Home Economia e Política Divergências no gabinete israelense sobre Gaza emergem

Divergências no gabinete israelense sobre Gaza emergem

Gaza poderia ser administrada por uma "administração civil não pertencente ao Hamas, com responsabilidade militar israelense

por Reuters
0 comentário

As divisões do governo israelense em relação à guerra em Gaza ficaram escancaradas nesta semana, depois que o ministro da Defesa exigiu uma estratégia clara do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, uma vez que as tropas voltaram a combater os combatentes do Hamas em áreas onde o Exército estava lutando há meses.

Os comentários do ministro da Defesa, Yoav Gallant, que disse que não concordaria com a criação de um governo militar no enclave, refletem a crescente inquietação das instituições de segurança com a falta de orientação de Netanyahu sobre quem ficará responsável por Gaza quando os combates cessarem.

Eles também evidenciaram a forte divisão entre os dois ex-generais centristas do Exército no gabinete, Benny Gantz e Gadi Eisenkot, que apoiaram o pedido de Gallant, e os partidos religiosos nacionalistas de extrema-direita, liderados pelos ministros das Finanças, Bezalel Smotrich, da Segurança Interna, Itamar Ben-Gvir, que condenaram os comentários.

“Essa não é a maneira de conduzir uma guerra”, foi a manchete do tabloide de direita Israel Today em sua edição de quinta-feira, sobre uma foto de Netanyahu e Gallant olhando em direções diferentes.

Além de desmantelar o Hamas e libertar cerca de 130 reféns ainda em poder do movimento islâmico, Netanyahu não articulou nenhum objetivo estratégico claro para o fim da campanha, que matou cerca de 35.000 palestinos e deixou Israel cada vez mais isolado internacionalmente.

No entanto, com o apoio de Ben-Gvir e Smotrich, ambos próximos ao movimento de colonos da Cisjordânia, ele rejeitou qualquer envolvimento da Autoridade Palestina na administração de Gaza no pós-guerra, criada sob os acordos de paz provisórios de Oslo há três décadas e geralmente vista internacionalmente como o órgão governamental palestino mais legítimo.

Netanyahu, lutando para manter unida sua coalizão fragmentada, até agora manteve sua promessa de vitória total sobre o Hamas.

Depois disso, Gaza poderia ser administrada por uma “administração civil não pertencente ao Hamas, com responsabilidade militar israelense, responsabilidade militar geral”, disse ele à televisão CNBC na quarta-feira.

As autoridades israelenses disseram que os líderes dos clãs palestinos ou outros podem ser recrutados para preencher a lacuna, mas não há evidências de que tais líderes tenham sido identificados e nenhum país árabe amigo se apresentou para ajudar.

“Para Israel, as opções são: ou eles terminam a guerra e se retiram, ou estabelecem, para todos os efeitos, um governo militar no local e controlam todo o território sabe-se lá por quanto tempo, porque, quando deixam uma área, o Hamas reaparece”, disse Yossi Mekelberg, membro associado do Programa para o Oriente Médio e Norte da África da Chatham House.

Táticas de Guerrilha

A recusa de Gallant em contemplar qualquer forma de governo militar permanente reflete os custos de uma operação que poderia sobrecarregar dolorosamente as Forças Armadas e a economia, reavivando as lembranças da ocupação do sul do Líbano por Israel, que durou anos, após a guerra de 1982.

O Yedioth Ahronoth, o jornal de maior circulação de Israel, citou uma avaliação confidencial da instituição de defesa na sexta-feira, que estimou o custo de manter um governo militar na Faixa de Gaza em cerca de 20 bilhões de shekels (5,43 bilhões de dólares) por ano, além dos custos de reconstrução.

Os requisitos adicionais de tropas afastariam as forças da fronteira norte com o Líbano, bem como da região central de Israel, e significariam um aumento acentuado nos requisitos de serviço de reserva, afirmou.

Para assumir o controle total de Gaza, seriam necessárias pelo menos quatro divisões, ou cerca de 50.000 soldados, disse Michael Milshtein, ex-oficial de inteligência e um dos maiores especialistas israelenses em Hamas.

Embora milhares de combatentes do Hamas tenham sido mortos na campanha e os comandantes israelenses digam que a maioria dos batalhões organizados do movimento foi desarticulada, grupos menores surgiram em áreas que o Exército deixou nos estágios iniciais da guerra.

O provável custo para Israel de uma insurgência prolongada foi ilustrado na quarta-feira, quando cinco soldados israelenses foram mortos por um tanque israelense por “fogo amigo”, enquanto as tropas israelenses lutavam na área de Jabalia, ao norte da Cidade de Gaza, onde o Exército disse em janeiro que havia desmantelado a estrutura militar do Hamas após semanas de combates.

Na época, o Exército disse que os militantes ainda estavam presentes em Jabalia, mas que estavam operando “sem uma estrutura e sem comandantes”.

Na sexta-feira, o Exército disse que estava conduzindo uma ofensiva de “nível de divisão” em Jabalia, onde as tropas estavam lutando no centro urbano.

Ele disse que as forças haviam matado mais de 60 combatentes e encontrado dezenas de foguetes de longo alcance.

Veículo militar perto da fronteira de Israel com Gaza
Veículo militar perto da fronteira de Israel com Gaza (Imagem: REUTERS/Hannah McKay)

O porta-voz militar de Israel, contra-almirante Daniel Hagari, disse que o trabalho das Forças Armadas era “destruir os locais onde o Hamas está retornando e tentando se recompor”, mas disse que qualquer questão de um governo alternativo ao Hamas seria uma decisão política.

Embora a maioria das pesquisas mostre que os israelenses ainda apoiam amplamente a guerra, esse apoio vem caindo, com um número cada vez maior de pessoas priorizando o retorno dos reféns em vez da destruição do Hamas.

Uma amostra das divisões sociais mais amplas que provavelmente serão desencadeadas foi vista na longa disputa sobre o recrutamento de estudantes ultraortodoxos da Torá para as Forças Armadas, uma medida apoiada por Gantz e seus aliados, bem como por muitos israelenses seculares, mas que sofre forte resistência dos partidos religiosos.

Até o momento, Netanyahu conseguiu evitar uma greve de ambos os lados que poderia derrubar seu governo.

Mas Gallant, que liderou uma revolta contra Netanyahu dentro do gabinete por causa dos planos de reduzir o poder dos juízes no ano passado, entrou em conflito várias vezes com Smotrich e Ben-Gvir e seu último desafio ao primeiro-ministro pode não ser o último.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.