Agora você confere as principais notícias de 23/11/2018, sexta-feira.

Após bancada evangélica vetar educador, Bolsonaro anuncia colombiano para Educação

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou na noite de quinta-feira pelas redes sociais que o professor colombiano Ricardo Vélez Rodríguez será o futuro ministro da Educação.

“Gostaria de comunicar a todos a indicação de Ricardo Vélez Rodríguez, filósofo autor de mais de 30 obras, atualmente Professor Emérito da Escola de Comando e estado Maior do Exército, para o cargo de Ministro da Educação”, escreve Bolsonaro no Twitter.

O nome do professor tem apoio da bancada evangélica, que na véspera vetou o educador Mozart Neves, presidente do Instituto Ayrton Senna, para o cargo.

À tarde, Bolsonaro se reuniu por três horas na Granja do Torto, em Brasília, com o procurador regional do Distrito Federal, Guilherme Schelb, que também era cotado para o cargo. Ao deixar o local, Schelb também admitiu ter apoio “muito significativo” da bancada evangélica e reafirmou ser a favor do movimento Escola Sem Partido. Depois que saiu o anúncio de Vélez Rodríguez, Schelb parabenizou o presidente pela indicação.

O professor é um desconhecido na comunidade educacional. Ele mantém um blog , em que faz referência a Dom Quixote, que minutos depois do twitter de Bolsonaro já mencionava que havia aceito o cargo. No seu texto ele diz que será o ministro da educação para “tornar realidade, no terreno do MEC, a proposta de governo externada pelo candidato Jair Bolsonaro, de “Mais Brasil e Menos Brasília”. Diz ainda que Bolsonaro venceu porque representou a insatisfação de todos os brasileiros contra governos petistas. No blog, Velez também deixa claro que foi indicado ao presidente eleito por Olavo de Carvalho.

Ele também critica outros nomes que foram pensados para o MEC, como a da presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Maria Inês Fini. Para o futuro ministro, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), prova que ela é responsável atualmente,  é um “instrumento de ideologização”.

Sobre educação, Vélez escreve de maneira complicada, mas deixa clara sua afinidade com projetos como Escola sem Partido. Diz em seu blog que os brasileiros estão “reféns de um sistema de ensino alheio às suas vidas e afinado com a tentativa de impor, à sociedade, uma doutrinação de índole cientificista e enquistada na ideologia marxista, travestida de “revolução cultural gramsciana“, com toda a coorte de invenções deletérias em matéria pedagógica como a educação de gênero. Para ele, essa educação atual estaria “destinada a desmontar os valores tradicionais da nossa sociedade, no que tange à preservação da vida, da família, da religião, da cidadania, em soma, do patriotismo.”

O professor também tem um livro em que critica o PT, de 2015, chamado “A Grande Mentira. Lula e o Patrimonialismo Petista”.

Bolsonaro terá que negociar com partidos, dizem líderes das frentes parlamentares

Líderes das bancadas evangélica, ruralista e da bala afirmam que Jair Bolsonaro (PSL) terá que recuar e negociar com os partidos para aprovar medidas importantes na largada de seu governo.

Fiel ao discurso de campanha de que iria acabar com o tradicional toma-lá-dá-cá, o presidente eleito tem até agora escolhido seus ministros em articulação com as frentes parlamentares conservadoras, excluindo negociações com partidos.

A intenção é construir maioria no Congresso tendo como base os integrantes dessas bancadas. Os próprios líderes dessas frentes, porém, disseram à Folha que essa estratégia é equivocada e terá que ser revista.

“Bolsonaro conhece o Parlamento mais do qualquer um de nós. Está aqui há quase 30 anos. Deve ter um plano B, que a gente não sabe ainda. Ele não arriscaria jogar o governo dele no lixo. Ele sabe que em toda a democracia do mundo se você não conversar com partido você não consegue votar”, diz o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP), um dos líderes da ala evangélica da Câmara.

Em atendimento ao grupo ruralista, Bolsonaro indicou para o Ministério da Agricultura a deputada Tereza Cristina (DEM), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária. Logo em seguida, o presidente nacional do DEM, ACM Neto, fez questão de declarar que a indicação não era do partido, mas do novo governo.

Planejamento diminui projeção para o PIB em 2018 para alta de 1,4%

A equipe econômica revisou a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, de 1,60% para 1,40%, de acordo com relatório divulgado na tarde desta quinta-feira, 22, pelo Ministério do Planejamento.

No último Boletim Focus, elaborado pelo Banco Central, a projeção de mercado apontava para um crescimento de 1,36% neste ano.

Já a projeção do governo para a inflação medida pelo IPCA em 2018 passou de 4,1% para 4,3%. Na última pesquisa Focus, as estimativas dos analistas era de um IPCA de 4,13% neste ano.

O Ministério do Planejamento também revisou a projeção para o IGP-DI de 2018, de 8,3% para 9,6%. A estimativa da pasta para a Selic média em 2018 passou de 6,46% para 6,44% ao ano.

A projeção do governo para o câmbio médio em 2018 passou de R$ 3,65 para R$ 3,64. E a estimativa de alta da massa salarial nominal passou de 3,1% para 3,0% este ano.

O líder da bancada da bala, Alberto Fraga (DEM), disse já ter conversado com o presidente eleito sobre a necessidade dele abrir diálogo também com as lideranças partidárias. Ele ressalta que apesar das frentes parlamentares serem importantes, elas não têm domínio sobre os votos de seus integrantes em pautas que não tenham relação com o tema do grupo.

“Isso está causando uma certa ciumeira dentro do Congresso Nacional”, reconheceu. “Eu respeito a decisão do presidente, mas comentei que ele deveria conversar com os partidos, o que não significa que ele terá de ceder ao chamado toma-lá-da-cá”, disse.

Dólar fecha acima de R$ 3,80 e Bolsa avança em dia de feriado nos EUA

A Bolsa brasileira fechou em leve alta nesta quinta, em pregão de volume reduzido de negócios com o feriado nos Estados Unidos. O dólar avançou e fechou acima de R$ 3,80.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, ganhou 0,23%, a 87.477 pontos. O volume financeiro foi de R$ 6,9 bilhões, abaixo da média com o feriado do dia de Ação de Graças nos Estados Unidos. Sem referência das Bolsas americanas, os negócios no país tendem a se reduzir.

Nos dois pregões anteriores, o Ibovespa acumulou queda de 1,4 por cento, sendo pressionado principalmente pela queda das bolsas de Nova York, afetadas pelo declínio de papéis do setor de tecnologia e apreensões sobre o crescimento global.

O pregão foi marcado pela alta de mais de 6% nos preços das ações da BRF. Os papéis da companhia engataram o segundo pregão seguido de recuperação e voltaram a ficar com desempenho positivo no mês. No ano, porém, as ações ainda acumulam declínio de quase 40%.

O dólar engatou o terceiro pregão seguido de alta e terminou o dia a R$ 3,8070. O volume fraco por conta da ausência de negócios Wall Street foi um importante catalisador para a alta do real, já que poucos negócios têm capacidade de definir a tendência da moeda.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários