Neste mês de março, o Dinheirama celebra o fundamental papel das mulheres na sociedade e sua enorme contribuição para com a educação financeira e o ecossistema empreendedor.

Lançamos o eBook gratuito “Finanças Pessoais para Mulheres” (clique para download) e no decorrer desta semana publicaremos entrevistas especiais com grandes mulheres da cena empreendedora brasileira.

A primeira entrevista é com Camila Farani, 34 anos, uma referência quando se fala em empreendedorismo no Brasil. Camila é Presidente no Gávea Angels, primeiro grupo de investidores-anjo do Brasil, e está à frente do MIA (Mulheres Investidoras Anjo), uma iniciativa que busca fomentar o investimento-anjo feminino.

Nessa entrevista, ela conta um pouco sobre a sua história e fala sobre o novo perfil das mulheres empreendedoras.

Camila, conte um pouco de sua trajetória e de como o empreendedorismo surgiu na sua vida. 

Camila Farani: Nasci em uma família que tinha como ponto central uma mulher empreendedora. Com a perda do meu pai (eu tinha quatro anos na época) vi surgir uma figura forte e inspiradora, minha mãe, que ao lado do meu irmão começou a administrar uma tabacaria no Rio de Janeiro.

Aos 16 anos, comecei a trabalhar no negócio fazendo todas as funções. Aos 20 anos sugeri uma pequena inovação para o negócio e tive êxito no resultado. Foi justamente aí que percebi que minha visão diferente e inconformista poderia fazer sentido. Descobri que eu poderia fazer acontecer.

Ingressei na faculdade de Direito e com o pouco capital que dispunha na época, reinvesti sistematicamente para abrir negócios na área de alimentação. Aos 23 anos já comandava minha própria empresa e aos 26 anos já tinha quatro negócios.

De lá para cá, com o passar dos anos e aquisição de experiências na área, fui convidada a ser diretora de um novo projeto de alimentação saudável, da Rede Mundo Verde. Foi quando passei a adquirir mais conhecimento sobre negócios e suas viabilidades econômicas e gerenciais.

Quando decidi sair do grupo Mundo Verde, já com uma bagagem de aprendizado, voltei para meus negócios e criei o Grupo Boxx, consolidando as marcas de alimentação e criando novos segmentos em serviços para empresas como também ao público final. Nesse período, um amigo me convidou a conhecer o que era investimento-anjo e startups.

Decidi ir a um fórum do Gávea Angels, no Rio de Janeiro e ali me apaixonei pelo empenho e dedicação tanto dos investidores quanto dos empreendedores em estabelecer novas formas de empreender e investir via tecnologia. Era fascinante conhecer outros negócios e poder fazer parte deles de uma certa forma.

Ao longo desse caminho, procurei me especializar tecnicamente já que a prática eu vivenciava por mais de 15 anos.  Fiz cursos de especialização em empreendedorismo na Babson College e Customer Development em Stanford.

Co-fundei a Lab22, junto com dois outros grandes investidores anjo, para um laboratório de investimento-anjo no Brasil, para auxiliar na criação e gestão de startups de tecnologia.

Este ano tive a honra de ser nomeada Presidente da Gávea Angels, associação privada sem fins lucrativos, com o propósito de promover o desenvolvimento de startups, a mesma que havia ingressado quatro anos atrás. Também sou professora de empreendedorismo e inovação no curso de pós-graduação da FGV e participo de grupos e entidades focados em apoiar startups.

Investimento-anjo é um investimento de grande risco. Por que você decidiu se tornar anjo e qual tipo de análise você faz para diminuir o potencial de risco em suas escolhas?

C.F.: Tudo aconteceu de forma muito natural. Fui participar de um evento na Gávea (Angels) e sentei em um auditório com aproximadamente 35 homens, ali naquele momento despertou uma vontade que até então era desconhecida.

Eu me apaixonei por investimento-anjo e comecei a avaliar empresas e estudar muito para entender como todo aquele universo funcionava. Uma mulher na época me disse que tinha uma empresa de cosméticos e tinha uma grande dificuldade de dialogar sobre negócios porque não existiam investidoras. Foi aí que comecei a me dedicar de verdade (ao investimento-anjo) e consequentemente aos seus desdobramentos no mercado.

Depois fiz um curso em Stanford, com Steve Blank, um dos maiores nomes do cenário empreendedor, para entender a dinâmica das startups, mas sobre investimento eu aprendi na prática, estudando muito e observando como fundos de venture capital faziam para adaptar ao modelo de investimento-anjo.

Os riscos estão presentes em qualquer investimento que façamos, mas algumas dicas para quem deseja entrar na área e que pode ajudar a evitar erros desnecessários giram em torno principalmente do controle da ansiedade e do impulso.

Um investidor-anjo analisa umas 10 startups no primeiro momento, não faz investimento de cara, questiona, estuda o negócio em todas as suas vertentes. Outra coisa: invista com quem já faz isso há mais tempo.

Eu adotei essas premissas e aprendi com quem já fazia (todos homens, claro!) Agora quero reverberar isso para o conhecimento chegar a outras mulheres, este é o objetivo.

Leitura recomendada: Por que o Investimento Anjo é um bom negócio?

Conte um pouco sobre a criação do MIA (Mulheres Investimento Anjo). Como funciona o grupo e qual é o seu objetivo?

C.F.: Como eu disse acima, este ainda é um universo onde a atuação masculina predomina e honestamente não vejo nenhum problema nisso. O aprendizado é enriquecedor e complementar aos nossos atributos que vêm da essência, como sensibilidade, multitarefas e olhar detalhista.

Ao longo das últimas décadas, nós mulheres quebramos diversos tabus e paradigmas e já está mais que provado que somos capazes, competentes e extremamente profissionais.

Foi pensando em tudo isso que em 2014 fundamos o Mulheres Investidoras Anjo (MIA), grupo que busca atrair mulheres para investir em startups no Brasil e, consequentemente, ajudar mais mulheres a criar negócios inovadores. Estudamos algumas pesquisas que relatavam que mulheres investem muito mais em mulheres e com isso conseguimos ter um impacto no ecossistema todo.

Acho que a mulher tem que entender e se conscientizar da importância do associativismo e do networking. Você precisa se unir com pessoas que têm interesses semelhantes aos seus.

Como você analisa o perfil da mulher empreendedora? O que tem levado as mulheres a empreender? Há alguma mudança em relação a alguns anos atrás? Como o interesse das mulheres por empreendedorismo evoluiu ao longo do tempo?

C.F.: Nos últimos anos houve crescimento, em relação a conscientização e acesso às oportunidades e atuação das mulheres nesta área, sem dúvida nenhuma. Acho que essa amplificação que a gente tem (do empreendedorismo) se deu em função da revolução tecnológica que está trazendo muito mais força para as mulheres. Alia-se a isso movimentos femininos (ou feministas) ao longo de todo o mundo ganhando força.

Sem contar que ter mulheres no poder também alavanca movimento e consequentemente acaba inspirado as demais que passam a pensar “se ela conseguiu, eu também posso”.

Quando você vê mulheres como a Luiza Helena Trajano (do Magazine Luiza) liderando esses movimentos femininos, o engajamento também aumenta, além de iniciativas como o MIA e a Rede Mulher Empreendedora.

Quais são as maiores dificuldades de hoje para as mulheres que querem empreender?

C.F.: As principais dificuldades giram em torno da própria autoconfiança e autoconhecimento. Quando a mulher acredita em si mesma e entende quais são seus objetivos ao empreender e principalmente aonde pretende chegar, tudo fica infinitamente mais fácil.

Hoje isso soa como clichê, mas a verdade é que somente entendendo seus pontos fortes e fracos, você consegue direcionar sua vida trazendo pessoas que são melhores do que você naquilo que você não é.

Importante ter uma meta, lutar para atingi-la e assim criar outras metas. Vejo pessoas chegando para mim e dizendo que precisam de dinheiro. Eu pergunto o motivo e dizem que é para capital de giro. Aí eu pergunto por que precisa de capital de giro e ela não sabe responder.

Existe menos uma cultura de entender metas, indicadores e objetivos entre as mulheres até por uma questão histórica. A mulher se inseriu no mercado de trabalho muito depois do homem. É uma questão de tempo, experiência prática e dedicação para isso mudar.

Leitura recomendada: Empreender: um estilo de vida com alguns desafios e muitas recompensas

Você trabalha em um mercado que é composto por uma grande maioria masculina. Como lida com isso? Ainda há muito preconceito contra a mulher?

C.F.: Não gosto de usar a palavra preconceito, pois ela já denota um inconsciente negativo. Creio que quanto mais usarmos, mais ela se propaga; prefiro ressignificar a palavra para degrau.

Não se trata de uma visão poética e sim de alguém que precisou entender na dor, como ter um lugar ao sol. Então, prefiro dizer que tive muitos degraus enfrentados e ainda os tenho todos os dias, o que ocorreu foi uma mudança na minha forma de encará-los.

É notório que com tudo que já provamos até aqui ainda tem aquela coisa da mulher precisar trabalhar dez vezes mais para provar sua capacidade e competência. Como todas as mulheres (e homens também), em algum momento da minha vida já fiz isso, precisar de certa forma me provar.

Mas hoje percebo que isso é um erro, é um rótulo desnecessário. Não tem que trabalhar mais para compensar nada, você tem é que trabalhar nos seus pontos fortes por você, não pelos outros (ou pelo que vão achar ou pensar de você).

Quais benefícios e vantagens você enxerga no empreendedorismo como uma opção de vida? 

C.F.: Ser empreendedor é você se tornar protagonista da sua própria vida. É investir em ideias, sonhos, propósitos e o mais importante: fazer com que sua rotina seja repleta de grandes conquistas, parcerias, metas alcançadas, evoluções diárias que te motivam e fazem com que todo esforço e dedicação sejam recompensados.

Muita gente ainda acha que ser dono do seu próprio negócio significa trabalhar menos ou ficar rico rapidamente, dois equívocos. Um empreendedor pensa e vive seu negócio 24 horas por dia de forma prazerosa, mas não menos estressante, afinal, é justamente essa pessoa que quer ver seu negócio deslanchar. E dinheiro é consequência do trabalho, dedicação e escolhas a médio e longo prazo.

Leitura recomendada: Mulheres e finanças pessoais: uma viagem pelas fases da vida

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários