Saudades de meu avô! O cara era uma fonte inesgotável de sabedoria e, claro, uma excelente companhia!

Desde pequeno, eu não entendia direito porque pessoas a nossa volta que “aparentemente” tinha grana viviam reclamando e, meu velho avô, vivia de forma tão espartana, se tinha condições para ter, digamos, mais conforto.

A resposta dele era sempre a mesma: “dinheiro não leva desaforo”. Assumo que no início eu não entendia isso direito. E, calabrês que era, sua paciência para explicar era mínima.

O mais perto que ele chegou de se fazer mais claro foi dizer que “se pagamos mais por alguma coisa que possua um similar mais barato, é burrice, pois vai faltar dinheiro para outras coisas”.

Na prática

Já tratei aqui do “consumo por status” e outras questões que levam ao “mau uso do dinheiro”. A questão central é que, as pessoas não entendem porque não “sobra dinheiro”, porém, não tratam o assunto com o devido respeito.

O que isso quer dizer? Simples: evitar desperdícios. Um exemplo clássico são as “assinaturas” de serviços como TV, Internet e celular. A maioria das pessoas “subutiliza” pelo menos um deles.

Ebook gratuito recomendadoTer uma Vida Rica Só Depende de Você

Se você tem um pacote de internet muito maior do que você consome, isso significa que está, literalmente, jogando dinheiro no lixo todos os meses. E o mesmo serve para o resto.

De pouco em pouco, seu orçamento fica comprometido, sem que você sequer perceba. Na caça às “grandes despesas” você não se dá conta de que a soma das pequenas torna-se um grande problema: R$ 10 aqui, cinquentinha ali e a coisa vai virando um monstro incontrolável.

Viver é importante, mas não a todo custo

Você que me acompanha sabe como prezo o dia de hoje, afinal, amanhã é só uma ideia. Mas muita gente, na ânsia de fazer o máximo hoje, acaba entrando em problemas financeiros sérios.

A velha ideia do “eu mereço” faz com que a vida ganhe contornos dramáticos e a ressaca após a festa fique insuportável.

Festejar é ótimo! Aproveitar a vida é fundamental. Mas não é melhor pequenas comemorações sempre que possível, do que uma festa de arromba que te leve a falência?

Leitura recomendada:  Quem tem apenas dinheiro e status, na verdade não tem nada 

É possível aproveitar a vida sem derreter todos seus cartões, zerar seus investimentos e se endividar para isso.

Não, amigo, você não precisa fazer enxoval em Miami, ter o carro da moda e nem morar em um imóvel bacanão só porque todos seus amigos fazem isso. Aliás, não se compare, você não conhece a realidade de cada pessoa, só o que elas mostram.

Conclusão

Viva dentro de sua realidade, sempre! Pouco importa o que o senso comum diga, a melhor coisa do mundo é dormir tranquilo e ter dinheiro para os “dias de frio”.

Vai parecer piegas, mas é uma verdade incontestável: “as melhores coisas da vida são grátis”. Por isso, não se engane com falsas promessas de uma sociedade viciada em imagem. Nada é melhor que curtir um bate papo com as pessoas que gostamos.

Dito isso, mais carinho com sua carteira, pois, se chutar o dinheiro, tenha certeza, ele não volta tão fácil. Um abraço e até a próxima!

Vídeo recomendadoMais importante que quanto você ganha, é como você gasta

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários