Os últimos meses foram economicamente preocupantes. A inflação cada vez mais alta, juros também altos dificultando às pessoas o acesso ao crédito somados ao grande número de pessoas que perderam o emprego, resultaram em muito pessimismo.

Nesse cenário, o pequeno e médio investidor se sente cada vez mais ameaçado, sem saber onde alocar seu capital. O investimento mais popular do Brasil, a caderneta de poupança, nos últimos meses bateu recorde negativo, uma das razões é certamente o fato do brasileiro se ver obrigado a mexer no dinheiro guardado para manter o padrão de vida.

Convidei o economista Renato Breia, para uma entrevista onde abordamos todos esses desafios, do cenário econômico do Brasil, traçando algumas saídas para o investidor se proteger. O Renato, é formado em economia pela PUC-SP. Em 2005 iniciou sua experiência como analista de ações na Link Corretora. Desde então trabalhou em diversas áreas: mesa de operações, gestão de fundos, relações com investidores e como responsável pela seleção de fundos de terceiros. Hoje Renato é Especialista em Investimentos para o Criando Riqueza e responde também pela Consultoria Personalizada da Empiricus, parceira de conteúdo do Dinheirama. Confira!

A maioria dos economistas e consultores financeiros não considerava no atual cenário a caderneta de poupança como um bom investimento. Os recentes saldos negativos de captação da poupança mostram que as pessoas começaram a buscar outras alternativas?

Renato Breia: Em certo grau mostra a perda de atratividade relativa da poupança, especialmente em um cenário de alta da inflação e das taxas de juros (que puxam a rentabilidade de outras aplicações conservadoras, como títulos do Tesouro). Mas não apenas isso. Com inflação alta, aumento do desemprego e queda dos salários, o brasileiro está sacando suas reservas da poupança para fechar as contas do mês, e não está conseguindo repor esse dinheiro sacado. É um problema estrutural relevante.

Logo após a reeleição da Presidente Dilma Rousseff muito se falou sobre um possível confisco na poupança. O que de fato existe nessa história?

R.B.: Até então nada. Trataram-se de rumores infundados e – até certo grau – absurdos na forma como foram disseminados. Isso é por vezes reiterado por nossa tese.

O confisco da poupança que nos referimos se dá pelo avanço da inflação e perda de atratividade relativa da poupança. Trata-se de uma imposição racional: sacar o dinheiro da poupança que, grosso modo, está corroendo o poder de compra do cidadão.

Quais serão as consequências para o mercado de imóveis se os saques na caderneta de poupança continuarem tão expressivos?

R.B.: A primeira consequência, imediata, já está acontecendo. Como os recursos da poupança são utilizados para o financiamento imobiliário, as fontes de recurso vão se esgotando e tornando mais difícil o acesso das pessoas a crédito para compra do imóvel. A Caixa e bancos privados já alteraram regras, tornando mais difícil o financiamento. Em segundo momento, isso representará redução na procura, nos preços dos imóveis, e consequentemente no patrimônio de famílias que possuem imóvel…

Como os pequenos e médios investidores podem se defender do atual cenário econômico de crise? Vocês prepararam algum material especial sobre o tema?

R.B.: Sim, há duas questões extremamente relevantes que precisam ser cuidadas desde já: uma atrelada a baixa atratividade relativa da poupança, outra à questão dos imóveis. Os dois pilares patrimoniais do brasileiro estão em rota de colisão, e objetivo dessa tese (e do conteúdo em questão) é justamente endereçar o problema sobre essas duas óticas.

Quem está com o dinheiro ainda aplicado na caderneta de poupança, qual caminho deve escolher?

R.B.: Há uma infinidade de aplicações com perfil de risco similar (senão melhor) do que a poupança, também com liquidez diária, oferecendo retorno substancialmente superior. No material listamos algumas delas, que podem variar desde títulos do Tesouro, a fundos DI oferecidos pelos bancos comerciais.

Renato, muito obrigado pela entrevista. Por favor registre uma mensagem final para os leitores do Dinheirama que acompanham seu trabalho e querem saber um pouco mais sobre a plataforma “Criando Riqueza”.

R.B.: Agradeço a oportunidade e convido todos a lerem o material explicativo. Temos uma questão relevante em curso, evidente pelo ritmo crescente de saques da poupança, que não pode ser simplesmente ignorada. Espero de alguma forma contribuir a este debate.

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto: Arquivo.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários