Agora você confere as principais notícias de 12/10/2018, sexta-feira.

Bolsonaro anuncia nomes de três ministros em eventual governo

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, anunciou quinta-feira, (11), o nome de três ministros em um eventual governo. Ao lado de apoiadores, o presidenciável confirmou os nomes de Onyx Lorenzoni, do DEM,  para Casa Civil, do general Augusto Heleno para a Defesa e o do economista Paulo Guedes para a Economia.

“Ainda não temos nome para outros ministérios, até porque temos de esperar com prudência o dia 28 de outubro, onde podemos ter a certeza de anunciar nomes”, afirmou Bolsonaro – o candidato do PSL aparece com 58% dos votos válidos na primeira pesquisa divulgada no segundo turno.

O candidato a vice-presidente de Bolsonaro, general Hamilton Mourão, não compareceu ao evento organizado pela campanha no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Em nota, Mourão disse que não foi ao evento porque tinha uma reunião “com companheiros” de sua turma da Academia Militar das Agulhas Negras, que aconteceu também no Rio.

Todos os líderes da campanha de Bolsonaro, apoiadores e cerca de 150 parlamentares eleitos pelo PSL estavam no evento. Outra ausência sentida foi a do economista Paulo Guedes. O evento era só para parlamentares eleitos.

Leia também: As 4 primeiras medidas de Bolsonaro se for eleito

Bolsonaro diz a aliados que a mídia é adversária

O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou há correligionários eleitos no domingo para o Congresso que a mídia é uma adversária de sua campanha.

“Tomem muito cuidado com a mídia. [Ela] quer ganhar uma escorregada para me atacar. Recomendo nem falar [com jornalistas], que parte da mídia quer nos desgastar”, afirmou.

Ele falou a um grupo de parlamentares eleitos. “Nós conseguimos enfrentar fake news de toda ordem. O atentado [que sofreu no dia 6] é porque nós somos um perigo não para a democracia, mas um perigo para os que teimam em não ser brasileiros”, disse.

Tucanos que apoiam Haddad pedem ‘profunda autocrítica’ à candidatura do PT

A corrente do PSDB que declarou apoio ao candidato Fernando Haddad (PT) no segundo turno da campanha presidencial emitiu uma nota para oficializar o posicionamento e cobrar uma “profunda autocrítica” da campanha petista nas eleições 2018. No documento, o movimento Esquerda Pra Valer reforça que o apoio é destinado ao candidato, e não ao PT, respeitando a posição de neutralidade decidida pela cúpula do PSDB.

“Avaliamos que um eventual retorno do PT ao governo federal só poderá garantir o respeito aos princípios democráticos se a candidatura de Fernando Haddad promover uma profunda autocrítica sobre a convivência republicana com as oposições e a forma de construção da governabilidade, com o respeito aos valores éticos que devem nortear a administração pública”, diz a nota, assinada pelo coordenador nacional da corrente, Fernando Guimarães, e pelo secretário-geral do EPV, Douglas Gomes.

O movimento avalia que a presença de uma “candidatura protofascista” representa a ascensão de um projeto autoritário no País, em referência ao candidato Jair Bolsonaro (PSL). Ao defender o apoio, a corrente tucana lembra que o partido já se juntou a adversários em eleições anteriores, como quando apoiou Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno de 1989 contra a eleição de Fernando Collor de Mello.

O documento ressalta que o apoio não representa a opinião de nenhum parlamentar ou liderança tucana ligada à corrente.

Com exterior ruim e véspera de feriado no país, Bolsa cai e dólar sobe

O mercado financeiro termina a semana curta com desempenho mais modesto que os números eufóricos da segunda-feira, marcada pela confirmação da vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa de segundo turno contra Fernando Haddad (PT) na corrida eleitoral.

Além da véspera de feriado, que tende a deixar investidores mais cautelosos, a tormenta nas Bolsas americanas também pesou sobre o mercado local.

A Bolsa brasileira fechou a quinta-feira (11) em queda de 0,90%, a 82.921 pontos, bem distante da máxima de 86 mil pontos. No acumulado da semana, a alta é de 0,73%. O giro financeiro ficou ao redor de R$ 14 bilhões, acima da média do ano.

O dólar avançou 0,39%, a R$ 3,7790. Na semana, a moeda americana ainda têm queda de 2%.

No mercado doméstico, investidores confirmaram suas expectativas de vantagem de Bolsonaro contra Haddad no segundo turno, de acordo com dados divulgados pelo Datafolha na véspera. O militar tem 58% dos votos, contra 42% para Haddad. Na segunda, será divulgada pesquisa Ibope sobre o segundo turno.

A notícia considerada positiva pelo mercado não foi incorporada aos preços, em um dia em que investidores preferiram embolsar lucros, como precaução para a véspera de feriado.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários