Em um momento de crise, muitos paralisam, vários desistem, os menos preparados e resilientes se retiram do mercado. No entanto, é também neste período que cada vez mais pessoas buscam no empreendedorismo uma oportunidade de construir uma nova carreira e prosperar.

Há quatro anos o professor Marcos Silvestre vem se dedicando ao livro A Virada na Carreira – Ganhe dinheiro por conta própria, uma espécie de guia para que qualquer pessoa que tenha um talento, certa experiência e uma habilidade em qualquer área profissional possa se lançar como empreendedor de sucesso.

Na obra, o autor ajuda o leitor a identificar o seu principal potencial empreendedor, de modo que ele possa transformar seu talento no seu investimento. Saiba um pouco mais sobre o livro no nosso bate-papo de hoje. Acompanhe:

 Conte um pouco do seu novo livro “A Virada na Carreira” e como foi a sua preparação.

 Marcos Silvestre: Atuo como consultor de pequenos e médios negócios desde 1991, mas nunca havia publicado um livro na área. Depois de atender particularmente a centenas de casos de sucesso, além de ministrar treinamento a milhares de empreendedores e donos de negócios próprios espalhados pelo país, meu editor Pedro Almeida convenceu-me a escrever um livro com este argumento irrecusável: “Você não deseja dividir esta experiência toda com muito mais gente? ”. Minha alma de educador falou mais alto, e em 2011 decidimos preparar A Virada na Carreira”.

Há quatro anos, quando estávamos ainda em um período de bonança econômica no Brasil, profissionais dos mais variados setores nutriam o desejo de se tornarem donos de seu negócio próprio, diante das muitas oportunidades que enxergavam no mercado.

Muitos enxergavam nesta via uma oportunidade para conciliarem melhor sua carreira com seus interesses pessoais, melhorando sua qualidade de vida. No entanto, estabelecer-se por conta própria se tratava, naquela época, de um desejo latente, apenas um esboço de plano B, já que a maioria estava bem empregada, recebendo um bom salário e usufruindo de fartos benefícios corporativos.

De lá para cá, o quadro econômico inverteu-se rapidamente, e o que era “plano B” tornou-se rapidamente o “plano A” para muitos destes profissionais. Dar a virada na carreira é hoje a saída para os profissionais de talento que já perderam seus empregos como resultado da crise, e também para aqueles que vislumbram este destino no próximo ano.

Quem sai do mercado de trabalho hoje sabe que tão cedo não voltará, ou voltará em condições de remuneração acentuadamente inferiores a seu último emprego. Assim, terão de explorar de forma alternativa (por conta própria), aquele seu rico talento, que é fruto da sua formação, da sua experiência e da sua dedicação a uma área profissional pela qual revelam grande afinidade.

O atual momento é propício para empreender?

M. S.: A crise gera inegáveis problemas para a economia como um todo: na prática, a demanda encolhe, seja por causa do desemprego, da inflação que corrói o poder de compra efetivo dos consumidores, ou do desânimo geral, que deixa os compradores hesitantes, mais lentos para “apertarem o gatilho”.

Mas isto não quer dizer que o mercado some: ele até encolhe, mas a parte da economia que continua girando é muito maior do que aquela que desaparece. Melhor ainda: a dinâmica de geração de valor muda e pode (muito concretamente!) favorecer a entrada de novos empreendedores no mercado.

Qualquer pessoa pode ter sucesso empreendendo?

M. S.: Há milhões – sim, milhões! – de empresários bem-sucedidos espalhados pelo mundo, a maior parte deles de pequeno ou médio porte. É gente “normal”, que jamais chegará sequer aos pés dos grandes feitos dos monstros sagrados dos negócios, seja em termos de faturamento, de número de funcionários ou da diversidade de ramos em que atuam.

Ainda assim, estamos falando de empreendedores de muito sucesso, profissionais que seguramente deram muito certo como empresários e – estes sim! – podem nos servir como referências acessíveis, confiáveis, como bons guias no caminho do sucesso empreendedor.

Refiro-me a todos aqueles indivíduos comuns que um dia fizeram a corajosa opção de abandonar o mercado de trabalho como funcionários de empresas e passaram a explorar seu talento por conta própria e assumindo o risco.

São pessoas que vêm obtendo resultados muito positivos justamente porque, seja de forma consciente ou não, de maneira explícita ou não, seguiram, todas elas, basicamente, uma mesma receita de vitória em suas práticas empreendedoras.

Cada qual com suas circunstâncias, sua época, sua personalidade e seu peculiar histórico de vida, mas todas alinhadas com uma mesma fórmula de sucesso na essência de seu caminhar empreendedor.

Empreender não precisa (e nem deve!) ser uma aventura amadora. Existe um caminho científico para conquistar o sucesso ao se lançar por conta própria. Em A Virada na Carreira eu convido o leitor a conhecer este caminho e colocá-lo em prática imediatamente.

Leitura recomendadaProsperidade: só o trabalho pode gerar riqueza

Quais os riscos e desafios de empreender durante a crise?

M. S.: A crise não eleva os riscos de empreender, que sempre existirão. Pelo contrário: a crise pode aumentar as oportunidades para novos empreendedores. Cito aqui 10 razões para empreender na crise:

  1. Clientes órfãos. Na crise, empresários mais fracos e derrotistas irão fatalmente levantar bandeira branca e se retirar do mercado, abrindo vácuos na clientela… para a sorte dos novos empreendedores!
  2. Coragem redobrada. A falta de alternativa (= escassez de emprego formal) pode ser o empurrão que faltava para finalmente colocar em prática seu sonho empreendedor, acalentado de longa data.
  3. Modelo fresco. Pratique a “reinvenção da produtividade”, como sugeriu o presidente da Microsoft: estude os processos e descubra formas revolucionárias de fazer tudo mais barato e melhor. É possível!
  4. Leveza na entrada. Quem já atua hoje no mercado pode ter impostos em atraso, passivos trabalhistas, alguma ação na justiça… O novo empreendedor abre suas portas livre, leve e solto!
  5. Ponto mais barato.  A crise propicia maior disponibilidade de bons imóveis comerciais com aluguéis mais baratos e locatários mais flexíveis, dispostos a se esforçarem por um bom novo inquilino.
  6. Colaboradores power! O empreendedor encontrará na crise funcionários mais aguerridos, com medo de perder o emprego. Terá ainda a chance de fazer contratações iniciais a valores mais acessíveis.
  7. Fornecedores engajados. Na crise os compradores somem… e os vendedores correm atrás! Quem souber negociar preço, prazo e quantidade fará compras muito competitivas… e poderá vender barato!
  8. Aquela “forcinha” da turma. Abrir um negócio em momento de adversidade como esse angaria solidariedade: você terá maior apoio de familiares, parentes e amigos, que torcerão pelo seu sucesso!
  9. Visão de longo prazo.Crises são cíclicas, e serão sucedidas pela bonança: um empreendedor deve sempre ter uma visão ampla, de prazo esticado. Sobreviver no curto prazo… triunfar no médio e longo!
  10. Resiliência no nascedouro. Criar-se na adversidade imprime incalculável força ao DNA de sua empresa: quem souber lucrar e prosperar na dificuldade irá nadar de braçada na facilidade… que virá!

O que você diria para quem quer abrir seu próprio negócio? O que é preciso avaliar e quais devem ser os primeiros passos?

M. S.: Qual o projeto empreendedor que hoje domina os seus pensamentos? Você deseja montar um escritório e prestar serviços de consultoria ou de suporte técnico e manutenção para um ou mais clientes?

Talvez você queira aproveitar sua experiência para fornecer serviços especializados de inspeção, auditoria de processos ou treinamento e capacitação de pessoal. Ou, então, você deseja atuar em vendas, trabalhando a partir de casa; ou, até mesmo, abrir um comércio, uma butique de roupas finas, uma loja de sapatos e bolsas, de artigos de informática, ou uma loja de roupas para bebês e crianças.

Pode ser também uma loja de cosméticos ou, quem sabe, uma clínica de estética, hum? Talvez você pense em comprar uma franquia neste ou naquele ramo? Que tal abrir um fast-food numa versão food-truck?

Você deseja, por acaso, estruturar uma pequena/média linha de produção, como uma casa de massas frescas ou refeições prontas delivery? Quer montar um bufê infantil ou um restaurante a quilo? Pensa em abrir uma escola de línguas e cursos complementares? Que tal iniciar uma startup na dinâmica área da tecnologia da informação? Ufa, quantas ideias!

O projeto empresarial que passa pela sua cabeça neste momento pode seguir qualquer um destes caminhos, ou, ainda, outro formato que eu ainda não tenha mencionado aqui. O mundo dos negócios é bastante diversificado, pois o mercado é muito amplo e existem inúmeras possibilidades para se tentar o sucesso empreendedor.

Em nossos sonhos mais livres, costumamos nos projetar como donos deste ou daquele negócio específico. Em qualquer caso, entenda que a receita a ser seguida para assegurar seu sucesso empreendedor será, fundamentalmente, a mesma.

Quase qualquer ramo de negócios poderá ser sua janela de realização. Afinal, sucesso empreendedor é sucesso empreendedor, só troca de endereço. E, agora… eu quero que uma boa dose desse sucesso vá para o seu endereço!

Creio que conheço as principais perguntas que povoam (ou deveriam povoar) sua mente neste momento de questionamentos e de decisões importantes sobre o melhor caminho para empreender: POR QUÊ? – QUANDO? – O QUÊ? – COMO? – COM QUEM? – COM QUANTO? – PARA QUEM? – POR QUEM? – QUAL? – QUEM?

Em A Virada na Carreira, eu pretendo fornecer ao leitor respostas objetivas para estas perguntas. Meu convite é mesmo de natureza bem prática: que você pare apenas de sonhar com as possibilidades e passe a fazer negócios para valer, seguindo a fórmula do sucesso empreendedor: o TALENTO você já tem, o SUCESSO é justamente o que você quer, então… permita que eu deseje (e acrescente) a você um bom tanto de S.O.R.T.E. nesse projeto!

Deixo um pensamento final para o leitor interessado em empreender: deixe de ser o talento dos outros, seja o dono do seu próprio talento, explorando-o em seu próprio negócio. Clique aqui para ver mais detalhes sobre o livro. Obrigado e até a próxima!

Leitura recomendadaOs 10 mandamentos da prosperidade

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários