Agora você confere as principais notícias de 02/04/2018, segunda-feira.

Facebook retira do ar páginas de apoiadores de Bolsonaro

Pelo menos duas páginas no Facebook de apoiadores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) saíram do ar esta semana.

Uma delas, a “Jair Bolsonaro presidente 2018”, tinha 845.610 seguidores. A outra, “Jair Bolsonaro presidente 2.0”, contava com 71.445.

Segundo o professor Pablo Ortellado, da USP, “as páginas eram usadas para disseminar o ecossistema de sites de notícias ultra-engajadas do Bolsonaro, como AconteceuAi, HojeNoticias e PlantaoNews”.

Procurado, o Facebook não comentou o assunto. A assessoria de Bolsonaro também não se manifestou.

Alckmin tenta conciliar discurso para atrair tucanos e petistas

Presidenciável pelo PSDB, o governador Geraldo Alckmin vai entrar oficialmente em pré-campanha no dia 8 de abril com uma estratégia formatada para tentar recuperar terreno em redutos tucanos e ao mesmo tempo atrair o eleitorado historicamente petista, mas que deve ficar “órfão” do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, se ele ficar inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A fórmula, segundo auxiliares, aliados e conselheiros do tucano ouvidos pelo Estado, é manter a defesa do aperto fiscal na economia e reforçar o tom conservador na segurança pública, mas ao mesmo tempo adotar bandeiras identificadas com a esquerda no campo social.

Em vez de falar em estado mínimo, Alckmin vai voltar às raízes da social democracia tucana e defender o fortalecimento de uma “rede de proteção social”. Isso inclui um cardápio de propostas que vai de mudanças na remuneração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para garantir ganhos acima da inflação, reformulação e ampliação do seguro desemprego, abono salarial e defesa intransigente de um programa visto como vitrine petista: o Bolsa Família.

“O Bolsa Família é uma conquista do Brasil. Criado e aperfeiçoado por vários governos desde FHC (Fernando Henrique Cardoso). Porém, a rede de proteção social vai além. Uma das nossas preocupações centrais será com o FGTS”, disse ao Estado o jornalista Márcio Aith, estrategista de Alckmin e coordenador de comunicação do PSDB nacional.

Segundo ele, há um grande volume de recursos parados rendendo hoje abaixo da inflação. “Vamos dar ao fundo o mesmo status que o mercado dá aos investidores. É a correção de uma injustiça histórica. Para os trabalhadores, isso significará mais respeito e mais renda”.

China impõe tarifas de até 25% a 128 produtos americanos

A China vai impor novas tarifas a 128 produtos americanos, em retaliação aos impostos aprovados pelo presidente norte-americano Donald Trump sobre as importações de aço e alumínio.

As taxas devem afetar cerca de US$ 3 bilhões de produtos, que incluem frutas, carnes e alguns tipos de oleoginosas.

O ministério das Finanças chinês afirmou, em uma nota, que as novas tarifas começam a valer na segunda-feira (2).

O anúncio ocorre após seguidos avisos de oficias chineses nas últimas semanas, que já indicavam uma escalada na disputa comercial entre as duas economias.

A Comissão de Tarifas Aduaneiras da China vai impor uma tarifa de importação de 25% sobre produtos como carne suína. Foi anunciada também uma tarifa de 15% sobre 120 outras commodities, que vão de amêndoas a maçãs.

A Casa Branca ainda não comentou.

As tarifas respondem às taxas de 25% para importações de aço e 15% para as de alumínio impostas por Trump, em 23 de março. O presidente americano ainda anunciou planos de elevar as tarifas sobre cerca de US$ 50 bilhões em produtos chineses.

A resposta chinesa pode afetar produtores rurais norte-americanos, muitos dos quais são de regiões que votaram em Trump em 2016.

Os Estados Unidos exportaram cerca de US$ 20 bilhões à China em 2017.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários