Dinheiro fácil: ingenuidade ou ganância humana?Outro dia recebi um e-mail muito oportuno do Rodrigo Silveira, colega de equipe no Dinheirama. Sendo o tema de interesse geral, “dinheiro fácil e ganância humana”, os nossos e-mails trocados viraram um artigo que será compartilhado com todos vocês. O desejo é que todos pensem no tema e fiquem atentos aos golpes aplicados diariamente por pessoas sem a menor educação financeira. Veja o que disse o Rodrigo e, em seguida, minha resposta:

“Um dia você está andando pela rua, quando alguém esbarra em você. O cidadão pede desculpas e começa a puxar conversa. Bom de papo, ele conta uma historia e diz que está com um problema. Ele tem um cheque e precisa trocá-lo, mas não tem conta corrente, o cheque está cruzado e, na verdade, ele nem precisa de todo aquele dinheiro[bb], apenas de parte. Se você for bondoso suficiente para ajudá-lo, pode ficar com o restante e compensar o cheque.

Conhece esta história? Conhece alguém que já passou por algo assim? Acredite, existem muitos golpes com esse mecanismo e tal episódio é mais comum do que imaginamos.

São os golpes! Este tipo de notícia parece não abandonar os programas jornalísticos e a maioria deles parece piada depois de relatado. Todos concordam que é difícil acreditar que, em plena era da informação, alguém possa ser vitima de golpes tão grosseiros. As variações são muitas: bilhetes premiados, empréstimos com depósito em conta, cheque cruzado, pirâmides, venda de produtos com alta margem de lucro, ouro velho e muitos outros.

A estrutura do golpe também é sempre a mesma: dinheiro fácil mediante uma quantia menor entregue ao golpista. Claro que, na realidade, não existe nenhum dinheiro no que ele oferece. A idéia não é descrever os golpes, mas sim discutir o que leva o ser humano a acreditar que será “premiado” com quantias elevadas de dinheiro simplesmente por “pura sorte” ou “bondade”. Somos assim ingênuos?

O dinheiro tem o poder de despertar sonhos instantâneos. Pois é, antes mesmo de o dinheiro estar na nossa conta corrente, já imaginamos a prestação quitada, o carro novo, o presente para a namorada[bb] – isso parece tampar os olhos para a realidade e os ouvidos para os conselhos. Sem perceber, passamos o poder para o outro lado, a lábia de golpista.

Aparece a importância do conhecimento financeiro. Todos sabemos o quanto é difícil obter uma boa rentabilidade sem um risco controlado; para refrescar a memória, temos a poupança para consolar com seu 0,5% garantido ao mês. Então, por que e como alguém oferece algo tão rentável, sem nenhum risco? Ainda mais pedindo apenas que você o ajude, em uma simples participação. Estranho, não?

Parece-me que a(s) oportunidade(s) deve(m) estar associada(s) a algo concreto, pensado e planejado com paciência e também avaliado sob o aspecto da sustentabilidade do negócio e no longo prazo. No mais, olho vivo! Bernadette, acho que uma discussão envolvendo ganância, bondade e oportunidades pode agregar muito valor ao nosso leitor. O que pensa sobre isso?” (Rodrigo)

Minha resposta
Rodrigo, a criação do dinheiro facilitou a vida dos indivíduos e a expansão comercial. Ele facilita as trocas de bens tangíveis e intangíveis promovendo a interação, sendo um elemento de vivência social. Mas ele também pode causar a anti-riqueza, tão bem relatada por você em seu texto.

Esses golpes são fruto do desequilíbrio dos indivíduos quando envolvidos pelo fascínio e poder, vício e ganância. Quem é seduzido pelos golpistas acaba sendo vítima não só do bandido[bb], mas de sua própria ilusão. É óbvio demais para ser verdade – dinheiro fácil –, mas a armadilha da satisfação imediata dos desejos arrasta as pessoas para essas ciladas. Como você colocou, o pensamento voa e consegue ver a alegria da namorada ao ganhar um presente ou o próprio alívio ao quitar aquela dívida antiga!

Outro perigo eminente são os falsos seqüestros. Alguém recebe uma ligação e do outro lado da linha uma voz apavorada pedindo socorro! O suposto seqüestrador pega o telefone e pede para pessoa arrumar uma quantia X de dinheiro em troca do ente querido. Está instalada a confusão…

Naquele momento, o primeiro impulso é sair correndo para o banco. Sim, porque esse golpe mexe em nosso psicológico e com sentimentos filiais que não têm preço. Os bandidos sabem dessa fragilidade. A orientação, segundo especialistas em segurança, é manter a calma, desligar o telefone e localizar a pessoa supostamente seqüestrada – e felizmente descobrir que tudo não passou de mais um golpe.

Na maioria dos casos de golpes aplicados, quanto mais o indivíduo tem acesso à educação, mais sua capacidade de crítica aumenta e sua consciência ingênua diminui, reduzindo o risco de cair na tentação desses golpes. Vale lembrar que dinheiro é sempre bem vindo, mas quando é fruto de trabalho, dedicação e merecimento. Desconfiar de quantias de dinheiro fácil é fundamental para proteger-se de golpes cada vez mais sofisticados aplicados no nosso cotidiano. Educação financeira é o começo de tudo!

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários