Dinheirama Entrevista: Mônica Saccarelli, Diretora do Home Broker Rico.com.vcConversar sobre a bolsa de valores é sempre muito gratificante. Abordar a renda variável de forma mais aberta, sem tantos jargões e mistérios é parte do trabalho sério de educação financeira. É sobre isso que conversei com Mônica Saccarelli, que coordenou o lançamento do home broker Rico.com.vc, em junho deste ano. Tratamos de discutir como deve ser o começo do investidor neste mercado e qual deve ser a abordagem para conquistar seus objetivos.

Monica Saccarelli é Diretora do home broker Rico.com.vc. A executiva, que atua no mercado de ações desde 1998, foi uma das responsáveis pelo lançamento do Link Trade, em março de 2008, e que a partir de junho de 2011 passou a se chamar Rico.com.vc. Monica é formada em Relações Públicas pela FAAP, em São Paulo, e pós-graduada em Comunicação Empresarial pela ESPM, em São Paulo, e Marketing, pela Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos.

Acompanhe nosso papo e deixe seu comentário ao final da entrevista:

Que fatores influenciam tanto a adesão ainda tímida de investidores pessoa física ao mercado de renda variável?

Mônica Saccarelli: A crise que passamos há algum tempo foi severa, principalmente por se tratar de uma crise de crédito, afetando assim todos os setores da economia. Isso com certeza influenciou aqueles que conheciam pouco o mercado de ações e tinham interesse em investir. Em contrapartida, as corretoras têm o papel fundamental de acabar com essa timidez da pessoa física ligada à falta de conhecimento sobre o mercado de renda variável. Ações de educação financeira e assessoria ao investidor são fundamentais para desmistificar o mercado.

Desmistificar o investimento em ações passa por convencer algumas gerações de que o mercado de renda variável é diferente daquele encontrado antes do plano Real. Em relação aos jovens, passa por fazer chegar a eles informações que lhes dê confiança para investir. Como agir nestes casos?

M.S.: A primeira fonte de informações do público jovem é a Internet. Por isso, achamos importante que o investidor tenha acesso aos profissionais de mercado. No Rico.com.vc realizamos chats diários com especialistas como Marcio Noronha e Fernando Góes, além de manter um fórum de análise técnica, espaço onde o interessado pode enviar dúvidas e manter contato direto com pessoas que atuam diretamente na bolsa. Desmistificar passar por estar próximo do cliente e valorizar esta relação.

Países mais desenvolvidos, cujas economias oferecem taxas de juros muito baixas, têm, naturalmente, um mercado de ações mais forte e popularizado. Ainda que nossas renda fixa ofereça ganhos altos, sabemos e afirmamos vale a pena diversificar e considerar a renda variável para o longo prazo. Neste sentido, como o investidor deve pensar seu plano de investimentos e sua diversificação?

M.S.: Você já deve ter ouvido falar no ditado “Não coloque todos os ovos em um mesmo cesto”. Pois bem, o mesmo vale para o dinheiro. Diversificar os investimentos diminui os riscos de perdas: se uma aplicação não vai bem, outra pode compensar. A forma como cada investidor aplica seu dinheiro em diferentes modalidades de investimento varia com o perfil de cada um e a corretora ajuda a identificar esse perfil – que é fundamental ser conhecido.

A partir daí o investidor pode traçar objetivos e criar sua estratégia de investimentos observando os prazos desejados (curto, médio e longo prazo). As decisões de investimento precisam levar em conta o perfil do investidor, sua aversão ao risco e suas metas.

Vivemos um boom de consumo e crescimento de renda (migração social), mas nossa população ainda poupa e investe pouco. Ainda são muitos aqueles que simplesmente desconhecem o investimento em bolsa de valores. As dúvidas principais são: a) é possível investir em ações com pouco dinheiro? e b) como começar a investir, escolher uma empresa ou setor?

M.S.: Para quem está começando, é mais fácil investir em uma empresa que o investidor conhece e que seja consolidada. Além disso, é importante ter consciência do risco que envolve o investimento em ações. Neste sentido, assistir à algumas palestras gratuitas e ler sobre o tema são atitudes inteligentes e que trarão resultado. É possível investir com pouco dinheiro sim, para isso existem os ETFs (fundos de índice) e o mercado fracionário.

A diversificação é importante em economias estáveis e que apresentam tendência de crescimento, como é o caso do Brasil. Além disso, é importante que o investidor tenha acesso a relatórios de análise compreensíveis, cursos e palestras oferecidos pela corretora para que ele possa manter-se sempre em contato profissionais da área. Creio que assim o investidor terá conhecimento e segurança para tomar suas decisões na hora de investir.

Qual deve ser, na sua opinião e do Rico.com.vc, a correta abordagem da corretora em relação aos seus clientes? Publicamos recentemente algumas críticas em relação ao atendimento, ainda muito diferente do que se vê em relação aos bancos (principalmente na questão do contato pessoal). Vocês concordam com a idéia de que é preciso se aproximar melhor dos futuros investidores? Como agir neste sentido?

M.S.: Nós acreditamos na importância de disseminar conhecimento através da boa informação. Caso contrário, o cliente pode desistir do mercado de ações e procurar outro tipo de investimento – está claro que ele não vai investir o seu dinheiro em algo que desconhece. A educação financeira é fundamental para a formação do investidor e apostamos muito neste caminho. O investidor pode e deve ser abordado através de forma presencial, através de cursos, palestras e workshops. O “cara a cara” é muito importante para gerar confiança e compromisso.

Qual sua opinião sobre a meta da BM&F Bovespa de atingir 5 milhões de investidores pessoa física até o final de 2014? Notícias dão conta de que esse objetivo será revisado. Do que depende o sucesso dessa empreitada?

M.S.: Se as corretoras investirem fortemente na parte de educação, que é fundamental aqui no Brasil, é bem provável que possamos atingir os 5 milhões de investidores. Temos percebido que o brasileiro já entendeu que outros investimentos terão que fazer parte de seu cotidiano de aplicações financeiras, especialmente se continuarmos com o caminho econômico sustentável e de crescimento – o investidor terá que buscar alternativas à renda fixa.

O nome Rico e o domínio www.rico.com.vc foram uma excelente idéia, são bem atraentes e demonstram proximidade. Por que este nome?

M.S.: Queremos aproximação com o nosso cliente, especialmente através da educação financeira. O nome Rico é no sentido de oferecer o home broker que estará ao lado do cliente para ajudá-lo a conquistar o que é importante para sua vida através dos seus investimentos, o que faz sentido quando você digita a URL Rico.com.vc.

Além de serviços e ferramentas, criamos um programa educacional para todos os níveis de conhecimento e colocamos especialistas à disposição para ajudá-lo a tomar a melhor decisão na hora de investir. Cursos, palestras gratuitas, chats diários e fóruns estão à disposição de todos que desejarem conhecer melhor o investimento em ações.

Obrigado por nos conceder esta entrevista e por também valorizar a educação financeira, razão principal deste espaço existir.

M.S.: É muito importante incentivar quem acredita e populariza importantes conceitos de educação financeira. Parabéns ao Dinheirama e sua equipe.

Foto: divulgação.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários