Se você acompanha meu trabalho há algum tempo, deve perceber que sempre procurei discutir muito o aspecto cultural do brasileiro quando o assunto é dinheiro. Fico com a sensação de que ter uma economia estável tão jovem contribui para a ausência de uma cultura de investimento mais consolidada.

O que podemos fazer neste sentido? Desmistificar a questão é um ótimo começo. Conversei sobre isso com Augusto Miranda, responsável pela Gestão de Patrimônio do HSBC. Miranda está no banco desde 2007, tendo atuado na Corretora e no Private Banking. Sua última posição foi como diretor em uma das áreas internacionais do Private Bank.

Augusto é graduado pela PUC/SP, pós-graduado em Portfolio Management pelo INSPER e tem especialização em gestão e liderança pela Universidade Harvard.

Confira como foi nosso papo:

Augusto, no Brasil parece que investir não é um hábito que faz parte da cultura dos brasileiros. Você concorda com essa visão? O que pode ser feito para mudar essa percepção (ou realidade)?

Augusto Miranda: A disciplina para investir é uma das principais características que deve ganhar mais importância na mente dos investidores brasileiros. Parte da “não-disciplina” é cultural, sem dúvida, mas temos que valorizar o crescimento dos investidores disciplinados que já temos no país.

Investir depende muito de dois componentes: conhecimento e experiência. Sem eles – ou alguém que possa orientá-lo – o investidor de média/alta renda, que tem capacidade de poupança, continuará somente “poupando mais e mais”, em curto prazo, e dificilmente terá um plano de investimento.

Este cenário vem mudando ao longo dos anos com a queda na taxa de juros reais que, por sua vez, criou no passado uma cultura de investimento de curto prazo e uma visão mais simplista de risco e retorno – análise em percentual de CDI.

É comum as pessoas confundirem poupar com investir e, além disso, tratarem o investimento como uma coisa distante de sua realidade. Quais os principais mitos sobre investimentos e como lidar com eles?

A. M.: De acordo com alguns acadêmicos, poupar (saving em inglês) significa não destinar toda a renda para o consumo. Investir, por outro lado, significa a escolha dos ativos que serão comprados. É possível investir de forma segura ou investir em ativos de risco, ou ainda optar pela combinação dos dois.

As pessoas de baixa e média renda têm a falsa percepção de que investir é somente para quem tem muito dinheiro. Isso não é verdade. Existem muitos fundos de investimentos com valor mínimo de entrada inferior a R$ 100, além de outros instrumentos como o Tesouro Direto, por exemplo.

Finanças Comportamentais é o nome da “ciência” que estuda o comportamento do investidor e tem como um dos principais teóricos o ganhador do prêmio Nobel Daniel Kahneman. Este estudo cita alguns dos comportamentos que Investidores e potenciais investidores apresentam.

Sobre os mitos para os investimentos, abrir mão da liquidez é um dos mais comuns. Isso significa que vários investidores poderiam investir parte de seu capital em produtos com carência de resgate e em troca teriam melhores retornos.

Outro mito bem popular entre investidores de mais alta renda é que investir no mercado internacional é complexo e pouco rentável. Neste segundo caso, a oportunidade é enorme e de fácil alocação – por exemplo, por meio de fundos no Brasil que investem em ativos internacionais.

Você acredita em iniciativas de educação financeira? Pode comentar um pouco sobre como o conhecimento, a informação e o interesse do cidadão pode mudar sua realidade financeira?

A. M.: Acredito, e muito, em educação financeira e também creio que cada vez mais as instituições financeiras devem auxiliar os clientes no assunto. Meu ponto baseia-se no fato de que vivemos na era da informação e todos nós estamos expostos a centenas de dados todos os dias.

A capacidade de entendimento destas informações e de transformá-las em decisões de investimentos é algo que está além da capacidade de compreensão de grande parte das pessoas. Aqui entram as instituições financeiras, com o papel fundamental de fazer o tratamento da informação para que possa ser compreendida pelos clientes.

E a partir dessas informações pode-se apresentar uma estratégia de investimentos para cada perfil de Investidor. Esse processo de investimento, quando feito com frequência, é uma metodologia prática de educação financeira e pode, sim, mudar a realidade financeira de qualquer pessoa.

Há muita discussão em torno da caderneta de poupança e seu retorno, praticamente o mesmo da inflação. Que alternativas o Investidor possui e quando ele deve usá-las?

A. M.: Diversificação de investimentos é o nome do jogo. Nossos estudos comprovam que investimentos diversificados em cinco diferentes classes de ativos teriam rendido 15% mais que o CDI nos últimos 11 anos.

Com relação à poupança, podemos dizer que é uma boa alternativa para o “poupador” guardar recursos não consumidos e fazer a manutenção do poder de compra destes recursos. Mas não é para o investidor que busca, além da manutenção do poder de compra dos seus recursos, rendimento real ou acima da inflação.

Como o Investidor iniciante deve encarar esse restante de ano desafiador, com Eleições e perspectivas econômicas polêmicas? Onde investir para poder dormir tranquilo?

A. M.: Não existe uma resposta simples e única, o mais recomendado em todos os cenários é diversificar seus investimentos. Independente do cenário é possível por meio de um processo de diversificação de investimentos, capturar as melhores oportunidades, independente do momento do mercado. O processo de investir passa por:

  • Identificar o perfil do investidor e sua tolerância à tomada de risco;
  • Definir o percentual de alocação para cada classe de ativo;
  • Escolher os produtos para cada classe de ativo e estabelecer a frequência com que o portfólio de investimentos será revisto.

Este processo garante investimentos com a melhor relação entre risco e retorno para cada perfil de investidor independentemente da experiência desse investidor e do momento de mercado.

Augusto, obrigado pela disponibilidade. Por favor, deixe uma mensagem final para nossos leitores.

A. M.: Melhor que investir muito é investir sempre. É importante ter objetivos financeiros claros e temporais, pois isso ajuda muito na disciplina de investimento. Conhecimento e experiência sobre investimentos vêm com o tempo. Aqui, de fato, podemos falar que tempo é dinheiro. Obrigado e até a próxima.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários