Agora você confere as principais notícias de 08/06/19 sábado.

Bolsonaro e Guedes discutem criação de moeda comum com a Argentina

Em encontro com empresários no fim da tarde de quinta-feira (6), em Buenos Aires, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes falaram sobre um plano ainda incipiente de criar uma moeda única para Brasil e Argentina.

O tema já teria sido discutido com o ministro da Economia de Mauricio Macri e idealizador do plano, Nicolás Dujovne.

Desde a criação do Mercosul, os países do bloco mencionam a possibilidade da criação de uma moeda comum, mas nenhuma iniciativa nesse sentido foi concretizada devido às diferenças de políticas cambiais dos membros.​

Neste momento, porém, os únicos que estariam negociando a nova moeda seriam Brasil e Argentina, deixando de fora, por enquanto, os outros membros do Mercosul (Uruguai e Paraguai).

Dujovne teria exposto aos brasileiros a necessidade de uma “unidade monetária” para de fato relançar o bloco com uma nova dinâmica, como Bolsonaro e Macri afirmaram desejar durante a visita do brasileiro à Argentina.

Rodrigo Maia critica ideia de moeda única entre Brasil e Argentina

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), criticou a ideia apresentada na Argentina pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a empresários argentinos e brasileiros, de criar uma moeda comum entre os dois países que se chamaria “peso real”.

No Twitter, Maia questionou a ideia: “Será? Dólar valendo R$ 6,00? Inflação voltando? Espero que não”, disse o deputado. Entre as interações com o post, a maioria dos internautas criticou o posicionamento de Maia por duas vias.

Há quem acuse de “fake news” a informação, embora o próprio presidente Jair Bolsonaro tenha falado sobre o “sonho de uma moeda única, como aconteceu com o euro lá atrás e pode acontecer aqui com o peso real”; e há quem apoie a ideia, acreditando que isso impulsionaria a economia dos dois países.

Maia tem utilizado a rede social para tecer críticas ao governo e enviar recados. Na noite de quinta, o presidente da Câmara retuitou um post da jornalista Andréia Sadi no qual ela afirmava que o projeto de lei que prevê acabar com a multa para crianças fora da cadeirinha em automóveis não deve ser aprovado.

Segundo fontes do governo argentino, o Brasil teria acolhido bem a ideia, mas manifestado que, antes, seria necessário avançar com relação à reforma da Previdência.

Bolsa beira os 98 mil pontos com expectativa de corte de juros

As principais Bolsas globais tiveram semana de fortes altas com a expectativa de corte de juros. No Brasil, a fraca inflação de maio, menor patamar para o mês desde 2006, sustenta a aposta de investidores de cortes na taxa Selic.

A expectativa e a decisão favorável do STF a venda de subsidiárias de estatais sem necessidade de aval do Congresso ou de licitação levaram a Bolsa a beirar os 98 mil pontos, com alta de 0,63% nesta sexta-feira (7). O dólar cedeu 0,12%, a R$ 3,877.

A criação de emprego abaixo do esperado e ganho salarial estável nos Estados Unidos indicam que o Fed (banco central americano) também pode ter que cortar a taxa de juros neste ano para manter a inflação dentro da meta e incentivar a economia.

México enviará 6 mil homens à fronteira para conter imigrantes

O México informou aos Estados Unidos que enviará 6 mil homens da Guarda Nacional à fronteira com a Guatemala, por onde nos últimos meses entraram milhares de imigrantes em direção ao território americano, informou o chanceler Marcelo Ebrard.

Com a medida, o governo mexicano espera conter o fluxo de migrantes que saem da América Central rumo aos Estados Unidos. Por causa do aumento na imigração ilegal e pedidos de asilo, o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a taxação gradual de produtos mexicanos importados.

“Explicamos que são 6 mil homens e vão ficar estacionados lá”, disse Ebrard a jornalistas em Washington, ao final do segundo dia de negociações visando evitar a imposição de tarifas americanas sobre produtos mexicanos, a partir da próxima segunda-feira.

Ebrard está em Washington para uma série de negociações com integrantes da Casa Branca para tentar reverter a aplicação de tarifas a produtos mexicanos. Trump disse estar disposto a cancelar a aplicação das tarifas caso o México interrompa ou diminua consideravelmente o fluxo migratório rumo aos EUA.

Na quarta-feira, o presidente norte-americano afirmou que o primeiro dia de reuniões trouxe avanços, mas que não foram “nem perto do suficiente” para resolver o problema migratório. O presidente Donald Trump ameaçou na semana passada aplicar tarifas sobre as importações mexicanas a partir de 10 de junho, começando por 5% e aumentando mensalmente até 25% caso o México não detenha o fluxo de imigrantes em direção aos EUA.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários