Dinheiro, planejamento financeiro e sentido, isso te interessa?Gostaria de começar este texto compartilhando uma frase que repito para mim, com certa frequência, como se fosse uma espécie de mantra: “As coisas possuem a importância que NÓS damos a elas”. Logo na primeira vez que a ouvi, da boca de um amigo há alguns anos, ela me tocou profundamente, preenchendo uma carrada de lacunas que naquele momento deixavam-me inquieto.

Sim, uma simples frase, porém, poderosíssima. A gama de interpretações e associações positivas que fui agregando a ela ao longo do tempo me ajudou a dar um rumo bastante salutar às minhas finanças pessoais – e agora compartilho algumas dessas reflexões com os leitores do Dinheirama.

O cérebro humano possui uma capacidade finita de processar informações. Tal fenômeno é possível de ser verificado quando percebemos nossa incapacidade de executar, com qualidade, diversas tarefas ao mesmo tempo.

Dessa limitação, surge a constatação de que cada ser humano foca suas atenções em um número limitado de fenômenos durante sua vida. Com o passar do tempo, além de diversos outros fatores, tal característica (de se ater a uma coisa e não a outra) acaba tendo grande parcela de responsabilidade por diferenciar a forma de viver de cada indivíduo.

Não entrarei aqui no mérito do que é ou deixa de ser importante para a vida de cada um. Porém, o que percebo é que o sucesso (ou fracasso) financeiro está fortemente correlacionado ao nível de atenção que se dá ao assunto dinheiro.

Para alguns, esse é um assunto pouco interessante, tendo como consequência que muitos problemas financeiros acabam por acontecer pela omissão – não se busca educação financeira.

Por outro lado, existem pessoas gananciosas que destroem relacionamentos e sua reputação em nome do dinheiro, momento em que essa excessiva importância dada ao assunto acaba por resultar em uma vida paupérrima de moral e convivência agradável com o próximo.

Outra interpretação da frase citada no início do texto e que gostaria de comentar possui relação com a aquisição de bens materiais. Não são raros os exemplos de pessoas que adquirem determinado bem, que está além de suas condições financeiras, simplesmente por uma questão de status.

A importância que se dá para “o que os outros vão achar” se sobrepõe à questão contábil de “gastar menos do que ganha”. O grande problema que noto é que as atenções estão focadas em algo que não é genuíno, ou seja, que não parte da vontade do próprio comprador do bem. Toda vez que verifico situação similar a essa, repito meu mantra.

Por fim, tenho notado que a forma como as pessoas alocam sua limitada capacidade de atenção para as questões que julgam ser importantes acabam tendo influência decisiva nas finanças pessoais. Acredito que uma boa administração do próprio dinheiro passa, inevitavelmente, pela questão sobre como você lida com a frase do início do texto.

Portanto, procure dar atenção às coisas que realmente valem a pena e que tenham condição de lhe fazer uma pessoa melhor. Talvez esse seja o melhor (único?) caminho. As finanças pessoais, por tabela, agradecem!

As 5 Etapas do Planejamento Financeiro
Acreditando que é possível transformar nossa vida financeira, criei o eBook “As 5 Etapas do Planejamento Financeiro”, onde ofereço a você, leitor, um “passo a passo” sobre como gerenciar de maneira adequada suas finanças pessoais. Nele, falo de cinco importantes etapas para a liberdade financeira: convencimento pessoal, conhecimento financeiro, definição de objetivos, mudança de hábitos e investimentos. Clique aqui para conhecer melhor esse trabalho.

Boa sorte em suas finanças e vida pessoal. Abraços e até a próxima.

Foto: sxc.hu.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários