Há algum tempo atrás, participei de um evento ao vivo sobre Tesouro Direto ao lado de pessoas especiais e diretamente ligadas ao sucesso desse investimento no Brasil. Estive com André Proite, do Tesouro Nacional, André Moraes (Trade ao Vivo) e Caroline Guedes, da Rico.com.vc. Será que investir em títulos públicos é uma decisão inteligente? Você deve investir? Sim e Sim!

Muitos leitores ainda têm dúvidas sobre como começar a investir e principalmente sobre como se decidir em relação aos títulos disponíveis. Alguns se assustam com a ideia de que esse investimento envolve cobrança de Imposto de Renda e custos, mas a verdade é que trata-se de uma opção muito interessante para todos, inclusive muito melhor que a caderneta de poupança.

Para trazer mais sobre esse excelente investimento para você, nosso leitor, converso novamente com a Caroline Guedes, formada em Administração e pós graduada em Mercados Financeiros pelo Mackenzie. Caroline atua no mercado financeiro desde 2005, já tendo trabalhado com Atendimento, Mesa de Operações e Fidelização. Hoje, ela é responsável pela área de Atendimento a novos clientes da corretora Rico.com.vc.

A propósito, eu e a Caroline gravamos um curso gratuito e em vídeo sobre Tesouro Direto, acho que você vai gostar de assistir (clique no link para assistir).

Acompanhe nosso papo:

Caroline, para nós que trabalhamos na área de finanças, o Tesouro Direto é facilmente identificado como um investimento seguro e com boa rentabilidade. Como traduzir isso para nosso leitor que não vive a realidade do mercado financeiro? Por que os títulos públicos são tão interessantes?

Caroline Guedes: O Tesouro Direto é considerado o investimento com menor risco que temos e que oferece uma rentabilidade muito atrativa. Para se ter ideia, se compararmos com a tradicional poupança, podemos obter até quase o dobro de sua rentabilidade.

Ao comprar títulos públicos você está emprestando dinheiro para o Governo Federal e com esse dinheiro ele vai fazer melhorias em nosso país, como construir conjuntos habitacionais, creches, hospitais, etc. Investir no Tesouro Direto é bem parecido com o conhecido CDB do banco, a diferença é que no Tesouro Direto você está comprando a dívida do Governo e no CDB, a dívida do banco.

E porque o Tesouro Direto é o investimento com menor risco? Por dois grandes motivos: porque o Governo é o nosso órgão máximo, e porque se ele vir a passar por alguma dificuldade, ele pode, por exemplo, aumentar os impostos para arrecadar dinheiro com maior rapidez ou até mesmo “imprimir” dinheiro para honrar suas dívidas.

Muitos leitores ainda não se sentem à vontade para investir no Tesouro Direto. Uma das perguntas comuns diz respeito ao valor inicial para investir e aos passos para começar. Vamos simplificar essas dúvidas em um passo a passo?

C. G.: Antigamente, só era possível investir em Títulos Públicos através dos bancos e, muitas vezes, eles cobravam taxas de administração altíssimas e valores inicias também altos. Hoje, a partir de R$ 80,00 você já pode começar seus investimentos no Tesouro Direto.

Para isso, é muito simples: basta abrir uma conta em um banco ou corretora credenciada. Na corretora Rico.com.vc você pode fazer isso sem custo e para tal basta acessar nosso site www.rico.com.vc, preencher alguns dados e nos enviar por e-mail a ficha cadastral assinada com cópias do RG e comprovante de endereço.

Gosto sempre de frisar que a escolha dos títulos públicos deve estar alinhada aos objetivos do investidor, principalmente em relação ao tempo (para facilitar a compra pela data de vencimento dos títulos). Pode explicar melhor essa estratégia e dar exemplos de diferentes títulos para diferentes objetivos?

C. G.: Isso mesmo, a primeira coisa que você deve saber ao adquirir títulos públicos é o prazo. Se você está pensando em longo prazo, acima de 4 anos, como por exemplo em realizar uma previdência complementar, a melhor opção seria a NTN-B Principal, que paga uma taxa fixa mais a variação da inflação, isso porque, como se trata de longo prazo, você protege seu poder de compra (se a inflação subir, seu investimento acompanhará).

Agora, se você tem plano para médio prazo, 2 a 3 anos, o mais indicado é a LTN, título pré-fixado que paga uma taxa bem atrativa. E se você quer algo mais para curto prazo ou ainda não tem um prazo definido, você pode optar pela LFT, título que acompanha a variação da Selic e é considerado o mais conservador, visto que se você vender antes do vencimento, você nunca vai perder, sempre será remunerado proporcionalmente a taxa Selic do período.

Falei um pouco mais sobre as escolhas e como começar a investir no curso que gravamos juntos e convido o leitor a conhecê-lo: curso gratuito sobre Tesouro Direto (clique e assista).

Quais são os custos envolvidos na aquisição de títulos públicos através da Rico.com.vc? Existem custos que independem da corretora? Estes custos são mais baixos do que se o investidor optar por investir em um banco ou fundo conservador?

C. G.: A única coisa que difere você comprar através da Rico.com.vc ou em qualquer lugar é a taxa de administração. Na Rico cobramos apenas 0,1% ao ano, isto é, se aplicar R$ 1.000,00, você terá um custo de R$ 1,00 ao ano. Além dessa taxa, todo investidor deve pagar também a taxa de custódia da BM&F Bovespa, que é de 0,3% ao ano.

Somando, você terá um custo total de 0,4% ao ano, justamente o principal motivo que se aplicar no Tesouro Direto: é mais vantajoso que em fundos conservadores, visto que dificilmente você consegue uma taxa de administração no fundo inferior a esse valor.

É muito comum encontrarmos na imprensa textos e matérias que falam de rentabilidades negativas em renda fixa, especialmente na negociação de títulos públicos, o que assusta muitos investidores. O que você tem a dizer sobre isso?

C. G.: Isso só pode acontecer se você vender o título público antes do vencimento. O Tesouro Direto foi criado para estimular poupança de longo prazo e não para comprar hoje e vender amanhã. Por isso, como comentado na terceira questão, quando você iniciar seus investimentos no Tesouro Direto, você deve estar bem alinhado com seus objetivos.

Caroline, obrigado pela disponibilidade. Por favor deixe uma mensagem final sobre o investimento no Tesouro Direto e como nosso leitor pode fazer contato direto com você para mais detalhes. Até a próxima.

C. G.: Eu que agradeço a vocês do Dinheirama e o que eu tenho a dizer é que nós devemos sempre fazer o melhor pelo nosso dinheiro, pois não é nada fácil ganhá-lo. Por isso não devemos ter preguiça, mas sim aprender mais sobre os investimentos disponíveis para não perder dinheiro, por exemplo, deixando-o aplicado na poupança.

Mais uma vez lembro ao leitor que gravamos um curso gratuito em vídeo sobre Tesouro Direto (clique para assistir). Além disso, estou disponível para tirar dúvicas no telefone (11) 3003-5465 e no e-mail direto [email protected]. Obrigada e um abraço.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários