políticas públicas que auxiliam empresas a atender às leis que defendem o consumidor.

“Um sistema bem calibrado de defesa do consumidor não é apenas punitivo e sancionatório. É necessário ir além e ter políticas para que os setores produtivos possam ter condições de melhorar os seus serviços”, disse.

Os detalhes do plano ficaram a cargo de Juliana Pereira da Silva, diretora do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor. No anúncio, ela informou que entre os objetivos está o aprimoramento do atendimento pós-venda ao consumidor, a prevenção de condutas que violem os direitos do consumidor e a promoção da transparência nas relações da empresa com o consumidor.

A melhoria no entendimento entre empresas e consumidores também se relacionou ao comércio eletrônico. O projeto defende o aprimoramento das informações fornecidas sobre a empresa virtual e os produtos comercializados, além da obrigação da criação de um canal direto de comunicação entre as organizações e os clientes.

O pronunciamento da presidente Dilma Rousseff apontou o aprimoramento das relações de consumo como um passo importante para o fortalecimento das relações pessoais. Massificar o pós-venda e melhorar a qualidade do atendimento é um desafio para a presidente.

“O projeto tem a cara do novo Brasil, um país de classe média, pleno emprego e distribuição de renda. Com a ascensão social nós criamos uma nova parcela de consumidores e é nosso dever protegê-los”, argumentou.

O comércio eletrônico também foi citado pela presidente Dilma. “No momento em que a grande maioria dos brasileiros tem acesso à internet, o Governo está empenhado na expansão da rede de banda larga; nós sabemos que o comércio eletrônico será de grande importância e por isso é necessário ter mais transparência e proteger os direitos do consumidor virtual”, apontou.

Em publicação do R7, o advogado Dr. Luiz Guilherme, sócio do escritório Mendes Barreto e Souza Leite advogados, afirmou que o fortalecimento dos poderes do PROCON não irá aliviar o Poder Judiciário, mas apenas mudar quem abre o processo.

Segundo ele, “continuar com decisões unilaterais e pró-consumidores, sem imparcialidade e qualidade técnica, gerará uma corrida ao judiciário não por parte dos consumidores, mas, dos fornecedores, para ver seus direitos respeitados”.

Fonte: R7. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários