Poucos setores no Brasil têm apresentado taxa de crescimento tão expressiva quanto a dos meios de pagamento com cartões. De acordo com a ABECS (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviço), o crescimento do setor tem alcançado média anual de 17%, número que tende a se elevar à medida que as classes C e D ganhem cada vez mais espaço na economia do país.

O constante aperfeiçoamento somado a investimentos pesados em inovação e tecnologia são diferenciais importantes do setor e que despertam profundo interesse em diversos meios, sedentos por novas oportunidades.

Para falar sobre o assunto, conversei com Henrique Capdeville, Vice-Presidente Comercial da First Data Brasil, empresa com presença global e que recentemente lançou no País a Bin, sua nova solução de pagamentos eletrônicos. Confira nosso papo:

Henrique, de acordo com a ABECS, o mercado de cartões tem crescido em média 17% ao ano. Tendo em vista os próximos anos, qual sua expectativa para o desempenho do setor, já que o crescimento do país tem sido baixo?

Henrique Capdeville: O mercado de pagamento eletrônico tem crescido a taxas de dois dígitos nos últimos anos e deve continuar em um bom ritmo. A economia mundial vem apresentando problemas desde a crise de 2008, mas começou a dar sinais de melhoras com vários países voltando a apresentar taxas de crescimento.

Entendemos que dificuldades econômicas são cíclicas e podem ser superadas. O Brasil tem várias características que o tornam extremamente atraente e nossa aposta é que o país se torne o segundo ou terceiro maior mercado de adquirência para a First Data nos próximos cinco anos.

O Brasil possui um mercado financeiro bem estruturado e sofisticado e ainda conta com grande potencial de crescimento. O bom prognóstico é amparado pelo crescimento da formalidade no varejo brasileiro, o que contribui também para novos entrantes no mercado de cartões.

Além disso, a abertura de mercado do sistema brasileiro de pagamentos eletrônico a partir de 2010 trouxe novas opções aos varejistas e favoreceu a criação de um cenário com multi-adquirentes.

Passamos de um formato de duopólio, em que uma adquirente oferecia transações por meio da bandeira Visa e a outra via MasterCard para um mercado de múltiplas escolhas. As novas regulamentações do Banco Central, de 2013, também reforçam a estimativa de expansão do uso de meios de pagamentos eletrônicos no país.

Em relação às novas tecnologias para o setor, qual trará maior impacto para os lojistas e também para os seus clientes?

H. C.: Acabamos de lançar a Bin e já estamos trabalhando para trazer ao país outras soluções inovadoras que temos em outros países. Queremos ajudar os varejistas a desenvolverem seus negócios e terem mais tempo para realizar outras atividades.

No início do ano iremos anunciar nossa solução unificada de ponto de venda e gestão de negócios, além do serviço de pagamentos móveis. A estrutura que criamos aqui nos ajuda a personalizar nossas tecnologias e trazer para o país as melhores soluções do que temos em todo o mundo.

Além das alternativas de pagamento tradicionais, com cartão e boleto, o mercado continua buscando alternativas que tragam mais segurança tanto para o comerciante como para o comprador. O formato via wallets ou moedeiros é uma realidade e está em expansão no Brasil.

Outra tendência é o crescimento das transações de m-commerce, seguindo o aumento da penetração de tablets e smartphones no mercado. Estes dispositivos trazem novas características à transação, como o uso de aplicativos, geolocalização, redes sociais (social commerce), entre outros. O cuidado pelo lojista deve ser buscar soluções certificadas pelos Adquirentes que lhe darão o conforto e proteção necessários à operação.

A First Data investiu nos últimos dois anos cerca R$ 330 milhões para lançar a Bin. Quais os diferenciais dessa nova solução para pagamentos eletrônicos?

H. C.: A Bin é uma solução de pagamento eletrônico desenvolvida pela First Data, especialmente, para o mercado brasileiro.

A solução auxilia comerciantes brasileiros, desde pequenos e médios estabelecimentos comerciais a grandes varejistas e e-commerce a desenvolverem seus negócios, com processamento de crédito, débito, parcelamento, antecipação de recebíveis, em uma plataforma com riqueza de informações, segura e de fácil acesso.

A Bin já está disponível com as bandeiras MasterCard, Visa e Cabal, operando com taxas competitivas. Como estratégia, a Bin aposta em um relacionamento mais próximo entre os comerciantes e seus consultores de negócios, além de um atendimento focado em entregar uma experiência ao cliente mais personalizada e de maior qualidade.

O lançamento da Bin é fruto da parceria operacional com o Bancoob, banco cooperativo integrante do maior sistema de cooperativas financeiras do país (Sicoob), assinada em janeiro deste ano. Com o acordo, o Bancoob tornou-se o adquirente formal da parceria e responsável pela obtenção das licenças de bandeiras e liquidação dos pagamentos aos estabelecimentos.

Nosso diferencial é que estamos 100% focados em atender o lojista e lhe entregar o melhor custo benefício na aceitação de meios eletrônicos de pagamento, deixando que o cliente negocie com o banco de sua preferência as condições de uso dos demais serviços bancários.

Nossa página oficial – www.bin.com.br – explica melhor como nossa solução funciona, convido o leitor a conhecê-la.

A First Data é maior empresa de processamento de pagamentos e comércio eletrônico do mundo. Como essa experiência colabora para a criação de novas funcionalidades para a Bin?

H. C.: A operação global da First Data facilita empregar aqui no Brasil plataformas tecnológicas e soluções desenvolvidas em outros mercados, como foi com a Bin, por exemplo. A inovação tecnológica tem papel fundamental porque ela está inserida em todo o processo de meios eletrônicos de pagamento.

Graças à inovação 100% orientada ao negócio do lojista, construída por especialistas em cada segmento e indústria, podemos desenvolver sistemas cada vez mais seguros e flexíveis que permitem às pessoas realizarem transações e adquirirem seus produtos em lojas físicas, pelo computador, celular ou tablet.

Esses serviços existem porque a tecnologia nos permite oferecer um sistema de pagamento ágil, simples e seguro. A experiência da First Data ao redor do mundo auxilia no processo de customização de soluções seguindo as especificações de cada mercado.

Henrique, muito obrigado pela sua entrevista. Por favor, deixe uma mensagem final para os leitores do Dinheirama que querem conhecer um pouco mais sobre seu trabalho e também os projetos da First Data.

H. C.: Com 40 anos de atuação no mercado internacional e presença em 35 países, a First Data possibilita pagamentos eletrônicos para mais de seis milhões de estabelecimentos comerciais, milhares de emissores e milhões de consumidores, a cada segundo, todos os dias e processa mais de US$ 1,8 trilhões todos os anos, mais do que o PIB do México.

No Brasil, além da recém lançada solução de adquirência Bin, a First Data atua no segmento de correspondentes não-bancários, cartão presente e na venda de licença do software líder mundial para emissão de cartões, o VisionPlus, utilizado pelas maiores instituições financeiras e redes varejistas do mundo. A empresa está presente no país desde 2001.

Estamos chegando para ajudar o lojista a descomplicar o uso dos meios eletrônicos de pagamento e, através de um relacionamento mais próximo, encontrar soluções que tragam cada vez mais benefícios para o negócio.

Aproveito para deixar aqui o meu convite a todos que desejam saber mais sobre a Bin, basta acessarem www.bin.com.br. Até a próxima.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários