Poucas pessoas no Brasil podem colocar no seu currículo a criação e participação ativa em uma Startup de sucesso, e uma delas é Allan Panossian Kajimoto. Tive a boa sorte de conhecer o Allan alguns anos atrás, e ao longo do tempo tive a oportunidade de acompanhar de perto os seus passos, sempre com muito sucesso.

O Allan é formado em Ciência da Computação pelo IME-USP e co-fundou o Kekanto em 2010. Desde de 2005, está envolvido no mundo de startups e fez parte do time fundador da Via6 (terceira maior rede social do Brasil em 2008), Direct Labs (consultoria de redes sociais) e Scup (plataforma de relacionamento em redes sociais – adquirida pela Sprinklr).

No tempo livre, Allan gosta de acompanhar a evolução do empreendedorismo no Brasil e empresas em estágio inicial, especialmente de tecnologia. Nessa entrevista, conversamos sobre o atual cenário econômico do Brasil e os desafios que os empreendedores deverão superar para alcançar o sucesso. Acompanhe:

Allan, temos acompanhado nos últimos meses a piora no cenário econômico e muitas pessoas passando a buscar oportunidades através do empreendedorismo. Quais os desafios que o empreendedor deverá encontrar logo no início?

Allan Panossian: Um cenário econômico ruim como o que estamos passando tem dois aspectos. O negativo é que o acesso a recursos e investimentos é um pouco mais difícil. Pensando como um investidor, a ideia do empreendedor tem que ter muito potencial para fazer com que o investidor prefira investir na empresa ao invés de deixar em renda fixa que já rende na casa dos 16% ao ano e sem risco.

Por outro lado, a piora do cenário econômico faz com que as pessoas saiam da zona de conforto e virem empreendedores por necessidade. Isso no final das contas acaba sendo bom para o empreendedorismo em geral.

Qual a importância de processos de mentoria na formação de um negócio de sucesso?

A.P.: A chance do primeiro negócio de qualquer empreendedor falhar é muito grande. As estatísticas comprovam isso. A mentoria é uma das melhores maneiras de aumentar as chances de sucesso.

O processo de mentoria te ajuda principalmente a não desperdiçar tempo e consequentemente dinheiro (gastos fixos são os maiores comedores de recursos). Usar as experiências prévias do mentor ajuda (e muito) fazer os testes e iniciativas de maneira mais assertiva.

Você é um dos fundadores de uma startup que, com muito trabalho, se destacou rapidamente. Qual a sua avaliação do ecossistema de startups no Brasil no momento? Quais as dificuldades e oportunidades que mais lhe chamam a atenção?

A. P.: O ecossistema de startups no Brasil cresceu muito nos últimos anos. Infelizmente houve um descaso entre o capital de investidores e o nascimento das startups. Hoje é bem mais difícil levantar capital do que era em 2011. Parte disso por causa do cenário econômico e parte por não haver nenhum grande caso de sucesso no mercado brasileiro.

Hoje, vejo o ecossistema de startups no Brasil com empresas menores, que sejam lucrativas rapidamente, de nicho e com investimentos de seed e anjo.

Você será um dos mentores do Startup Weekend To Improve Lives – São Paulo. Conte pra gente um pouco do evento e como ele funciona.

A. P.: O Startup Weekend é uma excelente oportunidade para quem tem uma ideia ou gostaria de empreender e não tem experiência. É um evento de três dias que ensina mais que muitos anos de faculdade. Os startupeiros irão aprender a validar ideias, aprender a montar um business canvas, ter oportunidade de conhecer outros empreendedores e conversar com mentores!

O Startup Weekend Improve Lives tem uma característica ainda mais legal pois será realizado na Favela de Paraisópolis e terá um forte aspecto social! A expectativa é grande!

Existe um glamour muito grande em torno do empreendedor, muitos deles chegaram ao papel de estrelas. Em sua opinião, quais as características fundamentais para que o empreendedor consiga inspirar sua empresa e consequentemente seus “colaboradores” ao sucesso?

A. P.: O segredo está em conseguir criar a mesma paixão que você tem pela sua empresa em seus colaboradores. Isso não é fácil. Eu vejo a tríade Liderança, Visão estratégica e Execução como os principais fatores para isso.

Ser um bom líder, conseguir inspirar o time, saber equilibrar autonomia com cobrança, delegar na medida certa é o coração. Visão estratégica para entender o mercado, saber como ser lucrativo, saber o caminho a ser trilhado, entender como as ações do curto prazo impactam no macro é o cérebro. Executar bem, conseguir tirar a ideia do papel, orquestrar o time e fazer as coisas acontecerem é o corpo.

Sem qualquer uma das pontas será impossível criar uma empresa de sucesso com um time inspirado. Ninguém se engaja 100% em uma empresa que não tem futuro. Uma empresa com mega potencial não funciona se o time estiver desmotivado. Uma empresa com potencial e com pessoas engajadas, mas que não conseguem entregar também não chega a lugar nenhum.

Allan, muito obrigado pela sua participação. Por favor, registre uma mensagem final para os leitores do Dinheirama que acompanham seu trabalho e querem conhecer um pouco mais sobre você.

A. P.: Não importa o cenário econômico, não importa se a ideia é boa ou ruim, não importa você tem experiência ou não. Se o empreendedor não der o primeiro passo e sair da zona de conforto para saber se sua ideia é viável, ela nunca sairá do papel.

O importante é a mudança de mindset! Eventos como o Startup Weekend e o ecossistema de startups te ajudarão a dar o primeiro passo. Corra atrás! Parabéns ao Dinheirama, sempre atento aos temas mais importantes do momento e disposto a ensinar e aprender. Admiro vocês! Até a próxima!

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários