Home Mercados Dólar fecha quase estável pelo 2º dia à espera do Copom

Dólar fecha quase estável pelo 2º dia à espera do Copom

O dólar à vista oscilou em margens bastante estreitas no Brasil

por Reuters
0 comentário

O dólar (USDBRL) à vista encerrou a terça-feira praticamente estável ante o real, pelo segundo dia consecutivo, numa sessão em que a moeda norte-americana oscilou em margens estreitas, com investidores cautelosos quanto ao tamanho do corte da taxa básica Selic na quarta-feira, quando termina a reunião do Copom.

A moeda norte-americana à vista fechou o dia cotada a 5,0681 reais na venda, em leve baixa de 0,13%. Em maio, a divisa acumula queda de 2,40%.

Às 17h04, na B3 o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,14%, a 5,0785 reais na venda.

A expectativa antes da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, na quarta-feira, voltou a travar os negócios no Brasil nesta terça-feira, com investidores posicionados no câmbio e nos juros futuros cautelosos antes do anúncio sobre a taxa básica Selic, atualmente em 10,75% ao ano.

Em função disso, o dólar à vista oscilou em margens bastante estreitas no Brasil, variando entre a cotação máxima de 5,0855 reais (+0,21%) às 9h30 e a mínima de 5,0492 reais (-0,51%) às 11h54.

“Mercado está em compasso de espera, e desta vez um pouco cauteloso em relação ao tamanho do corte que vem amanhã (quarta-feira). Não vejo nenhuma Tesouraria se posicionando hoje, na véspera, como usualmente acontece”, comentou durante a tarde o diretor da assessoria de câmbio FB Capital, Fernando Bergallo.

Na curva de juros, a precificação majoritária aponta para um corte de 25 pontos-base para a Selic nesta quarta-feira, com uma minoria posicionada em corte de 50 pontos-base.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9895 reais na venda, em alta de 0,46 (Imagem: Reprodução/Freepik/@freepik)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@freepik)

Profissionais ouvidos pela Reuters avaliaram que, caso o corte seja de 25 pontos-base, como precificado, os efeitos no câmbio tendem a ser menores. Isso porque o diferencial de juros entre Brasil e exterior não fechará tanto, mantendo em grande parte a atratividade do país ao capital internacional.

Um corte de 50 pontos-base, por sua vez, tende a gerar ajustes maiores, tanto no câmbio quanto na curva de DIs (Depósitos Interfinanceiros).

No exterior, o dólar subia ante boa parte das demais moedas nesta terça-feira, ao contrário do que se via no Brasil.

Às 17h13, o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas subia 0,20%, a 105,360.

Pela manhã o BC vendeu todos os 12.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados para rolagem dos vencimentos de julho.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.