Home Mercados Dólar cai 1,6% após Fed e melhora da perspectiva do rating pela Moody’s

Dólar cai 1,6% após Fed e melhora da perspectiva do rating pela Moody’s

Às 10h10 (de Brasília), o dólar à vista caía 1,16%, a 5,1324 reais na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,33%, a 5,148 reais na venda.

por Reuters
0 comentário

O dólar (USDBRL) caía mais de 1% nesta quinta-feira depois que a agência de classificação de risco Moody’s elevou a perspectiva de crédito do Brasil, enquanto o ambiente internacional se mostrava favorável a risco após o Federal Reserve ter reforçado a visão de que cortará juros este ano.

Às 10h10 (de Brasília), o dólar à vista caía 1,16%, a 5,1324 reais na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,33%, a 5,148 reais na venda.

A Moody’s reafirmou na quarta-feira a classificação de risco de crédito do Brasil em Ba2 e alterou a perspectiva do país de “estável” para “positiva”, conforme comunicado da agência de rating.

De acordo com a Moody’s, a alteração da perspectiva para “positiva” é sustentada pela avaliação de que “um crescimento mais robusto, combinado com um progresso contínuo, embora gradual, em direção à consolidação fiscal, pode permitir a estabilização do peso da dívida do Brasil”.

Vários participantes do mercado citaram esse desdobramento como positivo para os ativos brasileiros, embora tenham destacado que isso não significa que é possível baixar a guarda em relação à saúde fiscal do país, com a própria Moody’s citando “solidez fiscal ainda relativamente fraca”.

O Inter disse em relatório a clientes que o fato de o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ter atribuído a melhora da perspectiva de crédito ao trabalho em conjunto dos Três Poderes mostra intenção de atenuar os atritos entre governo e Congresso. A estabilidade institucional é fator de apoio para o apetite por risco doméstico.

Enquanto isso, no exterior, as autoridades do Fed decidiram na quarta-feira por unanimidade manter a taxa de juros na faixa de 5,25% a 5,5% em que está desde julho. E, embora o chair do Fed, Jerome Powell, tenha indicado que a inflação elevada pode atrasar o esperado corte de juros, ele se recusou a referendar discussões de que a taxa poderia na verdade ser elevada de novo.

Guilerme Esquelbek, da Correparti Corretora, disse que a fala de Powell trouxe alívio para os mercados internacionais, que recentemente adiaram ou até mesmo descartaram as apostas em afrouxamento monetário pelo banco central norte-americano neste ano.

Juros mais altos nos EUA jogam a favor do dólar, já que tornam os rendimentos norte-americanos mais atraentes para investidores estrangeiros.

Na sexta-feira, o relatório de emprego fora do setor agrícola dos EUA entrará no foco dos investidores, pois pode fornecer mais pistas sobre a saúde da economia e a necessidade de cortes de juros.

Na última sessão, o dólar à vista fechou o dia cotado a 5,1927 reais na venda, em alta de 1,52%.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.