Dinheirama entrevista: Gustavo Caetano, CEO da Samba TechCaro leitor, o Dinheirama traz hoje uma entrevista com Gustavo Caetano, eleito o Empreendedor do Ano pela revista Pequenas Empresas Grandes Negócios (Editora Globo) em 2009. Gustavo é formado em Marketing pela ESPM, pós-graduando em Marketing pela London School of Marketing, especialista em inovação pelo MIT, tem passagem pelo Departamento de Marketing da Unimed e atualmente é executivo-chefe (CEO) da Samba Tech.

“Sem medo de ousar, esse jovem empresário fez da armazenagem e distribuição de vídeos o carro-chefe de um negócio milionário” Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, Editora Globo.

Aproveite essa oportunidade e faça também algumas perguntas e direcione seus comentários para o nosso entrevistado de hoje. As melhores questões e opiniões deixadas no espaço de comentários serão respondidas e comentadas pelo Gustavo em uma nova entrevista que será publicada em breve. Esse é o momento de perguntar e, principalmente, de ser ouvido. Tenha uma ótima leitura.

Para começar, gostaria de saber como surgiu a ideia de iniciar uma empresa de tecnologia sendo que você tem uma formação bastante focada na área de negócios e marketing. Quais foram as suas dificuldades? Sentia-se plenamente preparado para tocar o negócio?

Gustavo Caetano: A minha formação na área de negócios contribuiu para montar uma empresa focada nas necessidades do mercado[bb]. Aqui no Brasil, as empresas de tecnologia focam inicialmente na tecnologia para depois pensar no problema que ela resolve. A minha ideia foi seguir pelo caminho inverso, o que contribuiu para o rápido crescimento da Samba Tech.

No início da empresa, tínhamos dinheiro suficiente apenas para pagar o necessário, mas sobrava empolgação e motivação. Começamos no segmento de games, representando uma produtora inglesa de jogos para celular, a Brainstorm. Em crescimento, buscamos ampliar os nossos produtos e criamos uma tecnologia para distribuir esses jogos pela Internet.

Entretanto, essa aposta foi um fracasso, pois no Brasil ainda havia o receio de comprar pela web. De útil, aproveitamos essa solução para desenvolver a nossa plataforma de distribuição de vídeos online, que ditou a nossa área de atuação.

Comentários do editor: aposte naquilo que faz e faça com amor e determinação; desista sim de um produto/serviço ou estratégia que não dá certo, mas nunca desista de alcançar objetivos e de realizar sonhos. Tropeços existem e você tem de seguir em frente, sempre.

Todo ano, o Massachusetts Institute of Technology (MIT) escolhe 40 startups do mundo com grande potencial de inovação, visando ajudá-las a se desenvolver e crescer de forma mais rápida e organizada do que os seus competidores locais. Como e por quê vocês foram escolhidos por tal programa? Até que ponto isso foi crucial para que a empresa alcançasse o patamar na qual se encontra?

GC: Fiz um curso de inovação no MIT e, quando estava retornando, comecei a conversar com um senhor no aeroporto de Boston. Ele se mostrou muito interessado no negócio da Samba e, desenvolvendo a conversa, descobri que ele era diretor da universidade. Esse foi o primeiro passo para a Samba ser incluída no programa anual do MIT que acompanha startups.

Foi a partir de uma consultoria com alunos do Instituto que definimos seguir na área de logística digital, focando na distribuição de vídeos online e deixando de vez o negócio de games[bb]. Esse caminho escolhido foi indispensável para o crescimento da Samba e para alcançarmos o patamar em que nos encontramos hoje.

Comentários do editor: buscar novos conhecimentos é fundamental; ser gentil e saber se comunicar, mais ainda; nenhum empreendedor vive sem networking, mas um networking que não chateia nem a você e nem a outras pessoas; cerque-se sempre de pessoas inteligentes e dispostas a apoiá-lo dando ideias e alimentando um papo sobre o seu negócio.

Qual o maior desafio pessoal que você enfrentou em sua jornada à frente da Samba Tech?

GC: O meu grande desafio foi perceber as oportunidades e entender em quais nichos de mercado a Samba poderia atuar. Era preciso enxergar onde as grandes empresas não conseguiriam alcançar. Com nichos específicos, foi possível nos especializar e oferecer as melhores soluções para os clientes. Competir com grandes empresas exige inteligência e velocidade. Fomos rápidos ao criarmos uma plataforma única e inteligente para abordar nichos estratégicos de mercado.

Um outro grande desafio foi a busca de capital de risco para a empresa. Nos aproximamos da FIR Capital em 2006 e fechamos um acordo no final de 2008. Foi um período de muito trabalho e muito estresse. Mas, no final deu tudo certo. Conseguimos R$ 5 milhões de investimento, o que foi primordial para o crescimento explosivo da empresa.

Comentários do editor: entenda ao máximo o mercado em que atua; seja diferente e não mais uma empresa pequena que copia os métodos e produtos das grandes empresas; é mais inteligente ir atrás de um nicho que ainda não está sendo bem explorado pelas grandes empresas do mercado.

A equipe Dinheirama agradece a disponibilidade e o apoio do Gustavo Caetano. Como já adiantei, faremos mais uma rodada de perguntas, mas agora quem faz a entrevista é você. Escreva sua pergunta (dúvida, curiosidade etc.) aqui no espaço de comentários. Escolheremos as melhores e o Gustavo irá respondê-las em um novo artigo. Conheça melhor seu trabalho através do www.sambatech.com.br ou siga-o no Twitter: @gustavocaetano

Aproveite esse momento para aprender com quem já passou por muitas das dificuldades, as superou e está em um caminho de sucesso[bb]. Ficamos aguardando o seu comentário. Um abraço e um muito obrigado pela atenção.

Crédito da foto: divulgação.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários