Agora você confere as principais notícias de 08/12/2018, sábado.

‘Novo PSDB’ vai apoiar iniciativas de Bolsonaro, diz Doria

O governador eleito pelo estado de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que “o novo PSDB” deverá apoiar as propostas apresentadas por Jair Bolsonaro (PSL).

“Meu partido tem essa orientação, que não é minha, é orientação das pessoas de bem, sensatas do nosso partido. O novo PSDB prega que o quanto melhor, melhor. Fora do muro, fora da resistência, e a favor da confiança”, disse ele, em evento do grupo Lide, em São Paulo, sexta-feira (7).

Em seu discurso, que antecedeu uma fala do futuro chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni, Doria afirmou ainda que o PSDB não fará “alinhamento com o governo Bolsonaro”, mas que “vai apoiar todas as iniciativas que esse governo terá”.

“Vamos apoiar todas essas iniciativas. Onde tiver falha, iniciativas que não representarem um interesse dos brasileiros, nós, antes de conflitarmos, vamos dialogar. Apenas se houver um posicionamento ainda errático, nossa posição será de alerta, mas sempre com uma posição construtiva”, disse.

Ele ainda afirmou que os tucanos apoiarão integralmente a reforma da Previdência, “logo no início da gestão Bolsonaro” e desestatizações.

Onyx pede trégua à imprensa, mas abandona coletiva após perguntas sobre caixa 2 e Coaf

Alvo de uma investigação de caixa dois pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, pediu trégua à imprensa, se irritou com perguntas dos jornalistas e abandonou uma entrevista coletiva após participar de um almoço com empresários do Lide (Grupo de Líderes Empresariais) na sexta-feira  (7), na capital paulista.

O coordenador da transição irritou-se com uma pergunta sobre o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que mostra movimentações financeiras suspeitas de um ex-motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente eleito. Mais cedo na sexta-feira, o futuro ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro evitou comentar o relatório da Coaf, que ficará subordinado à sua Pasta.

A “trégua” de Onyx foi pedida no fim do discurso. “Quero pedir para a imprensa que nos acompanha, por favor, uma trégua, em nome do Brasil”, disse Onyx. Os empresários aplaudiram a fala.  Na entrevista coletiva após o almoço, o futuro chefe da Casa Civil foi questionado por jornalistas sobre qual como seria a trégua.

“Algumas áreas da imprensa brasileira abriram francamente um terceiro turno. Temos nossas limitações, nossas dificuldades. Vamos fazer um grande pacto. Não ganhamos carta em branco. Sabemos que temos oposição. Temos tido todo respeito do ponto de vista do futuro do nosso país. A partir do dia 1° de janeiro, quando o governo assumir e tiver diretriz, aí sim, se estiver errado, critica”.

Preços recuam 0,21 % em novembro, menor inflação para o mês desde o Plano Real

Como já era esperado pela maior parte dos analistas, a inflação em novembro foi negativa. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu 0,21%, informou na manhã de sexta-feira (7), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a menor taxa para o mês desde a criação do Plano Real. Em outubro, o índice havia marcado alta de 0,45%.

A mudança da bandeira tarifária de energia elétrica contribuiu para o movimento, dizem analistas, já que passou de bandeira vermelha dois, com custo mais elevado, para bandeira amarela em novembro. A agência do setor já determinou que não haverá tarifa extra em dezembro.

Em nota, o analista do IBGE Pedro Costa explica que a energia elétrica foi responsável por diminuição de 0,16 ponto porcentual no IPCA. Ele aponta que os combustíveis também causaram a queda, derrubando os preços de transportes. “A queda nos combustíveis foi causada, principalmente, pela gasolina, que caiu 3,07%. Foi o segundo maior impacto negativo individual, que foi 0,15 ponto percentual”, afirma.

O arrefecimento dos preços que resultou na segunda deflação de 2018 foi ainda mais forte do que as estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam inflação negativa de 0,10%. A outra deflação marcada neste ano foi em agosto, quando o índice caiu 0,09%.

Em 12 meses, a inflação até novembro acumulou alta de 4,05 %. No ano, o índice aponta alta de 3,59%. A expectativa do mercado financeiro, segundo o último relatório Focus, aponta para o IPCA uma elevação de 3,89% ao fim de 2018.

Opep fecha acordo para reduzir produção de petróleo em 1,2 milhão de barris ao dia

A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e seus aliados produtores de petróleo chegaram a acordo para reduzir a produção em 1,2 milhão de barris ao dia, desafiando os apelos de Donald Trump para que mantivessem a produção elevada e causando alta de 5% nos preços do petróleo cru.

O acordo foi fechado no secretariado da Opep em Viena, na sexta-feira (7), depois de dois dias de negociações conflituosas. A Arábia Saudita, maior produtora de petróleo da Opep e para todos os efeitos líder da organização, pressionou o maior número possível de integrantes para que aderissem ao corte.

A pressão saudita aconteceu a despeito das exortações do presidente dos Estados Unidos a Riad pela manutenção dos preços baixos, que Trump comparou a um “grande corte de impostos” para o planeta, e reflete a necessidade de receitas petroleiras mais altas, se os sauditas desejam cumprir seus ambiciosos planos de investimento.

O petróleo cru padrão Brent, referência do mercado internacional, subiu em até 5%, para mais de US$ 63 (R$ 245) por barril, enquanto a referência do mercado dos Estados Unidos, o West Texas Intermediate, avançou em 4,3%, para US$ 54 (R$ 210) por barril;

Khalid al-Falih, o ministro da energia saudita, insistiu em que a redução, decidida depois de 48 horas de negociações nas quais em diversos momentos delegados alertaram que um acordo talvez não fosse possível, ajudaria os Estados Unidos, apesar das objeções de Trump.

“O maior produtor de petróleo e gás natural é os Estados Unidos”, disse Falih. “Os produtores [americanos de petróleo de xisto betuminoso] devem estar suspirando de alívio”.

Delegados à reunião da Opep disseram que o objetivo do acordo era atenuar a preocupação quanto ao excedente de produção que parece estar emergindo, e que levou os preços a uma queda de 30% nos dois últimos meses.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários