Não faz muito tempo, conversei com o economista Felipe Miranda, que é um dos sócios da Empiricus Research, parceira de conteúdo do Dinheirama. Felipe, foi o autor do polêmico relatório “O Fim do Brasil”. O relatório foi alvo de críticas e aplausos.

Nós ficamos felizes porque abrimos espaço para discussão sadia e também oferecemos espaço para leitores que não concordaram com a tese para fazer o contraponto. Depois da primeira entrevista, outras aconteceram e os leitores do Dinheirama começaram a encaminhar diversas perguntas direcionadas ao Felipe.

O interesse genuíno dos leitores somado ao período de agravamento da crise fez brotar nosso interesse de conversar novamente e saber do economista suas opiniões sobre os mais variados assuntos, que são destaques no momento.

As perguntas foram construídas a partir do compilado de mensagens que recebemos dos leitores e você pode conhecer agora:

Felipe, como você avalia até o momento o que sabemos das intenções do governo em relação ao ajuste fiscal? As medidas apontadas até o momento serão suficientes?

Felipe Miranda: As intenções sobre o ajuste fiscal são as melhores possíveis. O problema é que ajuste fiscal não se faz com intenções, mas com articulação política. Tenho insistido no fato de que a questão não é de ciência e, sim, de política. E temos problemas nessa esfera. Primeiro porque a fragilidade do Governo nesse campo é enorme. E depois porque o grande responsável pela condução do ajuste fiscal não é um político.

Até agora, as medidas apontadas não são suficientes para cumprir a meta de 1,2% de superávit primário. Nas minhas contas, até agora teríamos algo como 0,4%, mas receio por importante frustração do lado da receita por conta da fraqueza do PIB e por eventual frustração com os dispêndios envolvendo seguro desemprego, em face à piora do mercado de trabalho, e swaps cambiais.

E, claro, sabemos que 1,2% do PIB de superávit passa longe de ser suficiente para estabilizar a relação dívida/PIB. Precisaríamos de algo em torno de 3%. Há, sim, uma mensagem positiva, de que estamos na direção certa, mas muito longe ainda do que seria o ideal.

O Ministro Joaquim Levy, foi apontado por alguns editores da Bloomberg como o “Homem que pode salvar o Brasil”. Até que ponto um salvador pode se avançar em uma tarefa que necessita a adoção de medidas impopulares?

F. M.: Acho que estou um pouco velho para acreditar na capacidade de um indivíduo, seja ele quem for, salvar o Brasil. Reconheço a enorme competência do ministro Levy, mas ele está sozinho nesta. A matriz ideológica de todo o governo é outra. E a questão do ajuste sobrepuja questões econômicas, é muito mais política. O platonismo de que um competente economista pode sozinho colocar o Brasil na rota, infelizmente, não me pertence.

Depois de lançar com muito sucesso o relatório “O Fim do Brasil”, você novamente trouxe uma nova teoria que fala sobre possíveis 10 anos de recessão. O que você defende nesse novo trabalho e como os leitores podem ter acesso ao material?

F. M.: A argumentação é de que há um risco importante de uma crise externa. Os Bancos Centrais salvaram a economia mundial do colapso em 2008, levaram os juros a zero e imprimiram moeda em quantidade impensável. Há US$ 100 trilhões de excesso de liquidez no mundo. É um dinheiro infinito.

Quando você coloca todo esse dinheiro na economia e mantém o juro zerado por muito tempo, há um incentivo claro para as famílias, as empresas, os países e os investidores se alavancaram em excesso e correrem riscos desproporcionais. Isso alimenta bolhas. Sempre foi assim ao longo da história. Custo a acreditar que seria diferente agora.

O problema maior para o Brasil é que estamos frágeis agora. Se formos afetados por uma ruptura internacional neste momento de fraqueza, estaremos sem capacidade de reação. Veja: em 2008/09, pudemos reduzir juros e aumentar os gastos públicos. Agora, está esgotada nossa capacidade de fazer política anticíclica. Convido o leitor do Dinheirama para conhecer mais detalhes da minha teoria, conheça aqui o material completo.

Um dos grandes problemas que podem aumentar a desconfiança em relação ao governo é o desaquecimento da economia resultar em elevação do desemprego. Esse é um dos indícios de que a recessão pode chegar e ser duradoura?

F. M.: Sim, e ela já começou a ser sentida. A taxa de desemprego bateu já 7,4%, ruindo o último pilar do governo Dilma. Com a última variável também se mexendo, não há mais como sequer pensar em defender a desastrada nova matriz econômica.

O risco é de que entremos numa espiral perversa, em que cortam-se empregos, reduz-se a renda agregada, o empresário diminui seus investimentos por antever menor demanda à frente, reforçando a necessidade de mandar mais gente embora. Cria-se um círculo vicioso.

Felipe, muitos leitores do Dinheirama nos enviaram mensagens perguntando sobre sua opinião em relação ao Dólar. O que você poderia sobre esse tema?

F. M.: Entendo que o dólar voltará a ganhar valor frente às principais moedas globais e frente ao real em particular. Houve uma interrupção na trajetória, que entendo como temporária. Isso porque os recentes indicadores da economia norte-americana foram ruins, sugerindo continuidade da política de juro zero nos EUA por mais tempo.

Isso fomentou a perspectiva de muita liquidez por período mais longo, estimulando a tomada de ativos de risco pelo mundo. No Brasil, o movimento foi amplificado, tanto porque a desvalorização prévia do real havia sido muito destacada quanto em razão do ganho de confiança no ajuste fiscal.

Ao final, acabará prevalecendo a noção de que há maior dinamismo na economia norte-americana, e de que sua política monetária é diferente agora daquelas dos demais países desenvolvidos, que seguem com os esforços de afrouxamento quantitativo. Por aqui, os fundamentos continuam ruins e os termos de troca seguem piorando, o que enseja desvalorização do real.

Na última vez que conversamos você mencionou a dura realidade do cenário atual, mas se mostrou de certa forma esperançoso com as possibilidades do país no longo prazo. Qual estratégia o pequeno e médio investidor deveria adotar para aproveitar as oportunidades que temos por aqui?

F. M.: Por enquanto, não mudaria absolutamente nada na postura conservadora. É aproveitar este juro muito gordo da renda fixa, comprar dólares e buscar um pouco de proteção no ouro, por conta dessa insanidade que hoje é o balanço dos BCs em nível global.

Felipe, mais uma vez obrigado pela entrevista. Como sempre peço a você uma mensagem final e uma indicação de leitura para os leitores do Dinheirama.

F. M.: Obrigado a você pela entrevista. Sempre um prazer. A mensagem é de que, em breve, surgirá uma oportunidade maravilhosa para comprar ativos de risco no preço certo. Por enquanto, cautela e dinheiro no Bolso, canja de galinha não faz mal a ninguém.

Os assinantes do Palavra do Estrategista (clique para conhecer o relatório) estão sabendo exatamente no que se posicionar agora e serão avisados das oportunidades para comprar ativos de risco no momento certo.

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama tenham acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários