Dinheirama Entrevista: Isabela Barros, Editora do site “As Poupadoras”Muito se fala das diferenças entre homem e mulher no que diz respeito aos cuidados com o dinheiro e o planejamento financeiro. Até que ponto essas diferenças são reais? Será que as características de cada um podem ser consideradas complementares? Como aproveitar o fato de que cada um olha e pensa o dinheiro de forma distinta?

Tive a oportunidade de conversar sobre isso com a Isabela Barros, Jornalista e uma das autoras do excelente site “As Poupadoras”. Isabela é alagoana e trabalha atualmente como editora de um site corporativo. Foi repórter do Jornal do Commercio, no Recife (PE), e das revistas Exame São Paulo e Veja São Paulo. Também foi editora do Diário do Comércio, editora-assistente do jornal Diário de S. Paulo e editora-sênior da Agência Meios, na capital paulista.

Como freelancer, Isabela já escreveu para as revistas Você SA, Você AS Mulher e Nova, para o jornal Valor Econômico e para o UOL. É pós-graduada em Economia para Jornalistas na Universidade Presbiteriana Mackenzie e tem mestrado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP.

Acompanhe nosso papo:

Isabela, você acredita que homens e mulheres tratam as finanças de forma diferente? Quais são as principais diferenças e como podemos aproveitá-las para que a família dê mais valor à educação financeira?

Isabela Barros: De modo geral, acredito que as mulheres pensam mais nos outros, no bem estar e nas finanças dos filhos e do marido, além da sua própria vida financeira. Acho que, na maioria dos casos, os homens conseguem pensar primeiro neles mesmos, mais do que nós.

No entanto, para que a família valorize mais a educação financeira, é preciso deixar as diferenças de lado e trabalhar de modo conjunto, conversando com o parceiro e com os filhos sobre o orçamento da casa, as prioridades, objetivos, sobras ou déficits. Com homens e mulheres colocando os seus pontos de vista.

Na minha casa, eu sempre soube da real situação financeira, sempre entendi quando era a hora de apertar o cinto, meus pais sempre deixaram isso claro, o que ajudou para que eu e os meus dois irmãos sempre tivéssemos os pés no chão em relação ao dinheiro. Eu sou poupadora desde criancinha.

Você já teve a oportunidade de conversar com muitos especialistas, autores e referências em finanças através do seu ótimo site “As Poupadoras”. Pode citar algumas lições e ensinamentos de alguns deles?

I. B.: Antes de mais nada, muito obrigada pelo elogio. Fico feliz com o reconhecimento de vocês. Sim, ao longo desses três meses de site, já ouvimos muita gente boa a respeito das suas lições mais importantes sobre o uso do dinheiro, principalmente na seção Troco, na qual entrevistamos personalidades de diversas áreas. Alguns dos ensinamentos que mais me marcaram:

  • “Poupar demais é tão insano quanto gastar demais”. (Gustavo Cerbasi, na seção Troco do site);
  • “O conselho que dou a quem quer ter sucesso profissional e financeiro é estudar muito. Ler muito. Buscar todas as oportunidades para se aperfeiçoar e se manter bem informado. Aprendi que a sorte e as oportunidades beneficiam apenas os que se preparam para aproveitá-las”. (Mailson da Nóbrega, na seção Troco);
  • “Na minha vida, dinheiro já foi sinônimo de segurança e cada vez mais significa liberdade. Se eu puder dar apenas uma sugestão a qualquer pessoa é que tente viver com um pouco menos do que ganha. Se puder dar mais uma sugestão, seria: curta as coisas boas e simples da vida!” (Jurandir Sell Macedo, consultor de finanças pessoais, na seção Troco);
  • “Dinheiro não aceita desaforo. (…) É preciso investir no que traz retorno. Sapatos são maravilhosos, mas acabam. O conhecimento e a cultura que uma viagem traz são um patrimônio eterno que só se acumula e dá dividendos”. (Ana Paula Padrão, no nosso Troco);
  • “Aprendi que o consumo excessivo traz muita insatisfação”. (Mirian Goldenberg, no nosso Troco).

Muitos leitores homens compartilham a visão de que a mulher tende a correr menos riscos e a ser mais detalhista com o controle financeiro. Isso se comprova na prática?

I. B.: Na maioria dos casos, acredito que sim. Isso exatamente porque, como já comentei anteriormente, as mulheres são mais preocupadas com o todo, com o bem estar da família e dos filhos além de si mesma. Por isso a menor disposição ao risco, para proteger o patrimônio de todos. Mas isso não quer dizer que nós, mulheres, não possamos ser excelentes poupadoras e investidoras.

Um dos grandes problemas da educação financeira é incentivar as famílias a adotarem práticas sustentáveis ligadas ao consumo. Investir é uma questão que surge geralmente depois. Como equilibrar este quadro? Você tem algumas sugestões para os nossos leitores?

I. B.: Acho que, antes de mais nada, é preciso quebrar o tabu que muita gente tem a respeito do dinheiro, a ideia de que falar sobre o tema é motivo de constrangimento. No “As Poupadoras”, dentro da nossa proposta de trocar experiências no campo das finanças pessoais, procuramos desmistificar o assunto, mostrar que lidar com o dinheiro não é uma tarefa complicada, muito pelo contrário.

Falamos muito sobre a importância de poupar, de não gastar à toa, lembramos como a vida simples pode ser boa. E isso com dicas práticas e acessíveis, como vender aquilo que se tem em casa e não se usa mais, organizar reuniões para trocar roupas usadas entre amigas, comer menos fora para economizar um pouco e assim por diante.

Ou seja, falamos muito que é preciso olhar para o próprio orçamento em busca de soluções. E agir com disciplina depois. Com vontade, qualquer um consegue guardar um pouco de dinheiro todo mês. E investir depois.

Quais são as principais dúvidas e comentários que vocês costumam receber das leitoras (e leitores) no site “As Poupadoras”?

I. B.: Nossos leitores perguntam principalmente sobre como orientar os filhos em relação ao uso do dinheiro e sobre quando comprar dólar ou euro. Os comentários são muito variados, mas as pessoas normalmente gostam das dicas práticas de como economizar no dia a dia.

Isabela, obrigado pela ótima entrevista. Por favor, deixe uma mensagem final sobre finanças pessoais para os leitores e explique como eles podem entrar em contato com você e conhecer melhor o seu trabalho.

I. B.: Eu que agradeço, o Dinheirama é uma referência em boa informação sobre finanças pessoais no Brasil. Para mim, dinheiro é liberdade, segurança, conforto. Saber que tenho reservas no banco para suportar eventuais momentos de dificuldade me tranquiliza e me faz sentir livre para fazer escolhas.

Ao longo da vida, aprendi que ter pouco e amar tudo o que tenho me faz mais feliz do que acumular. Nunca fui acumuladora, mas, com o tempo, fui ficando mais seletiva em relação às minhas opções de consumo. Por tudo isso, tenho muito prazer em debater esses assuntos com os nossos leitores.

O nosso site, “As Poupadoras” é feito por mim pela jornalista Isaura Daniel. Ambas ficamos à disposição dos leitores do Dinheirama e convidamos a todos a conhecerem o nosso site acessando www.poupadoras.com. Obrigado e até a próxima.

Foto: divulgação.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários