Viver de Renda
Viver de Renda
Home Finanças Pessoais Dividendo: para que serve e como obter renda com ele

Dividendo: para que serve e como obter renda com ele

A principal diferença entre dividendos e renda fixa está na forma como esses rendimentos são gerados

por Blog do Serasa
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Freepik/@tonodiaz)

Dividendo é um dos termos mais comuns no mercado de ações e investimentos. Além disso, é um dos conceitos mais importantes, pois tem relação direta com a rentabilidade de um ativo. Neste artigo, entenda o que é dividendo e para que serve na prática.

O que são dividendos

Dividendos são pequenas parcelas do lucro de uma empresa, distribuídas entre seus acionistas como forma de remuneração. Recebem dividendos todos aqueles que investem em empresas do tipo capital aberto que negociam na Bolsa de Valores.

O valor exato a ser distribuído entre os investidores (ou acionistas) depende do desempenho do negócio, dos ganhos e da geração de caixa da empresa.

Viver de Renda

O valor em dividendos que cada um recebe também não é igual, mas proporcional ao número de ações ou cotas do acionista. Quanto maior o volume de cotas, maior o valor a ser recebido.

Trata-se, portanto, de uma importante fonte de renda para o investidor. Os dividendos representam uma possibilidade de ganho mesmo que as ações estejam em desvalorização, pois eles compensam eventual queda na cotação.

Como funciona a distribuição de dividendos

As empresas distribuem dividendos como forma de recompensar os investidores (ou acionistas) pelo investimento realizado. Essa distribuição ocorre de forma periódica e está relacionada ao desempenho financeiro da empresa.

As empresas que mais pagam dividendos são aquelas que dominam o segmento em que atuam. Em geral, estão ligadas a setores com demanda constante e que independem da situação econômica do país, o que garante um fluxo de caixa regular e previsível.

(Imagem: Reprodução/Freepik/@freepik)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@freepik)

É o caso de concessionárias de serviços públicos, como energia elétrica, saneamento e telecomunicações.

Por outro lado, qualquer outra empresa também pode pagar dividendos a seus investidores, mas de forma eventual.

Nesses casos, a distribuição do lucro é influenciada por acontecimentos pontuais, como a venda de um ativo, um ano positivo ou uma operação específica que gerou ganhos significativos.

Os bons dividendos também não são exclusivos apenas de empresas já consolidadas no mercado. Aquelas que estão em crescimento também costumam ser procuradas, especialmente por investidores de olho em seu potencial de expansão e da consequente valorização das ações.

Investimentos que pagam dividendos

A regra prevista na legislação brasileira é clara: todas as empresas que negociam ações na Bolsa de Valores são obrigadas a pagar dividendos a cada ano fiscal, se houver lucro.

Nesses casos, o tamanho do repasse é definido em estatuto, fixado em lei ou, então, determinado pela Assembleia de Acionistas. Funciona assim:

  • As empresas têm liberdade para determinar o percentual do lucro que será distribuído, mas o percentual mínimo deve estar previsto em estatuto.
  • ● Caso não esteja, a lei estipula que o repasse corresponde a 50% do lucro líquido anual.
  • ● Se os acionistas decidirem introduzir um percentual diferente do previsto em lei, mesmo que não conste em estatuto, ele não poderá ser inferior a 25% do lucro líquido.

Além disso, alguns fundos imobiliários também podem pagar dividendos a seus cotistas, embora isso não seja tão comum no Brasil. Nesse caso, o investidor tem direito a um valor proporcional por cota.

A diferença é que a lei estabelece a distribuição de no mínimo 95% dos lucros semestrais.

O mesmo acontece com os BDRs (Brazilian Depositary Receipts), recibos negociados na B3 e que representam ações ou outros papéis listados em bolsas estrangeiras.

Assim, se um brasileiro investe em BDRs de uma empresa estrangeira, também receberá dividendos.

Como calcular os dividendos e quando eles são pagos

É necessário ser acionista de uma empresa (ou cotista em fundo de investimento aberto) que ofereça esse tipo de remuneração.

Os acionistas e cotistas podem ser qualquer pessoa que compra uma ação ou uma cota da organização ou seja, um investidor.

Assim, o valor a ser recebido como dividendo vai depender do tamanho do lucro obtido pela empresa naquele ano. Se não houver ganhos, então não há o que ser distribuído.

Mercados 445
(Imagem: Unsplash/ Wance Paleri)

No caso de lucro, são pagos com base no valor da ação definida pela empresa. Assim, cada acionista recebe um valor proporcional ao tipo e à quantidade de ações que detém.

Quem tem 300 ações de uma empresa que paga R$3 a cada cota, por exemplo, vai receber R$900 em dividendos (300 x 3 = 900). Esse valor é depositado automaticamente na conta do investidor.

Sobre o valor dos dividendos não incidem impostos, já que a distribuição é feita em cima do lucro líquido (depois que os tributos já foram recolhidos pela empresa).

A única exceção são os dividendos pagos por BDRs, que, ao contrário dos demais, são tributados. A porcentagem, no entanto, varia de acordo com a origem da empresa.

A data de pagamento também pode variar, mas em geral todos passam pelas mesmas etapas:

● data de declaração: é o anúncio oficial da empresa sobre o valor que será dividido;

● data ex-dividendo: determina quem receberá os dividendos (em geral, os acionistas que compraram ações até determinado dia);

● data de registro: é o registro dos acionistas elegíveis para receber os dividendos;

● Pagamento: é o dia em que a empresa efetivamente distribui os dividendos.

O que é dividendo e o que é renda fixa

Os dividendos são provenientes da participação nos lucros de uma empresa e, portanto, estão diretamente vinculados à saúde e ao desempenho financeiro dela em determinado período.

Por isso, os pagamentos não têm um valor fixo e os ganhos variam ao longo do tempo.

A renda fixa, por sua vez, tem rentabilidade pré-definida. Seus rendimentos estão atrelados a um indicador financeiro estabelecido no momento da compra em geral, a Selic, que reflete a inflação do país.

Isso faz com que os investimentos em renda fixa sejam menos sujeitos a flutuações bruscas de mercado, tornando-os uma opção menos arriscada.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da rede “O Melhor do Dinheirama” com as melhores análises e notícias

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.