Dinheirama Entrevista: Roberto Tranjan, diretor do CEMPREEstou feliz em poder compartilhar com vocês, leitores do Dinheirama, uma entrevista altamente educativa que fiz com Roberto Adami Tranjan, escritor, conferencista e diretor da CEMPRE Educação nos Negócios, empresa voltada para a geração de riquezas na vida e nos ambientes de negócios.

Escritor de textos contundentes, Roberto Tranjan inovou os modelos de gestão quando idealizou a Metanóia na busca pelo desenvolvimento de lideranças conscienciosas pautadas na ética e com um olhar real para o lado humano dos indivíduos. Experiente em implementar mudanças organizacionais, atua como consultor e educador em empresas nacionais e internacionais.

Sou admiradora do trabalho desse educador. Seus textos geram reflexões muito significativas. Assim, com o objetivo de provocar certo “desconforto existencial” e com isso instigar a construção de dias mais felizes e ricos de verdade, desenvolvi algumas perguntas que Roberto Tranjan aceitou responder, gentilmente, para o nosso blog.

O seu livro “Rico de Verdade” (Editora Gente) é repleto de ótimos argumentos para rompermos com comportamentos sabotadores do sucesso e começarmos agir de modo diferente. É um convite irresistível para funcionarmos “fora da caixa”, longe dos padrões reducionistas muitas vezes impostos pela sociedade em que vivemos. Em sua opinião, quais os maiores motivos que levam as pessoas a tornarem-se reféns de um modo de funcionar ditado pela sociedade?

Roberto Tranjan: O principal de todos é o medo. E o medo nos é infligido o tempo todo. Fazemos do viver algo ameaçador. Com isso, nos preservamos, nos resguardamos. Quando pensamos no medo, o impulso é de nos defender. Ou de recuar e nos recolher. Ou vamos à luta ou nos encolhemos como um caracol. Nessas condições é que adotamos comportamentos sabotadores. Ficamos desatentos, pouco ligando para os outros e para o mundo ao nosso redor.

Pensamos em defender a nossa pele, ficamos presos ao próprio umbigo. Ou então nos desalinhamos, agindo de um jeito que não tem nada a ver com o que verdadeiramente somos. Nossos gestos e palavras diferem de nossas crenças e valores. Ou, ainda, e talvez essa seja a pior atitude, perdemos completamente a esperança, desanimamos, desistimos e “jogamos a toalha”.

O mundo do medo é um mundo de escassez. Nele, não há lugar para todos. É um mundo precário feito de vencedores e perdedores. Curiosamente, é na ânsia de fazer parte do mundo dos vencedores que caímos na cilada de fazer uso dos comportamentos sabotadores. O feitiço vira contra o feiticeiro e acabamos por nos confinar ao rol dos perdedores.

Você traz para seus leitores uma inovadora maneira de enriquecer: a Metariqueza. Esse importante conceito contempla todas as esferas da vida: material, social, psicológica e espiritual. No entanto, as pessoas costumam valorizar e buscar somente o lado material da riqueza e acabam sofrendo as conseqüências dessa escolha. Vemos pais sem tempo para os filhos, relacionamentos pessoais frágeis, falta de fé, corrupção, natureza agredida e aumento da desigualdade social.

A partir de suas pesquisas e vivências enquanto educador, você acha que estamos perto de uma conscientização de que é preciso buscar mais significado para a vida e que isso vai além do acumulo de capital?

RT: Escrevi o livro “Rico de Verdade” a partir da indignação, ao ver um mundo feito de pobres de verdade e ricos de mentira. Poucos são ricos de verdade. E isso está fora da ordem. Entenda por pobre de verdade aquela pessoa que luta e labuta diariamente apenas em busca do “leitinho das crianças”. Ele entende que viver não passa de “matar um leão por dia”. E repete sempre a velha cantilena de que o “mar não está para peixe”. O mundo que é capaz de enxergar e no qual vive é esse, o da escassez.

Mas tem também o rico de mentira. Aquela pessoa que ficou refém da mera riqueza, ou seja, a que só contabiliza o econômico. Então, a seu ver tudo tem valor de uso e valor de troca. Relações só importam como contrapartida de algum ganho financeiro. Considera as pessoas meios, não fins. E, embora tenha acumulado grandes somas em dinheiro, desperdiça a vida controlando seus montantes como quem guardasse o relógio bem cerrado, no próprio punho, com medo de perdê-lo, sem se dar conta que com isso não pode usar a própria mão.

Metariqueza é um conceito de riqueza superior, que vai além da mera riqueza econômica, embora a contemple também. Abrange a riqueza em quatro dimensões:
A filosófica, que define as razões, motivações e intenções da riqueza;

  • A potencial, que faz com que cada pessoa seja, na verdade, o que tem tudo para ser;
  • A causal, que coloca os esforços e empreendimentos em prol de algo maior fora de si mesmo;
  • A econômica, que trata da riqueza material.

Na metariqueza, o pensamento dominante é o de contribuir, não de extrair. Negócios são meios para oferecer algo valioso ao mundo. E é através do trabalho que transformamos as nossas potencialidades em realizações. Transformamos enquanto nos transformamos.

Olhando para o universo do jovem percebe-se que o apelo social do ”ter para ser aceito” acaba levando-os para uma vida voltada ao consumismo. Esse processo dificulta um pouco mais a complexa fase de construção da identidade pessoal e ingresso na vida adulta. Em seu entendimento, qual o papel dos pais nessa delicada etapa de vida e qual o impacto da prática do autoconhecimento na vida dos jovens?

RT: Mack Albion, especialista em marketing, fez uma pesquisa com 1500 jovens que estavam concluindo o MBA em universidades americanas. A pergunta era “Quais os seus planos a partir de agora?”. As respostas foram: 83%, ganhar dinheiro; 17%, dedicar-se a algo que trouxesse satisfação e realização pessoal. Passados 20 anos, o pesquisador constatou que, dos 1500 jovens, 101 haviam se tornado milionários e, destes, 100 pertenciam ao grupo dos 17%.

Infelizmente, muitos pais estão incentivando os filhos a estudarem em escolas e escolherem carreiras que priorizam a riqueza material. Estão preparando os filhos para ter, não para ser. E todo esse ter não contribuirá para o desenvolvimento das outras dimensões humanas: a psicológica, a emocional e a espiritual.

Gosto da orientação daquele pai em diálogo com seu filho:
– Pai, o que realmente importa na vida?
– O que mais importa na vida, meu filho, é tudo o que você não pega.

Vivemos uma vida “fast”, onde as solicitações constantes, as respostas rápidas e o alto desempenho nos cercam a todo o momento. Penso que precisamos nos adaptar a esse novo modelo, mas sem violentar nosso “eu”. O desafio é preservar nossa essência, sermos mais felizes, mas sem sucumbirmos à pressão cotidiana. Qual sua orientação em relação a esse conflito?

RT: Primeiramente, é preciso distinguir senso de urgência de pressa. Senso de urgência muitas vezes é necessário, para que não fiquemos na letargia, na parálise. Já a pressa nos tira do centro, embaça a vista, embriaga os sentidos e embota a mente. Deixamos de ver e ouvir as coisas como elas verdadeiramente são. Nossas decisões se tornam enviesadas levando a ações equivocadas. Carl Jung dizia que a pressa não é coisa do diabo. Ela é o diabo!

A orientação para essa vida fast é: pare! A reflexão vem antes da ação e da reação. E temos de decidir e agir a partir da nossa essência, não das influências externas, que nem sempre são positivas.

O mundo do trabalho é abordado em seus textos com profundo respeito. Percebo sua vontade de provocar nas pessoas uma revolução: a busca pelo “valer a pena” e pela verdadeira prosperidade. Acho altamente construtivo e instigante o processo de “Metanóia” desenvolvido nas empresas, pois é restaurada a Vida no trabalho. Usando suas palavras, essa transformação coloca “o sistema técnico a serviço do sistema humano”. Você pode contar-nos um pouco sobre o processo de Metanóia e seus impactos dentro das empresas?

RT: A Metanóia surgiu como processo em 1999, com o intuito de transformar empresas econômicas em progressistas. Entenda por empresa econômica a que foi moldada na era industrial e que pensa, sobretudo, no retorno aos acionistas. Entenda por progressista a empresa que é ética, humana e próspera, sem negligenciar nenhum desses aspectos.

Sabemos, no entanto, que empresas são entidades jurídicas, sem vontade própria. Quem faz as empresas são as pessoas, a começar por seus líderes. Então a Metanóia surge como um processo de educação voltado às lideranças. Mexe com a maneira de ver desses líderes. Quando eles mudam o jeito de ver, mudam o jeito de fazer. Quando o olhar do líder se modifica, a obra se modifica. Metanóia é essa mudança de olhar. O líder descobre que negócios são pessoas.

Trata-se, portanto, de um sistema humano como fim em si mesmo. É um processo de um ano em que líderes de empresas dos mais variados portes, ramos de atividade e localizações geográficas se reúnem em sessões de aprendizados transformadores. O resultado da Metanóia, nesses dez anos de existência, é a construção de uma comunidade de empresas e de líderes que cultivam a metariqueza para o bem de todos os envolvidos. E, claro, da sociedade em que estão inseridos.

Roberto, obrigada pela disposição e pelos ensinamentos em nome da equipe Dinheirama. Conheça mais sobre o trabalho de Roberto Tranjan através de seus livros “A empresa de Corpo, Mente e Alma”, “Não durma no ponto”, “Metanóia”, “Pegadas” e “Rico de Verdade”, todos publicados pela Editora Gente, ou acesse seu site www.robertotranjan.com.br. Até a próxima.

Crédito da foto: divulgação.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários