Não faz muito tempo, eu alimentava o sonho de publicar um livro. Talvez seja este o seu caso também, caro leitor, e eu sei exatamente como você se sente. A paixão pela leitura e por compartilhar aprendizado finalmente rendeu-me a oportunidade de ser um autor publicado – e isso certamente acontecerá com você.

Como é esse caminho para a publicação de um livro? Há espaço para tantos novos autores? O mercado editorial brasileiro tem potencial? Conversei bastante sobre isso com o amigo Eduardo Villela, Publisher e Sócio da Editora Évora.

O Eduardo possui mais de 10 anos de experiência no mercado editorial brasileiro e já trabalhou diretamente na publicação de mais de 500 livros de gestão, negócios, universitários, técnicos, ciências humanas, interesse geral, biografias e literatura infanto-juvenil e adulta.

Antes de tornar-se sócio da Editora Évora, atuou como editor de aquisições de livros universitários na Editora Saraiva, editor de livros de negócios na editora Campus-Elsevier e gerente editorial de todas as linhas de publicações na Editora Gente. Cofundou a The Open Mind School, uma escola que oferece cursos livres de diversos temas de interesse geral.

Confira como foi nossa conversa:

Eduardo, não dá para começar uma conversa sobre livros sem entrar na discussão sobre o livro digital. Afinal de contas, vamos continuar lendo, não importa a mídia, ou ainda há muito tempo de vida para o livro impresso? O que você pensa dessa frequente discussão?

Eduardo Villela: A realidade atual é que o leitor consome conteúdo nas mídias impressa, áudio e digital por meio dos dispositivos livro, revista, notebook, tablet, smartphone e e-reader. A tendência é que haja uma complementaridade entre as mídias e não uma substituição de uma por outra.

Por exemplo, há ótimas editoras no país que oferecem ao leitor o livro impresso integrado a um site com uma variedade de conteúdos extras (vídeos, planilhas, simuladores, jogos, textos complementares, cases etc.), ou seja, trazem ao leitor um projeto de conhecimento/entretenimento no qual duas mídias estão integradas em plena harmonia.

Além disso, é crescente o número de editoras que oferecem a versão digital do próprio livro. O livro digital é um novo mercado para as editoras. O número de editoras que disponibilizam a versão digital de seu catálogo é crescente.

O livro digital e o livro impresso conviverão por muito tempo e a tendência é que o consumo de um impulsione a venda do outro. Aliás, não acredito que o livro impresso desapareça.

O que poderá acontecer, após vários anos ou mesmo décadas, é a venda do livro digital superar a do impresso em receita. Levará um bom tempo para isso acontecer por algumas razões:

  • O livro impresso apresenta um formato universal cuja experiência de leitura é agradável e funcional – em qualquer lugar do mundo, o livro impresso é igual, você pode dobrar as páginas, fazer anotações, guardá-lo em sua mochila/bolsa e carregá-lo com facilidade e segurança;
  • Não temos ainda um formato universal e uma experiência de consumo agradável para o livro digital. O conteúdo digital em texto ainda é estático e pouco interativo com outros formatos em áudio e vídeo;
  • Com o crescimento da expectativa de vida, temos várias gerações vivas que interagem com o conteúdo de diferentes formas. Há gerações que preferem o livro impresso pelo seu aspecto tangível;
  • O preço dos e-readers, tablets e smartphones é ainda pouco acessível aos brasileiros, a tecnologia de luminosidade para leitura nesses dispositivos precisa melhorar e a infraestrutura de banda larga no país é deficiente, com um acesso à web lento e caro.

Creio que em alguns anos o livro digital será completamente diferente do de hoje. Ele proporcionará ao leitor uma experiência muito interessante de interação com o conteúdo em vários formatos (texto, áudio, vídeo, animações) e em tempo real.

Além disso, o leitor assumirá o papel de “prosumer”, sendo aos mesmo tempo um coprodutor e consumidor do conteúdo. Portanto, para as editoras, o livro digital é um novo mercado que ajudará a fortalecer o hábito de leitura no país.

Acho que seria bacana contextualizar o mercado editorial brasileiro. O brasileiro lê pouco? Você acredita que o leitor mudou de perfil? Como tem sido o crescimento desse mercado e quais as suas perspectivas para ele daqui pra frente?

E. V.: Nos últimos dez anos, o mercado editorial cresceu lentamente e praticamente se manteve estável se considerarmos o impacto da inflação. Porém, existem boas perspectivas de crescimento a longo prazo e elas dependerão:

  • Da evolução da educação de base, principalmente, e também dos ensinos técnico e superior;
  • Das mudanças socioeconômicas em curso na sociedade – para que o processo de elevação de renda das famílias brasileiras continue, elas precisarão aumentar o investimento em bens e serviços com fins culturais e educacionais;
  • Da valorização do livro em nossa sociedade enquanto instrumento/meio de desenvolvimento cultural e educacional humano.

O brasileiro ainda lê pouco quando comparamos a nossa taxa de leitura per capta com a de leitores de outras economias em desenvolvimento ou avançadas. Lemos 4 livros por ano, enquanto argentinos, chilenos, portugueses, espanhóis, americanos e chineses leem aproximadamente 5, 6, 8, 10, 16 e 6 livros, respectivamente (fontes: Retratos da Leitura no Brasil e Comportamentos do leitor e hábitos de leitura-Cerlalc).

Tradicionalmente, os leitores brasileiros possuem um perfil de classe média alta e elevada. Porém, com as mudanças socioeconômicas dos últimos vinte anos e a ascensão da “nova classe média”, observamos um movimento lento de adultos e jovens que não tinham hábito de leitura começando a ler obras de religião, esoterismo, autoajuda e literatura juvenil.

Duas instituições contribuem para a formação do hábito de leitura em uma criança: a escola e a família. Ambas não têm cumprido adequadamente esse papel e pouco contribuem para a criação desse hábito tão importante, devido a deficiências estruturais em nossa sociedade e sistema educacional.

Primeiro, atingimos o objetivo de colocar praticamente 100% das crianças e jovens em idade escolar nas escolas. O próximo desafio da educação pública é a elevação da qualidade do ensino, que atualmente é ruim. Esse é um processo que levará, no mínimo, uma a duas gerações. Existe uma correlação direta entre elevadas taxas de leitura com educação básica de boa qualidade.

Com a Internet, muitos autores decidiram publicar suas obras de forma independente, muitos deles optando por estratégias comerciais próprias (infoprodutos, por exemplo). Como isso mexe com o negócio das editoras, que tem um forte trabalho de curadoria e formação de autores?

E. V.: O que uma boa editora agrega ao autor? Expertise em estruturação, adequação e posicionamento do conteúdo da obra de acordo com as necessidades do público-alvo a quem ele se destina; know-how em marketing e comunicação do livro (marketing digital, assessoria de imprensa, merchandising nas livrarias e anúncios em revistas e almanaques das livrarias); e distribuição do livro aos diversos canais de vendas (livrarias, escolas, universidades, empresas, eventos, feiras literárias e e-commerces).

O autor que publica seu livro de forma independente, normalmente conhece bem o assunto de sua obra, mas poucos autores conhecem em profundidade seus públicos-alvo e suas necessidades. E um número ainda menor deles sabe como promover e distribuir seu livro no mercado.

Em nossa editora, já lançamos obras de autores que, primeiramente, publicaram seus livros em formatos impresso e digital por conta própria. Esses autores tinham muitas dificuldades para promovê-los e distribuí-los não só nas livrarias como também em outros canais. Nós somos sempre procurados por esse perfil de autor que deseja relançar sua obra conosco.

Os papéis de autores e editoras são complementares. É uma relação “ganha-ganha” na qual o desejo comum a ambos os lados é que o livro seja lido pelo maior número possível de pessoas.

Conte-nos um pouco de como surgiu a Évora e sobre o seu dia a dia como Publisher. Como é o caminho desde a ideia até o livro pronto, nas livrarias?

E. V.: A Editora Évora nasceu em 2010 e surgiu do nosso desejo de disponibilizar conteúdos inéditos ou com baixa oferta para diferentes públicos.

O nome Évora foi inspirado na cidade portuguesa de mesmo nome. Ao longo de mais de 2000 anos de história, a cidade de Évora passou por muitas mudanças e desafios e sempre os administrou muito bem, convertendo-os em oportunidades para seu desenvolvimento.

Esse é o mesmo espírito da nossa empresa. Atuamos em um mercado em transformação que apresenta vários desafios. Desejamos aprender com tais desafios e sermos cada dia melhores no que fazemos. Nossa missão é trazer aos leitores conteúdo de alta relevância e inovador que agregue valor a eles.

Por meio destes conteúdos, queremos contribuir para que os nossos leitores realizem seus objetivos e projetos pessoais e profissionais com excelência. Publicamos obras de ficção e não ficção, tanto traduções como livros de autores locais. Atualmente, possuímos um catálogo de noventa livros.

O trabalho como Publisher é bastante intenso e envolve uma série de atividades: atender autores e orientá-los em diferentes etapas que envolvem o livro, avaliar novos projetos editoriais, gerenciar prazos de uma série de processos, gerenciar a equipe editorial e participar ativamente das atividades de marketing e vendas, dando suporte às equipes comercial e de marketing.

O caminho desde a ideia até o livro pronto passa pelas seguintes etapas:

  1. Estruturação do projeto editorial (projeto de livro) pelo autor em conjunto com a editora: definição do tema e público-alvo, análise de concorrência e definição dos diferenciais do projeto e elaboração do sumário e da sinopse;
  2. Processo de avaliação e aprovação do projeto pela editora;
  3. Discussão em conjunto autor-editora de ações de marketing, comunicação e distribuição para o livro;
  4. Planejamento e organização do processo de escrita;
  5. Processo de edição e impressão do livro;
  6. Lançamento e distribuição do livro aos principais canais de vendas e execução das ações de marketing e comunicação programadas.

Que dicas você pode oferecer para os aspirantes a autores que nos leem e que desejam ver seu conhecimento editado e publicado em formato de livro?

E. V.: Escrever um livro é uma atividade que requer planejamento, disciplina, conhecimento profundo do tema e de seu público-alvo. Para ser escritor, você não precisa possuir um dom ou habilidades especiais.

Mesmo se você tiver dificuldades de escrita, você pode recorrer a um “GhostWriter”, um especialista em redação e elaboração de textos que o ajudará a construir o texto de sua obra.

Algumas dicas que considero importantes:

  • Busque entender muito bem seu público-alvo e suas necessidades;
  • Lembre-se sempre que você, autor, não escreve o livro para você, mas sim para um público-alvo definido que o lerá;
  • O seu projeto de livro precisa trazer diferenciais de mercado. Busque responder as perguntas: “Por que uma editora deve publicar seu livro?” e “Por quais razões os leitores investirão o seu dinheiro e tempo deles comprando e lendo o seu livro?”;
  • O livro não vende sozinho. Assim, o autor e a editora devem trabalhar juntos o marketing e a comunicação do livro.

O número de pessoas que nos procuram em busca de orientações sobre como escrever um livro e tê-lo publicado é enorme. Semanalmente, oriento várias pessoas, mas infelizmente, por limitação de tempo, eu não consigo atender todas as solicitações.

Assim, para ajudar um número maior de pessoas, desenvolvi o curso “Como escrever seu livro e tê-lo publicado por uma editora renomada”. São dois dias de curso nos quais explico em detalhes o processo completo de um livro, desde a definição do tema até a sua publicação.

Se você quer publicar um livro, este curso é feito para você. Clique aqui para ver mais detalhes e conferir o programa do curso. A próxima turma será nos dias 23 e 25 de setembro.

Eduardo, muito obrigado por sua participação. Deixe uma mensagem final para o nosso visitante que gosta de ler e algumas sugestões de livros da Évora na temática de nosso blog, Negócios e Finanças. Até a próxima.

E. V.: Em primeiro lugar, agradeço a equipe do Dinheirama pela oportunidade de poder compartilhar com os leitores um pouco sobre o mercado editorial. Aproveito para parabenizá-los pelos ótimos conteúdos educativos que vocês oferecem ao público aqui no portal.

Você, que deseja escrever seu livro, siga em frente com este projeto especial e compartilhe com o mundo suas ideias, conhecimentos e experiências. Escrever um livro é deixar um legado e contribuir para melhorar a educação e a cultura em nosso país.

Sugiro os seguintes livros da nossa editora (clique no que desejar para detalhes):

Para mais informações e livros, convido o leitor a acessar o site da Editora Évora (clique). Obrigado e até a próxima.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários