Tinder, Happn, Badoo. Se em termos de relacionamento, o objetivo destes aplicativos é achar a combinação amorosa perfeita (ainda que nem sempre funcione!), no mercado de Recursos Humanos, o sonho é encontrar o candidato ideal para cada vaga anunciada. Isso porque uma contratação bem sucedida sempre ajuda empresas e candidatos, ao passo que quando o perfil não bate (talvez você já tenha passado por isso caro leitor), é muito ruím para ambos os lados. Desta vez conversamos com Marcel Lotufo, CEO e um dos fundadores da Kenoby, software de recrutamento e seleção, que está no mercado desde 2015, e já conta com cerca de 80 clientes em todo país.

Marcel Lotufo, 37,  começou a trajetória profissional no mercado segurador, é formado em Administração de empresas e, antes da Kenoby, foi um dos fundadores da cachaçaria Santa Dose. Ele também acumulou experiências na área de commodities e atuou em mercados como Singapura, China e Estados Unidos. Além disso, trabalhou anos como head hunter e chegou a passar, na carreira, por recrutamentos não tão bem feitos (que o levaram a passar do “céu” em uma empresa ao “inferno” em outra, como ele mesmo conta). No final da história, resolveu usar a experiência pessoal e profissional para criar a Kenoby, cuja missão é ajudar empresas a encontrarem o candidato perfeito para cada vaga.

A tecnologia vai dando uma mãozinha para isso. Hoje a Kenoby está sediada no Cubo Itaú, um dos maiores centros de tecnologia, inovação e empreendedorismo do país, e entra no nicho das HRtechs, as super startups de Recursos Humanos que estão mudando a forma de empresas contratarem através do uso de diversas ferramentas no campo da inteligência artificial. Confira a entrevista.

Marcel, você criou a Kenoby usando a sua experiência e know how no mercado de Recursos Humanos e já disse que prestava atenção a determinadas demandas desta área e também a certos movimentos que ocorriam no mercado norte-americano, certo? Como foi este processo e como funciona a questão de inovar, ter ideias e criar soluções para vocês?

Marcel Lotufo: Estamos sempre de olho nas melhores práticas e novidades, tanto aqui quanto fora. No caso da Kenoby,  eu e meu sócio já sabíamos que o mercado precisava de inovação com relação às contratações. Havia e ainda há muitas falhas no processo de recrutamento, como burocracia e desorganização, e as empresas ainda perdem muito tempo analisando currículos que não têm sinergia com as vagas. Por experiência pessoal e de observação, nós já víamos que nos Estados Unidos estava crescendo o mercado de software de recrutamento e seleção. Conhecíamos os problemas e foi a partir daí que surgiu a Kenoby. Nós observamos muito as tecnologias que as empresas usam em todas as áreas e procuramos utilizá-las sempre que possível em todas os setores de nossa empresa. Aproveitamos muito o que há de inovação por aí, pois há muita gente boa no mundo fazendo coisas legais. É preciso observar e aproveitar!

Como funciona a Kenoby em todo processo de recrutamento?

M.L. : Oferecemos uma plataforma completa do início ao fim do processo. As empresas anunciam as vagas em lugares como Catho, Infojobs, e etc. e estamos integrados a estas plataformas. Então é preciso que a empresa entenda o que está buscando exatamente para cada vaga. Nós ajudamos neste mapeamento de qualificações. Por exemplo, quais as características de um vendedor de sucesso na empresa X? Como sei que ele se dará bem culturamente em minha empresa? Há vários níveis em que é possível chegar para aumentar o acerto e oferecemos uma plataforma de testes de qualificação para os clientes criarem. Com eles é possível validar determinadas características dos candidatos que a empresa busca. Nós estamos focando bastante nesta linha, usando bastante as possibilidades da inteligência artificial, pois quanto melhor a empresa entender o que está buscando e puder comprovar estas características nos candidatos, melhores acertos terá.

A Kenoby oferece planos a partir de que valor e perfil de empresa?

M.L. : Atendemos empresas de porte como a Ambev e a Leroy Merlin, mas também atendemos muitas startups, ou seja, o perfil varia muito. Os valores também são flexíveis e mudam totalmente de acordo com uma série de coisas. Posso dizer que há opções a partir de R$ 600 mensais, mas é importante ressaltar que varia caso a caso. Temos dois planos diferenciados com relação às funcionalidades e o contrato é de 12 meses.

Todas essas ferramentas são algo relativamente novo em RH, mas aos poucos vemos esta área crescendo e as empresas resolvendo inovar, certo? Vocês também oferecem um curso de qualificação para os profissionais de RH com a intenção de ensiná-los a tirar maior proveito desta tecnologia toda. Como funciona?

M.L. : Sim, temos um curso para que profissionais da área possam recrutar cada vez mais e melhor. Este curso oferece uma certificação digital e gratuita que a Kenoby oferece para estes profissionais. O conteúdo é em formato de vídeo aula sobre o que é marca empregadora, aquisição de talentos, triagem eficiente de perguntas, e etc. Para participar basta o usuário se cadastrar na plataforma.

Como você enxerga o papel do networking hoje?

M.L. : O networking vale ouro. O problema com o sistema de recrutamento atual é o viés. O cara estudou na faculdade X ou trabalhou na empresa Y e já se pensa que ele tem que ser ótimo para a vaga, e não é bem assim. Temos que lidar com viéses e discriminação muitas vezes até de forma inconsciente. De repente só porque o candidato estudou em uma faculdade que não é de ponta, ele já não serve para a vaga, e este processo que fazemos pode mostrar que ele seria uma pessoa excelente para a vaga, pois vai considerar uma serie de outros pontos. Com um processo estruturado não tem problema a faculdade, a empresa, a aparência, e etc.

Como você enxerga a evolução no mercado de recrutamento em 10 anos?

M.L. : Vejo o recrutamento como um problema global a ser resolvido e melhorado, e tem muita gente trabalhando nele. O objetivo é que as empresas consigam cometer mais acertos do que erros e acredito que as gerações futuras vão se beneficiar muito do que estamos fazendo hoje. Este é o propósito da Kenoby também, ajudar as empresas a acertarem! E acredito muito na questão da qualificação para isso.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários