Agora você confere as principais notícias de 28/03/2019, quinta-feira.

Para presidente da Câmara Bolsonaro brinca de presidir o país

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), afirmou na quarta-feira (27) que Jair Bolsonaro está “brincando de presidir o país” e que está “na hora de parar de brincadeira”.

“Abalados estão os brasileiros que estão esperando desde 1º de janeiro que o governo comece a funcionar. São 12 milhões de desempregados, 15 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza e o presidente brincando de presidir o Brasil”, afirmou.

Ele foi questionado sobre a fala de Bolsonaro de que estaria abalado por questões pessoais —uma referência à recente prisão de seu sogro, o ex-ministro Moreira Franco.

“Agora está na hora de a gente parar de brincadeira e está na hora de ele sentar na cadeira dele, de o Parlamento sentar aqui e a gente resolver em conjunto os problemas do Brasil”, disse.

As declarações são mais um capítulo da relação conturbada entre o Executivo e o Legislativo.

Nesta terça-feira (26), a Câmara impôs uma derrota ao governo ao aprovar uma proposta de emenda constitucional que engessa o Orçamento e diminui o poder do Executivo sobre os seus gastos.

Depois da aprovação, Maia tentou colocar panos quentes, afirmando que a mudança não era política. Após ser atacado em entrevista de Bolsonaro, porém, o tom mudou.

Bolsonaro diz que não existe brincadeira da parte dele

Alvo de ataques nos últimos dias por parte do presidente Jair Bolsonaro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), pediu o fim da ‘brincadeira’ e que o País passe a ser levado a sério. Bolsonaro concedeu uma entrevista à TV Band, divulgada hoje, na qual afirma que Maia está “abalado” por questões pessoais. “Abalados estão os brasileiros que esperam desde janeiro que o Brasil comece a funcionar”, disse Maia ao ser questionado sobre as declarações do presidente.

“São 12 milhões de desempregados, capacidade de investimento diminuindo”, citou. “Está na hora de pararmos com esse tipo de brincadeira. Está na hora dele (Bolsonaro) sentar na cadeira e o parlamento aqui, e, em conjunto, resolvermos os problemas do Brasil”, declarou.

Em resposta ao presidente da Câmara, o presidente Jair Bolsonaro classificou como irresponsável a declaração do parlamentar fluminense. “Se foi isso mesmo que ele falou, eu lamento. Não é uma palavra de uma pessoa que conduz uma Casa. Muita irresponsabilidade”, disse Bolsonaro a emissoras de televisão, após encontro com empresários e artistas na casa do fundador da Cyrela, Elie Horn.

Bolsonaro ainda afirmou que não existe brincadeira de sua parte. “Muito pelo contrário, eu lamento palavras nesse sentido. Até quero não acreditar que ele tenha falado isso”, declarou.

Desavenças entre governo e Congresso faz bolsa despencar

Depois de uma breve recuperação na véspera, a Bolsa brasileira despencou mais de 3% nesta quarta-feira (27), reflexo da crise política que coloca em xeque a aprovação da reforma da Previdência. O dólar avançou mais de 2% e fechou no maior patamar desde o começo de outubro, antes do primeiro turno.

Na noite de terça-feira (26), o governo de Jair Bolsonaro (PSL) sofreu uma nova derrota no Congresso, após a Câmara aprovar em dois turnos e por esmagadora maioria, o Orçamento impositivo.

O texto tira do Executivo autonomia para contingenciar gastos e coloca em dúvida o cumprimento do teto, aprovado na gestão MichelTemer.

Em e-mail a investidores, o banco digital Modalmais destaca que a medida fazia parte das pautas bombas preparadas por Eduardo Cunha, ainda no governo Dilma.

Nesta quarta-feira (27), o Ibovespa, o principal índice do mercado acionário brasileiro, cedeu 3,57%, a 91.903 pontos. O giro financeiro superou a média diária do ano, de R$ 16 bilhões, alcançando R$ 17,9 bilhões.

Theresa May aceita deixar o poder

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse a membros do seu partido que deixará o cargo quando o Brexit for concluído. Ela não estipulou uma data para a renúncia, mas isso deve ocorrer assim que o acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia for concluído no Parlamento.

“Ouvi com clareza a vontade do Partido Conservador”, disse May na reunião. “Sei que há o desejo por uma nova liderança na segunda fase do Brexit e não serei um obstáculo para isso.”

Segundo comunicado divulgado por seu gabinete a premiê disse estar preparada para deixar o cargo antes do previsto, após forte pressão do próprio partido diante de seu desgaste para negociar o Brexit no Parlamento. “Farei o que é correto para nosso país e nosso partido”, acrescentou  May.

Mais cedo, um deputado conservador que participou da reunião adiantou que a premiê tinha se comprometido a deixar o cargo em troca da aprovação do pacto do Brexit, que já foi derrotado duas vezes na Câmara dos Comuns. Ela deixará o cargo se o acordo for finalizado”, disse o deputado. “Isso sugere que renunciará após a aprovação do acordo.”

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários