Agora você confere as principais notícias de 23/08/2018, quinta-feira.

Eu resolvo quando for presidente, diz Bolsonaro sobre morte de militar no Rio

O deputado federal e capitão reformado Jair Bolsonaro (PSL) foi ao velório do cabo do Exército Fabiano de Oliveira Santos, (36), o primeiro militar morto em confronto sob a intervenção federal no Rio de Janeiro.

Questionado sobre o que a intervenção poderia fazer para evitar esse tipo de morte, o candidato se limitou a dizer, com os olhos marejados: “Eu resolvo quando eu for presidente”.

Fabiano foi baleado no ombro na manhã desta segunda (20) durante uma operação das forças de segurança nos complexos de favelas do Alemão, da Penha e da Maré, na zona norte do Rio, em uma área conhecida como Serra da Misericórdia.

O Comando Militar do Leste (CML) disse que ele morreu a caminho do hospital, mas não esclareceu a dinâmica do conflito.

Após acompanhar o sepultamento do cabo, em Japeri (Baixada Fluminense), que contou com a presença de muitos militares e foi fechado à imprensa, Bolsonaro afirmou que não daria mais declarações sobre a morte e a intervenção federal em respeito à família e seguiu direto ao Itaú em Botafogo, na zona sul, onde abrirá a conta de seu partido.

Ele não ficou para o enterro do segundo militar morto na mesma operação da zona norte, João Viktor da Silva (21). O integrante do 25º Batalhão de Infantaria Paraquedista foi atingido na cabeça e chegou a ser levado ao Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu.

País cria 47,3 mil empregos formais no melhor julho em seis anos

O Brasil encerrou o mês de julho com a abertura de 47.319 vagas de emprego com carteira assinada, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Os números ainda não foram divulgados pelo Ministério do Trabalho, mas já constam do banco de dados do Caged. Esse foi o melhor resultado para o mês de julho desde 2012, quando foram abertas 142 mil vagas.

Com a criação de vagas no mês passado, o mercado de trabalho volta a registrar saldo positivo após o fechamento de 661 empregos formais no mês de junho. No acumulado dos sete primeiros meses do ano de 2018, o cadastro de emprego registra a abertura de 448.263 vagas com carteira assinada. Em 12 meses até julho, foram criados 286.121 empregos formais.

O resultado mensal positivo foi puxado pelo agronegócio, que registrou a abertura de 17.455 empregos com carteira assinada no mês. Em seguida, aparecem os serviços, que geraram saldo líquido de 14.548 postos de trabalho, e a construção civil, que ganhou 10.063 empregos.

Entre os demais segmentos da economia, a indústria de transformação gerou 4.993 vagas, os serviços de utilidade pública ganharam 1.335 empregos e o segmento de extração mineral, 702 postos.

Preocupações eleitorais continuam e dólar fecha cotado a R$ 4,06

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira, 22, pela sexta vez consecutiva, cotado a R$ 4,0614, em alta de 0,49%, após recentes pesquisas de intenção de votos para a eleição presidencial mostrarem cenário difícil ao candidato que mais agrada ao mercado, Geraldo Alckmin (PSDB), e a possibilidade de segundo turno com a participação do PT.

A moeda norte-americana, entretanto, encerrou longe da máxima do dia, num movimento de correção alimentado também pelo banco central dos Estados Unidos, que reforçou a indicação que continuará subindo os juros apenas de forma gradual, movimento que influencia o fluxo de capital global.

No início da tarde, a moeda chegou a ser cotada a R$ 4,0912, após de ter fechado na véspera no patamar de R$ 4 pela primeira vez desde fevereiro de 2016, na quinta sessão consecutiva de alta.

Ex-advogado de Trump diz ter informações sobre conspiração russa

Michael Cohen, ex-advogado de Donald Trump, tem informações de interesse sobre a suposta interferência russa nas eleições de 2016, afirmou nesta quarta-feira (22) seu advogado, Lanny Davis.

Cohen tem “informação sobre tanto o conhecimento de uma conspiração para corromper a democracia americana pelos russos quanto sobre a falha em denunciar esse conhecimento ao FBI”, afirmou Davis ao canal MSNBC.

À CNN Davis disse que “Cohen tem informações que poderiam ser de interesse do procurador especial [Robert Mueller] sobre se Trump soube de antemão sobre a violação de emails”.

Um júri americano indiciou 12 agentes de inteligência russos pela violação das redes de computadores da então candidata Hillary Clinton e do Partido Democrata.

O ex-advogado “ficará mais do que feliz em contar para o procurador especial tudo o que sabe”, acrescentou Davis.

Em sua primeira reação após Cohen se declarar culpado, na terça (21) de oito acusações criminais, entre elas o pagamento à ex-atriz pornô Stormy Daniels e a uma ex-modelo da Playboy “a mando” de Trump com objetivo de “influenciar as eleições”, Trump escreveu nas redes sociais: “Se você quiser um bom advogado, sugiro que você não contrate Michael Cohen”.

No mesmo dia, Paul Manafort, ex-diretor de campanha do republicano, foi condenado por oito acusações de fraude na Virgínia.

Trump afirmou ainda que Cohen está “inventando histórias” para “obter um acordo”.

Cohen foi advogado e uma espécie de faz-tudo de Trump por 12 anos.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários