Home Agronegócio Do arroz ao óleo de palma, safras asiáticas sofrem redução das previsões pelo El Niño

Do arroz ao óleo de palma, safras asiáticas sofrem redução das previsões pelo El Niño

"O padrão climático na Ásia se correlacionará com as condições secas do El Niño"

por Reuters
0 comentário
Oleo de Palma

Um agosto anormalmente seco teve efeitos negativos nas safras de cereais e oleaginosas na Ásia, à medida que o El Niño se intensificou, e as previsões de menos chuvas em setembro ameaçam perturbar ainda mais o abastecimento.

Enquanto as previsões de produção de trigo estão sendo revisadas para baixo devido ao clima seco na Austrália, o segundo maior exportador mundial, as chuvas de monções recordes deverão reduzir o volume de colheitas, incluindo arroz, na Índia, o maior exportador mundial do grão, disseram meteorologistas e analistas.

Enquanto isso, as chuvas insuficientes no Sudeste Asiático podem prejudicar o fornecimento de óleo de palma, o óleo vegetal mais utilizado no mundo, enquanto condições climáticas extremas na China, principal importador de milho e soja, estão colocando em risco a produção de alimentos.

“Estamos em plena ocorrência de El Niño em várias partes do mundo e isso vai se intensificar no final do ano”, disse Chris Hyde, meteorologista da Maxar Technologies, uma plataforma de análise de dados climáticos com sede nos EUA.

“O padrão climático na Ásia se correlacionará com as condições secas do El Niño.”

O El Niño é um aquecimento das águas do Pacífico que normalmente resulta em condições mais secas na Ásia e chuvas excessivas em partes da América do Norte e do Sul.

Falta de chuva na Índia e Austrália

As chuvas de monções na Índia, cruciais para culturas de verão como arroz, cana-de-açúcar, soja e milho, deverão ser as mais fracas dos últimos oito anos.

“O impacto do El Niño é muito maior do que havíamos previsto”, disse um alto funcionário do Departamento Meteorológico da Índia. “Este mês vai terminar com um déficit superior a 30%, marcando-o como o agosto mais seco de que há registro. O El Niño também afetará as chuvas de setembro.”

A Índia, que responde por 40% das exportações globais de arroz, reduziu os envios, elevando os preços para os máximos dos últimos 15 anos.

As estimativas da produção de trigo da Austrália estão sendo revisadas para baixo pelos analistas pela primeira vez em quatro anos, uma vez que as principais áreas de cultivo tiveram chuvas insuficientes em agosto.

“A produção de trigo será três milhões de toneladas inferior à nossa estimativa inicial de 33 milhões de toneladas”, disse Ole Houe, diretor de serviços de consultoria da corretora agrícola IKON Commodities. “Se a seca continuar em setembro, teremos uma colheita ainda menor.”

A Austrália teve três anos consecutivos de produção abundante de trigo, aumentando a oferta para importadores como China, Indonésia e Japão.

Sudeste tropical da Ásia atingido pela seca

As culturas de arroz, óleo de palma, cana-de-açúcar e café registaram precipitações inferiores às habituais no Sudeste Asiático, sendo a Indonésia e a Tailândia as mais atingidas.

“As partes orientais da Indonésia e grande parte da Tailândia tiveram muita pouca chuva nos últimos 30 a 40 dias”, disse Hyde da Maxar.

“Nestas áreas, a precipitação tem sido de 50% a 70% da média. A maior parte de setembro será muito abaixo das chuvas normais na Tailândia e na Indonésia.”

Nos Estados Unidos, as colheitas de milho e soja sofreram nas últimas semanas devido à seca, embora o clima não esteja associado ao El Niño, disse Drew Lerner, presidente da World Weather Inc.

De novembro a fevereiro, no entanto, as fazendas agrícolas dos EUA sofrerão um impacto maior do El Niño, com precipitações acima da média nos Estados do sul, beneficiando o trigo de inverno, disse Lerner.

Espera-se que o clima na América do Sul seja favorável às culturas da soja e do milho, que serão colhidas no início de 2024.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.