Dinheirama Entrevista: Mario Amorin, equipe de vendas da BrBrokers RJO mercado de imóveis esta fervilhando no Brasil e este é sempre um assunto muito procurado pelos leitores do Dinheirama. A dúvida de muitos leitores é: estamos no momento certo para buscar uma boa oportunidade de comprar imóveis ou o mercado em pouco tempo passará por ajuste nos preços?

Para nos ajudar a entender um pouco mais sobre esse assunto tão importante, conversei com Mario Amorin, profissional especializado da BrBrokers RJ. Mário atua no mercado de corretagem há 30 anos e atualmente é responsável pela equipe de vendas da BrasilBrokers RJ.

Há quase 20 anos, Mario atua no treinamento e capacitação de novos corretores e já colaborou para o ingresso de 300 novos profissionais na atividade. No site www.porqueinvestir.com.br, ele e seus parceiros destacam as características dos investimentos em imóveis.

Confira como foi nossa conversa:

Mario, quais as principais vantagens de investir em imóveis em relação a outros tipos de investimento?

Mario Amorin: Imóvel é um investimento seguro e rentável, especialmente na cidade do Rio de Janeiro. É uma garantia real para o investidor. Nos últimos anos, a valorização dos imóveis no Rio superou e muito a inflação, proporcionando um ganho de capital bem expressivo para o adquirente.

Além do ganho de capital, o investidor pode ter uma renda mensal caso alugue o imóvel. Com os juros baixos, os investimentos em renda fixa estão pouco atrativos e o investimento em imóveis torna-se uma ótima opção.

Muitos leitores entram em contato conosco dizendo que estão decididos a investir em imóveis. Quais são os próximos passos depois dessa decisão?

M. A.: O primeiro passo é definir quanto e por quanto tempo quer investir. Em seguida, é importante definir qual o grau de risco que o investidor pretende correr. Se o investidor quer segurança e rentabilidade, acho que o imóvel é o investimento ideal. A partir daí, o investidor precisa definir a localização em função da probabilidade de valorização com o passar dos anos.

A Zona Oeste do Rio, por exemplo, sofreu uma valorização bem expressiva desde 2008. Em alguns casos atingiu valorização de 150%! Os especialistas dizem que o metro quadrado do Rio ainda vai valorizar, mas que provavelmente será um aumento bem mais contido. Após escolhida a melhor opção, basta procurar uma empresa de consultoria imobiliária, analisar as opções disponíveis e investir.

Como adquirir imóveis de forma segura e barata?

M. A.: A forma segura é observando quem está oferecendo (histórico da empresa, projetos já lançados, estrutura etc.) e, como a concorrência é grande, os preços precisam ser competitivos. Comprar na planta é uma boa forma de comprar com melhores preços – e é importante não considerar apenas valor, mas sim “o grande potencial de valorização”.

O comprador deve buscar informações sobre a região. Existem projetos urbanísticos futuros para aquela região? Quais? Os impactos são positivos para o imóvel que pretendo adquirir? É importante conhecer o histórico da construtora, pesquisar a solidez da empresa, sua idoneidade, se cumpre os prazos estabelecidos, qualidade de acabamentos, obras já entregues, tudo isso. É fundamental que o comprador estabeleça uma relação de confiança com a empresa.

Há muitas opiniões controversas quanto a investir em imóveis hoje. Quais as principais diferenças entre os modelos de compra e qual o melhor?

M. A.: O melhor modelo é aquele que se encaixa no bolso e atende às expectativas do comprador. Nesse momento, a atuação do consultor é fundamental para orientar e gerar segurança. No site www.porqueinvestir.com.br o interessado tem a oportunidade de conversar com um corretor online que facilita esse primeiro contato.

Em geral, há um consenso de que o mercado ainda vai crescer, porém não no mesmo ritmo dos últimos anos. Os eventos esportivos vão ajudar, mas o Rio cresce independente deles. A indústria do Petróleo e Gás vem crescendo e, com os investimentos da Petrobras e das indústrias offshore, o mercado do Rio vai se fortalecer ainda mais. A Petrobras estima dobrar a produção de Petróleo até 2020, por exemplo.

Quanto aos modelos de compra, vejamos: o adquirente pode comprar um imóvel pronto à vista e barganhar um bom desconto, comprar na planta bem mais barato pagando durante a obra sem juros (geralmente é o caso da obra por administração) ou pegar um financiamento e pagar grande parte do valor em 20 ou 30 anos, com juros.

Você mencionou bastante o Rio de Janeiro. Por que o cenário está favorável para o investimento em imóveis por lá?

M. A.: A chegada de dois grandes eventos – Copa e Olimpíadas – obrigou o poder público a assumir compromissos com a infraestrutura. Políticas de segurança pública, obras como BRT’s, ampliação das linhas de metrô, novas vias e etc. influenciam positivamente em diversas regiões da cidade e as empresas investem cada vez mais nesses locais.

Além dos eventos esportivos, o Rio tem muitas outras razões para se investir. A indústria do Petróleo é outro motivo que fortalece o mercado do Rio. A diminuição da violência aumenta e estimula o turismo na cidade e a migração de brasileiros de outros estados que escolhem viver no Rio também aumentam a demanda por imóveis.

Quais são as regiões mais interessantes, no momento, para investir em imóveis?

M. A.: Na cidade do Rio acredito que a zona oeste ainda é a melhor opção. Existem muitas áreas nessa região a se desenvolver nos próximos anos. Os que investirem primeiro terão o maior ganho de capital. O centro e a região de São Cristóvão são também importantes nessa etapa.

Já no estado do Rio, ressalto Macaé. A cidade se desenvolveu muito rapidamente em função da descoberta do petróleo e do pré-sal na região da Bacia de Campos. Faltou a infraestrutura e hoje eles tem um déficit habitacional enorme, com uma população flutuante de 70 mil habitantes.

A bacia de campos é responsável por 80% da produção nacional de Petróleo, a previsão de investimento nessa região é enorme. A indústria petrolífera irá contratar milhares de profissionais para trabalhar em Macaé e tais profissionais precisam morar em algum lugar.

Pensando no ganho e no retorno para o investidor, o que é melhor: investir para revender, alugar ou imóveis em cotas para lucrar?

M. A.: Depende da oportunidade, a expectativa de cada um, a localização e tantos outros fatores. As pessoas optam por revender geralmente quando veem a oportunidade de ter um ganho de capital e reinvestir em outra região em fase de crescimento. Mas, nesse caso, não está interessado na renda que esse imóvel pode proporcionar mensalmente no caso do aluguel.

Tenho tido excelentes experiências priorizando a compra para renda. Pessoas que preferem ter uma renda mensal vão optar por alugar o imóvel.

Outro tipo de investimento bem interessante é comprar uma unidade de um hotel (ou cota). Neste caso você tem um rendimento mensal, mas não precisa se preocupar com a administração nem ocupação do mesmo, que fica nas mãos do gestor hoteleiro.

Dependendo da localização e da bandeira hoteleira, o rendimento pode ser bem interessante. Por exemplo, em Macaé o retorno mensal pode ser em torno de 1% liquido ao mês.

Mario, muito obrigado pela disponibilidade. Por favor deixe uma mensagem final para os leitores do Dinheirama que se interessaram ainda mais pelo mercado de imóveis.

M. A.: Agradeço o convite e fico à disposição. Existem muitas boas oportunidades para o mercado e tudo dependerá do planejamento e dos objetivos de cada um. Oportunidades sempre aparecem para quem está preparado para aproveitá-las. Convido mais uma vez os leitores a acessarem o www.porqueinvestir.com.br para conhecerem mais sobre nosso trabalho. Até a próxima.

Fotos: freedigitalphotos.net e divulgação.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários