A área de Recursos Humanos vem contando com uma série de transformações lideradas pelas startups. A SalaryFits é uma fintech que promove saúde e inclusão financeira a partir do conceito brasileiro de benefícios com desconto em folha de pagamento, e mais de 3 milhões de empregados já foram beneficiados. Recentemente, a empresa também realizou parceria com a plataforma de openbank da Fabric focando em empréstimo consignado. Conversamos com o CEO Delber Lage para entender melhor a respeito.

 Para começar, pode explicar resumidamente o que faz a SalaryFits? De onde surgiu a ideia para a criação da fintech?

D.L.: A SalaryFits foi criada em 2016 como uma spin off internacional da fintech brasileira Zetra. Nossa missão é levar a inclusão e o bem-estar financeiro ao mundo, empoderando as pessoas através de seus salários. Para isso, nossa plataforma inovadora é capaz de mudar a vida das famílias ao conectar empresas a diversos fornecedores de benefícios. Focamos no bem-estar financeiro dos colaboradores, permitindo o acesso fácil a uma cesta de produtos e serviços com melhores preços e condições. A contratação é diretamente online e há a conveniência do pagamento por meio do desconto na folha de pagamento.

Atualmente, mais de 3 milhões de empregados são beneficiados com a nossa tecnologia acessando este crédito mais conveniente e barato. A empresa está, de fato, liderando o caminho em termos da interseção entre as Fintechs, benefícios e tecnologia para RHs. A criação surgiu através da experiência no Brasil, sendo líder no segmento de gestão de benefícios consignados, com estudos aprofundados sobre a necessidade de inclusão financeira das pessoas no mundo. Segundo o Banco Mundial, ainda existem 1,7 bilhões de adultos sem banco no mundo (2017) que são excluídos do sistema financeiro formal. Com uma plataforma como a nossa, podemos dar acesso a produtos financeiros mais justos e empoderar as pessoas através dos seus salários.

Quem é o público-alvo da empresa e desde quando ela atua no mercado?

D.L.: Para nós, os empregadores são um canal valioso para se viabilizar oferta de produtos financeiros mais justos à população desassistida, mas financeiramente estável. Com nossa plataforma, os trabalhadores podem acessar benefícios financeiros mais sustentáveis e menos burocráticos, ao mesmo tempo que melhoram sua saúde financeira.

Junto a isso, os empregadores confiam em nossa tecnologia para melhorar o bem-estar financeiro de seus funcionários, além de promover engajamento e produtividade no ambiente de trabalho. Já os fornecedores de benefícios, como bancos, seguradoras e empresas de investimento, encontram na SalaryFits um canal para alcançar milhões de potenciais clientes, bem como destacar sua responsabilidade social ao promover a saúde e bem-estar no ambiente de trabalho.

É muito interessante ver esse tripé sustentável e alavancar a relação existente entre esses três atores, criando inovação por meio de uma solução simples, eficaz e que traz benefícios para todas as partes envolvidas. No limite, o que oferecemos é um canal para a oferta qualificada de produtos e serviços focados na promoção do bem-estar financeiro, qualquer que seja o perfil do consumidor.

A SalaryFits já foi eleita a melhor fintech de 2018 durante a conferência Bridge-China UK, e também um dos melhores lugares para se trabalhar. Qual o segredo de tantos resultados positivos?

D.L.: O segredo é perseguir sempre a nossa competência essencial, estimulando o bem-estar e o engajamento no ambiente de trabalho. Nossa experiência de quase 20 anos mostra que incentivar as melhores práticas de gestão de pessoas, aliando educação financeira e benefícios é a chave para estimular a produtividade, tanto internamente quanto externamente.

E quais os maiores desafios que vocês enfrentam hoje?

D.L.: Sempre nos deparamos com o desafio de como promover mais inclusão financeira, e como aplicar a tecnologia para ampliar a oferta de produtos qualificados aos colaboradores que têm acesso a nossa plataforma. Em outras palavras, o nosso desafio é trabalhar para nos consolidarmos cada vez mais nos diferentes mercados em que atuamos, abordar os novos e ganhar escala a um baixo custo, dentro da nossa proposta de valor.

Como funciona a parceria recente com a Fabrick e qual o objetivo?

D.L.: Para nós é fundamental incentivar iniciativas que empoderem o consumidor. Na Itália, diferentemente dos outros países, qualquer ente financeiro autorizado pode emprestar para qualquer funcionário de qualquer empresa.  Com a plataforma de open banking da Fabrick e a SalaryFits, que faz a gestão de benefícios consignados, estaremos na linha de frente com um modelo totalmente inovador no fornecimento de respostas ideais para diferentes necessidades de consumo e vamos promover a inclusão financeira de milhões de pessoas, com a evolução do conceito de crédito consignado.

Desta forma, os consumidores poderão ter acesso ao crédito consignado em apenas poucos dias e em um processo digital e sem fricção, com mais opções e controle sobre seus dados. Atualmente esse mesmo processo demora em torno de 4 semanas e a burocracia envolvida limita substancialmente as opções dos consumidores. Será, de fato, a primeira plataforma open banking para a oferta de produtos e serviços financeiros em consignação da Europa, e possivelmente do mundo.

Quais as vantagens de uma infraestrutura de APIs abertos? O que o mercado pode esperar?

D.L.: Com essa infraestrutura, as transações se tornarão mais ágeis, baratas, eficientes e seguras. Desta forma, as instituições financeiras poderão se comunicar com empregadores e empregados por meio de APIs do nosso sistema, e a partir daí viabilizamos operações em tempo real, que de outra forma demorariam semanas para serem concluídas.

Além disso, ao abrirmos esses APIs para qualquer ente com a devida autorização para operar (concedida pelo regulador italiano), estamos promovendo a democratização do acesso aos produtos e fornecedores, além de incentivar a competitividade.

Não há dúvida que os trabalhadores se beneficiarão de uma melhor cesta de produtos, com oferta mais simples, justa e democratizada.

O mercado brasileiro pode de alguma forma ficar de olho no mercado italiano visando inovações?

D.L.: Com certeza. O Banco Central já vem incentivando iniciativas de open banking no Brasil, além de várias outras iniciativas com foco em inovação, promoção de competitividade e melhores ofertas financeiras aos consumidores brasileiros.

Como enxerga o papel das fintechs no mercado brasileiro?

D.L.: As fintechs têm o papel fundamental de trazer ao mercado produtos e serviços financeiros mais justos, ao mesmo tempo que diminuem a burocracia. Seja por meio de oferta própria de produtos ou por oferecer infraestrutura para melhorar a oferta de produtos de outras instituições. Como o caso da Zetra, o grande foco é fazer com que o consumidor seja o principal beneficiado das ações das fintechs.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários