Dinheiro, sucesso e a vida de investidorGuilherme comenta: “Navarro, estou começando minha vida de investidor e já ando investigando as alternativas disponíveis no mercado. No entanto, gostaria de ler aqui alguns conselhos gerais para as pessoas que, como eu, só agora estão conseguindo fazer sobrar algum dinheiro. Que tal listar alguns conselhos para os que só agora podem investir? O que fez a diferença no seu caso pode ser a chave para nossa situação. Valeu.”

Investir e multiplicar o patrimônio[bb] ao longo do tempo não requer nenhum conhecimento de mágica. A afirmação soa absurda, mas serve de justificativa por parte de milhões de brasileiros. Ou o retorno “demora demais” ou quem “ganha dinheiro pra valer” é especialista (para não dizer mágico). Quanta besteira. Investir é para todo mundo, para pouco ou para muito dinheiro.

Diante de um universo financeiro moderno, fica difícil escolher uma ou outra alternativa, é verdade. Ótimo! Perceba que deixar de escolher – porque são muitas as oportunidades – também é uma escolha. Significa escolher não fazer nada! Portanto, antes de ler as dicas que mudaram minha vida de investidor, aceite que a mudança mais importante deve partir do seu atual comportamento.

É sempre muito difícil aconselhar, pois palavras e dicas de comportamento soam como cômodas saídas para problemas nem sempre triviais. Mais interessante é compartilhar experiências de vida, meu principal objetivo com este artigo. Ficam registradas aqui as sete atitudes sobre investimentos[bb] responsáveis pelo meu saudável quadro financeiro atual:

1. Tenho objetivos e metas bem definidos. Em outras palavras, sei exatamente a razão de estar poupando e investindo parte de minhas receitas. Investimento em educação continuada, capitalização para um negócio próprio e o montante para a aposentadoria são alguns exemplos de meus objetivos.
Dica: você precisa ter razões fortes para poupar e multiplicar seu patrimônio, definindo metas de curto, médio e longo prazo. Tomar qualquer caminho pode ser perigoso e ineficaz quando se sabe onde quer chegar.

2. Só invisto naquilo que compreendo. Acostumar-se com os jargões técnicos e ler material especializado foi um pouco complicado no início, mas o gosto pela transformação resultante do esforço muito me motivaram. Hoje procuro ler muito sobre o mercado, as alternativas existentes nos bancos e produtos financeiros em geral. Hoje trabalho na área.
Dica: invista em conhecimento. Só invista seu dinheiro depois de conhecer bem a opção desejada, sabendo porque tudo pode dar certo, mas também quais os riscos que você corre ou poderá correr.

3. Descobri e trabalhei meu grau de aversão ao risco. Depois de definir objetivos, passei a querer maiores rentabilidades e, assim, tive que encarar o risco. Hoje, sei quanto posso destinar às aplicações mais arriscadas (mercado de ações, por exemplo) e como esse capital será usado no futuro. Aceitei o risco como parte necessária de meu futuro financeiro e hoje nossa relação é bem produtiva. Perco sempre, mas perco pouco, evitando grandes perdas. Ganho também, claro, e o saldo final é sempre positivo.

4. Faço mais pelos outros. Aprendi que investir tempo nas pessoas transforma nossos relacionamentos e cria uma rede incrível de contatos, capaz de gerar inúmeras oportunidades de amizade, aprendizado e trabalho. Assim, o importante não é apenas doar seu tempo e dedicar-se às causa voluntárias e(ou) sem retorno imediato, mas fazê-lo com determinação e humildade. É simples: criando oportunidades para os outros você cria novas oportunidades para si próprio.

5. Analiso e questiono minhas finanças todo semestre. Optei por avaliar periodicamente minhas aplicações, investimentos e decisões financeiras. Depois desta análise sou capaz de responder às seguintes questões:

  • Será que meus objetivos e metas serão alcançados com a atual gestão financeira que pratico?
  • Há necessidade de alterar, encerrar ou iniciar algum investimento?
  • Como estão evoluíndo os gastos mensais fixos e esporádicos?
  • O potencial de poupança e investimentos pode ser revisto para cima?

6. Encontrar o momento ideal para entrar no mercado nunca foi uma prioridade. Sempre preferi investir nas melhores empresas, não nas melhores horas. Valorizo a administração sustentável, a capacidade operacional da companhia, seus indicadores de desempenho e sua performance dentro do setor. Se vejo futuro na empresa, me torno um acionista.
Dica: invista no mercado de ações pensando no longo prazo. Assim, prefira gastar mais tempo conhecendo a empresa e seu setor que procurando a melhor hora para entrar.

7. Aprendi matemática financeira. Sempre gostei de fazer bons negócios e isso implicava conhecer melhor termos e fórmulas de juros, juros compostos, capitalização, tributação etc. Com esse conhecimento, ficou mais fácil compreender compras complexas e contratos repletos de números.
Dica: você não precisa se transformar em um especialista, mas noções básicas de finanças e matemática financeira permitirão que seu planejamento seja mais realista, mais numérico.

Algumas ações são, claramente, reflexos de uma mudança séria de comportamento. Mais, são fruto do exercício da disciplina, uma qualidade imprescindível para os que desejam construir um bom patrimônio ao longo dos anos. Hoje trabalho com o assunto e sou profissional das finanças pessoais[bb]. Meu maior investimento, portanto, sempre foi em formação.

O principal obstáculo de nosso sucesso financeiro é, quase sempre, a ausência de força de vontade e compromisso com o dinheiro e suas variáveis. Isso, felizmente, só depende de esforço pessoal. Funcionou para mim. Que tal começar?

Crédito da foto para stock.xchng

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários