Olá amigo leitor, tudo bem? Chegou mais um Top 5 Dinheirama. Como você já sabe, todo início de semana, publicamos uma seleção com o resumo dos cinco artigos mais lidos, comentados e compartilhados da semana anterior.

A ideia é lhe oferecer um panorama das preferências de outros leitores do Dinheirama e reunir os artigos de forma a oferecer um começo de semana mais proveitoso.

Os artigos mais lidos na semana passada foram:

5 erros comuns que te deixam cada vez mais pobre (e infeliz)

A pergunta é dramática, mas não há quem não acorde pensando nela, certo? Todos gostaríamos que alguém aparecesse com um bom discurso capaz de nos explicar o que fazemos de errado, onde costumamos errar e porque não alcançamos a riqueza plena, o milhão, ou o que seja.

Na verdade, somos tolos. Preferimos que alguém apresente a solução, quando já sabemos onde estão os problemas e quem é o único responsável por seu surgimento.

Livros, artigos, teses, pesquisas e textos estão por todo lado, repletos de excelentes dicas, testemunhos e instruções para facilitar o planejamento financeiro das pessoas. Quem quer ler tudo isso, com atenção, dedicar parte de seu tempo para aplicar os conceitos, discuti-los com a família e compartilhá-los? Quem quer se sentar com calma para fazer uma planilha de orçamento (clique e baixe a melhor planilha de graça) comparar tarifas bancárias ou estudar uma nova modalidade de investimento?

Clique aqui para ler o post completo

Ter muito dinheiro não é a (única) resposta para quem quer ser rico

Riqueza é um estado mental que se reflete em nossas atitudes, amizades, família e trabalho. Começo a perceber que a consequência para uma mente verdadeiramente rica é o dia-a-dia com qualidade de vida. Não consigo acreditar que o profissional bem remunerado que precisa carregar dois, três celulares e trabalhar 14 horas por dia seja uma pessoa rica. Ser rico é muito mais do que ter muito dinheiro. Você, o que acha?

A cada dia que passa fico mais convencido de que a riqueza não é uma busca, mas uma simples constatação. Ser rico é desfrutar o dia, sorrir para o estranho e usar palavras carinhosas para descrever seu amor à família; é viver ao lado de quem nos faz bem, perto de quem nos quer bem e podendo desfrutar de manias, momentos de reflexão e algum trabalho.

Clique aqui para ler o post completo

Dinheirama Entrevista: Felipe Burattini, CEO do Dandelin, app da área de saúde

Cerca de 70% dos brasileiros não têm plano de saúde, um percentual que só tende a aumentar se nada for feito. Desta forma, vale ficar atento às alternativas que aparecem no setor. Será que, assim como têm ocorrido com as fintechs no mercado financeiro, as healthtechs (as chamadas startups da área de saúde) podem trazer mudanças consideráveis no mercado?

Para iniciar esta discussão, desta vez o Dinheirama entrevista Felipe Burattini, CEO do Dandelin. O Dandelin foi lançado recentemente e é uma plataforma que une médicos e pacientes com o objetivo de agendar consultas ilimitadas a um valor máximo mensal.

A expectativa é oferecer em breve outras possibilidades, como exames. “Nosso objetivo é mudar completamente como o sistema de saúde brasileiro funciona e ter uma população mais saudável, através da democratização do acesso a saúde. Ter uma população que não precise escolher entre colocar comida na mesa ou cuidar de si”, explica ele. Confira o papo!

Clique aqui para ler o post completo

Regulamentação para fintechs de crédito: o que isso tem a ver com você?

Você já deve ter precisado de crédito em algum momento da vida, certo? E nesta hora descobriu o quão “caro” pode ser tomar um empréstimo no Brasil!

Entre as razões apontadas para tentar justificar o que poderíamos considerar uma “barbaridade” estão a inadimplência, a falta de concorrência justa e as dificuldades próprias da área fiscal brasileira.

O fato é que, como têm acontecido com as startups em geral, seria natural surgirem fintechs de crédito com propostas diferenciadas neste sentido. Que bom para quem está do outro lado da corda, não é mesmo?

Na semana passada, o Banco Central aprovou a regulação destas fintechs, o que pode tornar mais seguro e transparente todos os processos, além de aumentar a concorrência e ampliar a credibilidade destas instituições. Obviamente, também pode ajudar o bolso de todos que precisam tomar dinheiro emprestado. É importante, portanto, estar atento a estes movimentos do mercado. Pronto para saber mais?

Clique aqui para ler o post completo

5 motivos para você investir agora em bons Fundos de Investimento

Você já pensou em aplicar seu dinheiro em investimentos que não te dessem trabalho e nem ocupassem muito o seu tempo?

Com os fundos de investimento isso pode acontecer, porque além de bons fundos terem uma rentabilidade elevada, possuem também um responsável pela aplicação do seu dinheiro, os chamados gestores, que facilitarão todo o processo de investimento por você.

Portanto, aqui listaremos os 5 motivos do porque você deve aplicar em fundos de investimento e com isso possa descansar enquanto o seu dinheiro continua rendendo.

Com mais de 25 mil opções existentes no mercado, os fundos podem ser uma ótima saída para o seu dinheiro.

Clique aqui para ler o post completo

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários