Agora você confere as principais notícias de 09/05/19 quinta-feira.

Banco Central mantém taxa Selic em 6,5% pela 9ª vez seguida

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, manter a Selic (a taxa básica de juros da economia) em 6,50% ao ano. Com isso, a taxa permaneceu no nível mais baixo da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996. Foi a nona manutenção consecutiva da taxa neste patamar.

Mais uma vez, a decisão desta quarta-feira (8), era largamente esperada pelos economistas do mercado financeiro.

Ao justificar a decisão, o BC avaliou novamente que “cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis, têm sido úteis na perseguição de seu objetivo precípuo de manter a trajetória da inflação em direção às metas”.

O BC também repetiu que a evolução do cenário básico e do balanço de riscos prescreve manutenção da taxa Selic no nível vigente. O colegiado voltou a avaliar ser importante observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo, livre dos efeitos remanescentes dos diversos choques a que foi submetida no ano passado.

Diferentemente das comunicações anteriores, o BC desta vez destacou que essa observação da atividade também deve ocorrer com a “redução do grau de incerteza a que a economia brasileira continua exposta”. “O Copom considera que esta avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo”, completou o documento.

Mais uma vez, o Copom afirmou que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação.

No documento, o BC também atualizou suas projeções para a inflação. No cenário de mercado – que utiliza expectativas para câmbio e juros do mercado financeiro, compiladas no relatório Focus -, o BC alterou sua projeção para o IPCA em 2019 de 3,9% para 4,1%. No caso de 2020, a expectativa continuou em 3,8%.

No cenário de referência, em que o BC utilizou nos cálculos uma Selic fixa a 6,50% e um dólar a R$ 3,95, a projeção para o IPCA em 2019 passou de 4,1% para 4,3%. No caso de 2020, o índice projetado seguiu em 4,0%. As projeções anteriores constaram na ata do encontro de março do Copom.

Villas Bôas volta a criticar Olavo e diz que escritor é pivô de todas as crises

Ex-comandante do Exército e atual assessor do Palácio do Planalto, o general Eduardo Villas Bôas voltou a criticar Olavo de Carvalho, ideólogo do governo Jair Bolsonaro (PSL). Segundo o militar, o escritor participou de “praticamente todas as crises” da atual gestão.

“Praticamente todas as crises que nós vivemos desde que o presidente Bolsonaro assumiu têm a participação direta ou indireta do Olavo de Carvalho, que não contribui”, disse o militar a jornalistas, depois de acompanhar a fala do ministro Sergio Moro (Justiça) em uma comissão da Câmara.

“Temos tantas questões importantes, e a gente fica dispersando energia com questões que absolutamente não contribuem para a solução dos problemas”, completou o general nesta quarta (8).

Villas Bôas deixou o comando do Exército no início deste ano e passou a ocupar posto de assessor especial no GSI (Gabinete de Segurança Institucional).

As críticas de Olavo de Carvalho se repetem há semanas contra generais da reserva que integram o governo, com foco no vice-presidente, Hamilton Mourão, e no ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo).

Além disso, o escritor foi acompanhado nos ataques pelo filho de Bolsonaro responsável por suas redes sociais, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC). Não houve um enquadramento incisivo deles pelo presidente.

Questionado nesta quarta-feira se a crise entre militares e a ala olavista seria permanente em seu governo, o presidente disse: “Não tem uma pergunta mais inteligente para fazer, não?” Bolsonaro também se negou a comentar a criação de dois novos ministérios.

Expectativa de acordo entre EUA e China elevam

Após dois dias de quedas expressivas, as principais Bolsas globais recuperam o viés positivo com expectativa de um acordo entre EUA e China até o fim desta semana. Segundo o governo americano anunciou nesta quarta-feira (8), a delegação chinesa quer um acordo.

A notícia fez com que as Bolsas americanas recuperassem parte das perdas da véspera —na terça (7), índices tiveram maior recuo percentual desde janeiro. O mercado doméstico acompanhou a tendência, sustentado pela alta das ações da Petrobras e percepção positiva da participação de Paulo Guedes na comissão especial da Câmara que analisa a reforma da Previdência.

O vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, viajará a Washington na quinta-feira para dois dias de negociações comerciais. As tarifas dos EUA sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses subirão para 25% nesta sexta-feira, de acordo com publicação no Federal Register, diário oficial dos Estados Unidos.

“Temos uma indicação de que eles [chineses] querem fazer um acordo. Nossas equipes estão em negociações contínuas. Elas vão se sentar para conversar amanhã. Vamos ver o que acontece a partir daí”, declarou a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, a repórteres nesta quarta.

O mercado espera que o aumento seja apenas momentâneo, para acelerar a conclusão de negociações.

Os principais índices globais retomaram o viés positivo e recuperaram parte das perdas dos últimos dois pregões. As Bolsas americanas permaneceram estáveis. Os índices Dow Jones e S&P 500 se mantiveram ‘zerados’. Nasdaq recuou 0,26%.

No Brasil, o Ibovespa, principal índice acionário do país, subiu 1,28%, a 95.596 pontos. O giro financeiro foi de R$ 15,4 bilhões, próximo à média diária para o ano.

O dólar acompanhou o viés positivo do dia e recuou 0,88%, a R$ 3,9350. A moeda americana chegou aos R$ 4 no pregão da véspera, sob tensão da guerra comercial entre EUA e China.

Após anúncio do Irã, Trump anuncia sanções a setor minerador e do aço iranianos

Após Teerã anunciar que reduzirá seus compromissos no acordo nuclear de 2015 e dar 60 dias para que signatários cumpram suas exigências, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na quarta-feira (8), a imposição de sanções contra o setor minerador e de aço iraniano.

“Hoje vou assinar uma ordem executiva para impor sanções contra o ferro, o aço, o alumínio e o cobre do Irã, que são as maiores fontes de receita do regime, fora o petróleo”, anunciou o mandatário em comunicado divulgado pela Casa Branca.

Um pouco antes, o emissário americano para o Irã, Brian Hook, havia dito que os nunca cederão à “chantagem nuclear do regime iraniano”.

Segundo o emissário, a decisão do regime iraniano de expandir seu programa nuclear mostra o desafio que ele continua a representar para a paz e a segurança do mundo.

“Isso (restringir o acordo) é contrário aos padrões internacionais e é outra tentativa de chantagem nuclear por parte do regime”, disse Hook. A decisão iraniana ocorreu apenas um ano depois que o governo de  Donald Trump decidiu retirar os EUA desse acordo internacional.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários