Olha o gerente ai!Alguns leitores andam sentindo falta da matemática e do “será que devo” de alguns artigos anteriores. Ouso defender-me: educação financeira é muito mais que saber fazer contas. O mais e menos se ensina em qualquer lugar (inclusive aqui). A calculadora faz sozinha a grande maioria das complexas contas de juros compostos. Para sua decepção, as maiores razões para a falta de dinheiro não estão na matemática. Ah você já sabia disso? Por que continua relutando em aceitar, publicamente, este fato?

Imagine assumir para todos que você ainda não sabe o que realmente gostaria de saber sobre inteligência financeira e investimentos? Sobre seu próprio dinheiro. É mais fácil idolatrar a idéia de que para ser feliz não é necessário ter dinheiro ou saber fazê-lo se multiplicar. Mas que ideal é esse que se mistura com o visível desespero quando o dinheiro é escasso ou curto demais para honrar seus compromissos? Ora, dinheiro não traz felicidade, mas a falta de dinheiro pode trazer infelicidade? Então a felicidade é o que você quiser. Logo, fica fácil justificar. Felicidade não dá margem para discussão, é unânime, é tudo!

Ah dona Felicidade. Quem sou eu para desafiá-la ou compará-la ao dinheiro? Ninguém, concordo. Mesmo assim, dê-me uma chance. Nenhuma decisão pode ser tomada pensando só em dinheiro. Está ai o erro e a confusão das pessoas quando a felicidade através do dinheiro é colocada na parede. Mas nenhuma decisão pode ser tomada sem levar em consideração as implicações financeiras de suas consequências. Opa, outro erro comum encontrado no cotidiano. Será que é tão difícil assumir que precisamos de dinheiro?

Não sabendo exatamente o que pode acontecer com seu bolso, você prefere abster-se dessa preocupação e faz sua escolha, seja ela qual for. Se ela der certo, a felicidade não terá nada a ver com dinheiro. Se ela der errado, uma das desculpas poderá ser a falta de dinheiro ou o dinheiro que você deveria ter antes de decidir agir. Isso acontece porque você ainda não tem um objetivo financeiro claro ou um propósito real para realmente preocupar-se com suas finanças. É hora de repensar seu amanhã.

Interessante como a maioria das pessoas costuma tratar dinheiro e felicidade como “8 ou 80”. É um ou o outro, é bom ou ruim, é demais ou de menos. Muitos me consideram materialista e moralista demais. Prego a necessidade do bom relacionamento com o dinheiro como prego o carinho entre duas pessoas que se amam. Declaro aqui meu amor ao dinheiro. Destes que me contestam, nenhum teve coragem de enfrentar este argumento. No fundo eles sabem que, como o amor, o dinheiro também é fruto de seu próprio esforço.

Então eu lhe pergunto: será que relacionar-se com o seu dinheiro não é muito mais fácil que relacionar-se com uma pessoa ou consigo mesmo? Sim? Então por que você não se mexe? Não? Então que tal aceitar o desafio e sair da sua zona de conforto?

É certo que o dinheiro nunca me trouxe felicidade. Não o fez porque não é este seu papel em minha vida. Minha felicidade é algo muito maior que meu saldo bancário. Ambos alimentam meus sonhos, cada um de sua forma e dentro de suas limitações. Dinheiro demais não resolve. Alegria demais também não. Só o equilíbrio foi capaz de desenhar meu verdadeiro caráter e meus valores. Entre felicidade e dinheiro, fico com os dois. Sempre.

Este artigo não vai terminar com o usual último parágrafo. Uma discussão como essa não pode se resumir a um emaranhado de palavras e opiniões, ainda mais em um espaço egoísta onde só eu escrevo. Não tenho formação, autoridade ou competência para investigar a psicologia que envolve seus sentimentos e seu dinheiro. Felizmente, você acredita naquilo que quiser.

A esta altura você já percebeu que sou meio atrevido. As vezes vou longe demais, quebro a cara. Faço dos meus sentimentos minha voz. Sou assim. Sou autêntico e gosto de dinheiro tanto quanto gosto de mim. Se permitir, levo essa mensagem até seu coração com um objetivo simples: acredite que o dinheiro pode colaborar com seus sonhos e passe a respeitá-lo com a mesma intensidade com que respeita a felicidade. Dinheiro é bom e todo mundo gosta. Ponto.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários