O mercado de leilões é extremamente diversificado, abrangendo desde imóveis, até automóveis, obras de arte, mobiliário e etc. Com mais de 30 anos no mercado, a Zukerman Leilões, especializada na realização de leilões de imóveis, obteve um aumento efetivo nas vendas de 47% em 2017. A empresa também vem observando uma mudança radical no perfil e comportamento de quem investe em leilões nos últimos anos. Basta dizer que 90% das vendas em leilões é realizada pela internet.

E será que o sistema tem vantagens? Quando se trata de valor parece que sim. Quem resolve comprar uma propriedade utilizando-se de leilões, por exemplo, acaba pagando em média 60% menos do que a avaliação do mercado. Desta vez, o Dinheirama conversou com André Zukerman, diretor da Zukerman Leilões, para trazer a você mais informações sobre o tema!

A Zukerman é uma referência em leilões. Pode contar resumidamente como a empresa começou?

André Zukerman: Começamos com leilão de artes, passamos por leilões de motos, carros e artigos em geral até aproximadamente 2002, e hoje realizamos somente leilões de imóveis. Somos parceiros das principais instituições financeiras do Brasil e diversas empresas e incorporadoras.

Quantos leilões a Zukerman realiza mensalmente? Qual o panorama deste setor no Brasil? O brasileiro participa muito de leilões?

A.Z.: A Zukerman leiloa em média 500 imóveis por mês. Observa-se um avanço contínuo e o ingresso cada vez maior de pessoas no mercado de leilões, principalmente pessoas físicas. Acreditamos que esse crescimento advém da maior divulgação e do desenvolvimento das ferramentas do leilão eletrônico. Além disso, algumas alterações na legislação têm favorecido os arrematantes como, por exemplo, a possibilidade de arrematação de forma parcelada em leilões judiciais e a diminuição de recursos para anular arrematações. Nos extrajudiciais, os imóveis podem ser vendidos com desconto à vista ou parcelado, o que também chama muito a atenção do público.

A Zukerman realiza leilões judiciais e extrajudiciais. Pode explicar as diferenças entre eles?

A.Z.: Os leilões judiciais são aqueles em que o bem tem origem em um processo cível, trabalhista, de falência, execuções fiscais ou dívida de condomínio. Os extrajudiciais são aqueles em que o bem vem de pessoas físicas, jurídicas, instituições bancárias ou alienação fiduciária, quando o imóvel foi dado como garantia.

Como estes leilões funcionam?

A.Z.: Em leilões Judiciais, o leiloeiro é indicado pelo exequente (que é o credor no processo) e nomeado pelo juiz da causa. É realizado em 2 praças (no judicial o leilão é chamado de primeira e segunda praça, ao invés de primeiro e segundo leilão): a primeira pelo valor da avaliação do bem (que será direcionado para o pagamento da dívida e o restante fica para o devedor). Se a propriedade não é vendida nesse primeiro momento, acontece a segunda praça, em que o bem é leiloado com desconto de 50% ou mais, de acordo com a decisão do juiz (geralmente de 50% a 80% de desconto).

– Nos leilões Extrajudiciais  – de alienação fiduciária – o imóvel é consolidado em favor do credor que por obrigação legal terá que levá-lo a leilão. São realizados 2 leilões, sendo o primeiro leilão pelo valor estabelecido pelas partes em contrato ou pelo valor atribuído para recolhimento de ITBI, dentre eles o maior. E o segundo leilão será realizado pelo valor da dívida, mais as despesas e outros encargos. Nesse caso recebemos por meio de contratação com empresas e bancos.

– No caso de patrimônio de bancos,  também recebemos por meio de contratação dos comitentes bancários. Os valores são definidos por critérios do próprio comitente bancário. É realizado apenas 1 leilão (não 2 como nos outros casos citados acima).

– E no caso de pessoas físicas e jurídicas, recebemos por meio de contratação e os valores e condições de pagamento são definidos pelo vendedor.

Quais as vantagens que um leilão pode proporcionar ao comprador?

A.Z.: Economia no preço, transparência e segurança. Vamos aos detalhes:

  1. Economia: As oportunidades podem chegar a até 60% de desconto. As opções de pagamento variam de acordo com o detentor do bem, sendo que existem casos – em sua maioria de instituições financeiras – que permitem o parcelamento em 30, 45 e 60 vezes, além de fornecerem desconto para pagamento à vista.
  2. Transparência:Desde o momento do anúncio de um leilão, todas as informações são disponibilizadas. O edital reúne dados como o lance mínimo, o proprietário, a situação do bem, a data, etc. Ao deixar tudo explícito, não existe especulação visando à valorização do imóvel, transformando-se em um negócio justo para ambas as partes, sem que ocorra nenhum tipo de vantagem.
  3. Segurança:Ao arrematar um imóvel em um leilão, o comprador recebe todas as orientações dos processos pós-compra, como condições de pagamento e comissão do leiloeiro. Além disso, o adquirente da propriedade também possui toda a segurança financeira, pois tem o direito de, caso a venda seja anulada ou impugnada, receber de volta todo o valor pago, garantindo a integridade da transação.  Outro fator importante é que a maioria das negociações é realizada e respaldada por Tribunais de Justiça e grandes instituições financeiras, fato que endossa a procedência dos imóveis e das transações.

Quais os riscos? A pessoa interessada deve tomar algum cuidado específico?

A.Z.: As dicas seriam estas:

  1. Estude o mercado:Essa dica pode ser aplicada não só para leilões de imóveis. Entender o cenário e realizar comparativos de valores é essencial para aumentar a percepção sobre o negócio. No caso de leilões, por vezes não é possível visitar a casa ou o apartamento por estarem ocupados. O recomendado, entretanto, é conversar com o zelador e moradores do bairro para saber informações.
  2. 2. Realize os cálculos imobiliários:Ao adquirir um bem por meio de um leilão, calcule os valores envolvidos na transação. Além do arremate, existe uma taxa de 5% sobre o total que deve ser pago ao leiloeiro. Há ainda os registros, ITBI, documentações, valor de IPTU, condomínio, e é preciso considerar uma reserva para possíveis reformas. Tudo isso vai ajudar o comprador a decidir se realmente vale a participação do leilão. Para os compradores que têm interesse em adquirir um imóvel como forma de investimento, os custos referentes à venda e comissões de locação devem ser considerados.
  3. Mantenha o controle emocional:Participar de leilões é empolgante e uma vez que o lote é arrematado, não é possível desistir da compra. Por isso, mantenha o controle emocional e não se permita ultrapassar o valor que já havia sido definido anteriormente.
  4. Leia o edital:Cada leilão possui seu próprio edital e condições diferentes. Além disso, no documento constam todas as informações importantes referentes ao leilão, como se o imóvel já está envolvido em algum processo judicial, se está ocupado, se possui dívidas e também as condições de pagamento.
  5. Consulte um advogado:Contar com um profissional especializado desde o começo é primordial, pois ele será responsável pela análise do edital, podendo se antecipar às necessidades para a habilitação e sanar todas as dúvidas dos consumidores.

E para quem investe? Pode ser uma oportunidade a se prestar mais atenção?

A.Z.: Sim, com certeza. Das vantagens citadas acima, a questão preço é uma das mais importantes. Os investidores tem possibilidade de comprar imóveis com até 60% de desconto, ou mesmo imóveis comerciais já locados, entre outras oportunidades. Mesmo se tratando de imóveis ocupados ou com dívidas, ainda sim alguns casos ficam abaixo do valor de mercado. Vale a pena analisar caso a caso. O leilão de imóveis é mais uma opção de compra de imóveis tanto para consumidores finais, quanto para investidores.

A empresa lançou uma plataforma na internet e me parece que notou um aumento grande na movimentação, certo? Pode falar um pouco mais sobre isso? Quais as tendências neste mercado?

A.Z.: A Zukerman Leilões está há mais de 30 anos no mercado e há 10 anos foi pioneira nos leilões online, criando uma plataforma para leilões online e online e presencial, esse segundo com transmissão simultânea. Em maio do ano passado colocamos no ar nosso novo site, repaginado e mais intuitivo, visando a uma experiencia melhor de navegação para nossos usuários. Essa nova plataforma acompanhou o crescimento das oportunidades em leilões e vendas.

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários