Dinheirama Entrevista: André Bona, Assessor de InvestimentosDesde que comecei esta jornada em prol da educação financeira (lá em 2007), tive a oportunidade de conhecer e aprender com muitos profissionais da área de investimentos e, assim, compartilhar com você, leitor, mais conhecimento, opções de leitura e informação de qualidade.

Uma das pessoas especiais que conheci foi o André Bona, que é Assessor de Investimentos na Valor Investimentos, Agente autônomo de investimentos (CVM), CPA-20 (ANBIMA), Palestrante, instrutor de cursos sobre finanças pessoais e investimentos e responsável pelo “Blog de Valor”.

André é um entusiasta da educação financeira de qualidade e um profissional que entende muito de finanças e mercado financeiro. Conversamos sobre as principais dúvidas que os investidores iniciantes possuem e como investir de forma mais segura e rentável. Confira como foi nosso papo:

André, sempre recebemos a clássica pergunta “Qual é o melhor investimento?”. Suponho que isso também aconteça com você, certo? Afinal, que tipo de investimento é mais rentável?

André Bona: Volta e meia essa pergunta é feita pelos leitores do meu blog e por investidores iniciantes e, para um profissional especializado em investimentos, ela causa desconforto. Ocorre que estamos vivendo um boom dos investimentos. As pessoas, com o crescimento da renda, estão tendo a oportunidade de poupar parte de seus recursos e isso permite o acesso a novas possibilidades de investimentos.

Dessa forma, é bem natural que nossa população anseie por mais informações sobre o assunto. Uma pergunta aparentemente simples como essa é incrivelmente difícil de responder.

Primeiro porque não há uma receita. Como vocês mesmos sempre orientam aqui no Dinheirama e também nos cursos que ministram, a decisão de investimentos deve sempre estar subordinada a um planejamento financeiro. Para cada planejamento, existem investimentos diferentes, com finalidades diferentes, prazos diferentes, rentabilidades diferentes e riscos diferentes.

Às vezes recebo um email assim: “André, invisto na bolsa ou na poupança?”. E a resposta é depende. Pode ser bolsa, pode ser poupança, os dois ou nenhum dos dois. Depende do seu planejamento financeiro e dos seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

Você tocou em um ponto importante: objetivos alocados no tempo. Diante dessa observação, como um investidor deve, então, escolher os seus investimentos?

A. B.: A forma correta, que se mostra mais acertada a partir da nossa experiência, é aquela em que os produtos a serem investidos serão escolhidos apenas na última parte do processo. Primeiramente, é importante que exista um planejamento financeiro, um entendimento efetivo de objetivos, expectativas de retorno, tolerância do investidor ao risco e necessidades de liquidez. Essa primeira parte é que vai nortear totalmente o processo de investimentos.

Em um segundo momento ocorre a definição da política de investimentos. Essa etapa consiste num estudo quantitativo e qualitativo das proporções de determinadas classes de investimentos na carteira e a sua contribuição para uma relação risco x retorno global.

Nessa segunda etapa, avaliam-se os investimentos não como produtos, mas ainda como classes. Exemplos de classes: renda variável, renda fixa, multimercados, inflação, DI, imóveis e etc.

O produto final dessa segunda etapa é a definição da alocação por classes de ativos e os percentuais de cada classe na montagem de uma carteira.

A terceira etapa consiste na seleção dos produtos de investimentos disponíveis no mercado financeiro por classe de ativo. Nesta hora, se a política de investimentos contemplar 30% em fundos multimercados, então se deve procurar os melhores fundos multimercados do mercado para aquele nível de risco e objetivos de retorno do investidor.

É somente na terceira etapa que os produtos (fundo do banco A, LCI do banco B, CDB do banco C, carteira de dividendos, small caps, fundos imobiliários, NTN-Bs, LTNs ou LFTs e etc) são definidos.

Muito interessante essa abordagem mais pragmática e, ao mesmo, tempo bem definida dos passos para se tomar uma decisão de investimento. Mas isso não dá muito trabalho para o pequeno investidor? Como o investidor iniciante deve fazer para elaborar tudo isso?

A. B.: Sim, dá trabalho, claro. Mas já vimos casos de prejuízos absurdos pelo simples fato de o investidor não se dedicar a esse processo. É importante salientar que essas horas de dedicação inicial economizarão muitas horas e muita dor de cabeça para o resto da vida. Por isso acho imprescindível que o investidor se disponha a investir tempo nessa etapa. Ao não fazer isso, corre-se o risco equivalente ao de comprar um carro popular por 100 mil reais. Você compraria?

O ideal mesmo seria que cada pessoa tivesse como contratar os serviços de um consultor financeiro não vinculado a nenhuma instituição financeira. Esse é o papel de um consultor: orientar o seu cliente e auxiliá-lo na aquisição de serviços financeiros alinhados com seus objetivos, auxiliando no gerenciamento do endividamento, planejamento de investimentos e realização de objetivos diversos. Enfim, acredito muito no modelo de um consultor financeiro pessoal como já ocorre com o médico da família.

Na área de investimentos, onde atuo especificamente, atendemos investidores que possuem esses consultores pessoais. Normalmente são investidores que possuem patrimônio financeiro investido acima de R$ 1 milhão. Até porque o custo/hora de um consultor como esse é mais elevado, dependendo da finalidade da consultoria.

Nos segmentos de Wealth Management (WM) e Private banking (para investidores geralmente com investimentos de pelo menos R$ 2 milhões), as instituições financeiras disponibilizam um atendimento mais próximo da consultoria financeira. Claro que devemos observar que um banco sempre terá por finalidade a venda de seus produtos.

Já os investidores que se posicionam abaixo do segmento WM, o importante é investir muito em aprendizado, seja através de leitura especializada (e existe muito material de qualidade na internet – e também muito lixo), participação em cursos, palestras e não acreditar cegamente nas coisas sem ao menos comparar oportunidades entre as instituições financeiras.

O aprendizado é importante, pois sem o aprendizado o investidor nem tem como comparar nada, pois não tem conhecimento pra isso. E depois é fazer o acompanhamento e o ajuste periódico das posições, sempre antenado no cenário macro.

Se você tivesse que apontar o erro mais comum do investidor, qual seria?

A. B.: Eu digo que um que chega a dar coceira é quando um investidor toma uma decisão de investimento baseado em rentabilidade passada. Isso é muito triste. Sei de casos em que gerentes de banco venderam fundos de inflação para clientes em janeiro deste ano, baseando-se nas rentabilidades dos anos anteriores.

Ocorre que o cenário mudou e esses fundos perderam rentabilidade e hoje estão completamente fora das nossas sugestões. Nós estamos no alerta quanto a esses fundos desde novembro, monitorando crescimento econômico, possibilidade de alterações da Selic (aqui está o maior risco para esses produtos) e trajetória da inflação.

Em dezembro, por exemplo, não sugerimos novos posicionamentos em inflação. Em janeiro. o alerta vermelho acendeu forte e em fevereiro sugerimos reduções drásticas nessa posição. Enquanto estávamos tentando achar o timing de saída da posição, vários investidores estavam comprando, totalmente na contramão do cenário macroeconômico.

O resultado você vê aí, basta dar uma olhada no desempenho desses fundos desde janeiro.

Peguei em minhas mãos o caso de um investidor que recebeu uma herança de R$ 2,5 milhões. Ele aplicou tudo em um fundo de inflação em janeiro, olhando a rentabilidade passada. Infelizmente, ele está pagando um preço elevadíssimo por não ter se dedicado às etapas anteriores. E ainda foi convencido de que agora deveria segurar essa posição para “esperar voltar”.

O fato é que o cenário mudou. Na primeira elevação de Selic que houver, a situação ficará insuportável. E a alta de Selic é esperada por mais de 90% das áreas de análise de bancos de investimentos, assets e corretoras.

Enfim, comprar pela rentabilidade passada é um erro grave e com custo de aprendizado elevadíssimo.

Você mencionou o cenário econômico brasileiro, que tem passado por mudanças bastante interessantes nestes últimos anos. Qual sua recomendação para pessoas e famílias interessadas em investir diante de dias como os de hoje?

A. B.: Com todas essas mudanças no cenário econômico mundial, queda de taxas de juros, riscos espalhados por todo lado, a minha recomendação é que as pessoas se informem. Façam cursos, participem de palestras e dediquem atenção ao tema. Sem isso, vão “correr atrás do rabo” e não avançarão da forma como poderiam avançar em suas finanças.

O período de ganhar dinheiro sem risco está nas últimas. Por isso, é bom aprender para não ficar a mercê dos gerentes de bancos, por exemplo, cuja atividade não é de educação financeira, mas sim de venda de produtos bancários.

E devemos observar que não há mal nenhum no trabalho de um gerente bancário. O que está errada é a nossa percepção, enquanto população, sobre a atividade que ele desempenha, que é de venda de produtos do banco conforme metas estipuladas e não consultoria financeira isenta.

André, muito obrigado por sua participação e disponibilidade. Deixe uma mensagem com um resumo de seu trabalho e indique seu site para que nosso leitor possa conhecê-lo.

A. B.: Eu que agradeço Navarro e equipe, parabéns pelo trabalho realizado. De nossa parte, realizamos palestras gratuitas online sobre investimentos para todo o Brasil. Quem tiver interesse, basta visitar o “Blog de Valor” clicando em www.blogdevalor.com.br e conferir a agenda. Estão todos convidados!

Foto: divulgação.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários