Há uma frase recorrente em nossas vidas que é: “minha renda não dá”, “‘é impossível viver com o que ganho” e por aí vai. Eu mesmo já estive nesse time. Isso até perceber que, mais importante do que quanto ganho, é como gasto, como explorei neste vídeo com o amigo Giovanni Coutinho:

Clique aqui para ver o vídeo

Claro, a maioria de nós não tem a renda que gostaria. Mas há uma tendência crônica de se viver acima das possibilidades. E como isso? Sempre usando dos gatilhos mentais para burlar a lógica (lembra do “eu mereço?).

Um elefante dentro de um fusca

Querer encaixar algo enorme dentro de algo pequeno é fisicamente impossível. Um dos únicos lugares onde isso existe é nas finanças. Afinal, o dia que inventaram o “crédito”, isso passou a ser possível.

E assim, orçamentos inflados são “encaixados” em rendas que não correspondem a realidade. O resultado: um dia o “fusca vai explodir”. Isso quer dizer: dívidas impagáveis, nome “sujo” e todo o pacote conhecido de quem gasta mais do que pode.

Por isso, é fundamental conhecer profundamente sua renda e seus gastos, para viver dentro de suas possibilidades.

Ferramenta gratuita recomendadaDinheirama Organizze, o seu aplicativo de controle financeiro

Não minta para si mesmo

Se sua renda é X, você precisa viver dentro dela. Não interessa o quanto goste de frequentar restaurantes caros, ou vestir roupas de grife. Como disse em outro texto, “dinheiro não leva desaforo”.

Por isso, mentir para si e se endividar para manter um padrão de vida acima de suas possibilidades é, além de prejudicial a você mesmo, uma tremenda burrice.

Se “o dinheiro não está dando”, elenque todos os seus gastos e, comece a cortar. Primeiro as coisas “pequenas”, que são grandes vilãs (TV por assinatura, celulares, internet, só para começar) e vá subindo.

Não se engane: pode ser que você tenha que optar por ter um carro mais barato e, até, mudar-se de casa. Pode ser que, inclusive essas coisas, estejam fora de suas condições atuais. Ficar apegado, só vai levá-lo mais rápido para o buraco.

Leitura recomendadaSua vida financeira é motivada pela inveja ou pelos seus objetivos?

Conclusão

Apego é algo perigoso muitas vezes. Leva as pessoas a terem um julgamento viesado da vida. Cria dificuldades para “seguir adiante” frente a decisões óbvias, mas que mexem na “zona de conforto”.

É a velha estória do capitão que morreu abraçado ao seu navio que afundava. Você não vai querer ser esse cara, vai? Por isso, se é para apegar-se em algo, apegue-se na racionalidade de viver mais simples, porém, com a cabeça tranquila.

Lembre-se: não é a economia que deve se adaptar a você, e sim, você a ela. Não seja mais uma vítima de si mesmo. O desapego de hoje pode significar a realização de um sonho amanhã.

Grande abraço e até a próxima!

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários