Home Mercados Dólar tem estabilidade com exterior favorável e antes do Copom

Dólar tem estabilidade com exterior favorável e antes do Copom

Na véspera, a moeda norte-americana à vista fechou o dia cotada a 5,0749 reais na venda, em leve alta de 0,11%

por Reuters
0 comentário

O dólar (USDBRL) rondava a estabilidade frente ao real nesta terça-feira, em linha com o alívio externo sobre as perspectivas de afrouxamento monetário nos Estados Unidos, enquanto, no Brasil, o foco estava no ritmo de redução da Selic a ser adotado pelo Banco Central em seu encontro desta semana.

Às 9h40 (de Brasília),o dólar à vista caía 0,06%, a 5,0719 reais na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,01%, a 5,086 reais.

“A gente ainda está num cenário de definição, de certa forma, depois daquela alta forte (do dólar) que a gente teve no final do mês de abril”, disse Thiago Lourenço, operador da Manchester Investimentos.

Ele destacou um movimento de correção nos mercados desde que o dólar saltou para os picos do ano no mês passado, mas ponderou que o dólar tem encontrado uma certa resistência para continuar caindo.

“A gente tem que acompanhar o decorrer das próximas informações com relação à política monetária nos Estados Unidos, isso deve definir como vai ficar a dinâmica de preços”, acrescentou Lourenço.

Um relatório do mercado de trabalho dos EUA mais fraco do que o esperado na semana passada alimentou as apostas de que o banco central dos EUA afrouxará a política monetária ainda este ano, com os operadores prevendo cerca de dois cortes nos juros até o final de 2024.

Antes dos dados de emprego, a visão era bem mais pessimista, com previsão de apenas um ajuste nos juros –e com parte dos mercados até descartando alterações na política monetária.

No exterior, o índice que compara o dólar a uma cesta de pares fortes rondava a estabilidade.

Já no Brasil, a expectativa ficava pela reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que iniciará nesta terça-feira seu encontro de dois dias para definir os juros.

O boletim semanal Focus e os contratos futuros de juros mostram perspectiva de redução do ritmo de corte da Selic para 0,25 ponto percentual. A maioria dos economistas consultados em pesquisa da Reuters também acredita numa desaceleração para 0,25 ponto, embora parcela expressiva aposte na manutenção do passo de 0,50 ponto visto nas últimas seis reuniões.

Num geral, quanto mais o Federal Reserve cortar os juros e quanto menos o BC afrouxar a política monetária local, melhor para o real, devido ao efeito nos retornos para investidores em renda fixa.

No entanto, muitos participantes do mercado têm alertado que, caso eventual decisão do BC de desacelerar o afrouxamento seja motivada por elevadas incertezas fiscais, isso poderia anular o efeito positivo para o real, já que a saúde das contas públicas também é um fator levado em consideração para decisões de investimento.

Márcio Riauba, gerente da mesa de operações da StoneX, disse que os estragos no Rio Grande do Sul causados pelas chuvas, para além de uma tragédia humanitária, são um fator que colabora para a incerteza fiscal –em meio à mobilização do governo para prestar assistência ao Estado– e também para a incerteza inflacionária –já que a produção de muitos insumos foi afetada.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), indicou nesta terça-feira que o projeto de decreto legislativo que reconhece o estado de calamidade no Rio Grande do Sul deve ser aprovado. O decreto legislativo abre caminho para o envio de recursos federais ao Estado sem que isso afete a meta fiscal do governo.

O número de mortes causadas pelas chuvas devastadoras que atingiram o Rio Grande do Sul na semana passada subiu para 90 e outros quatro óbitos estão sob investigação, enquanto 132 pessoas seguem desaparecidas, informou a Defesa Civil do Estado em balanço divulgado na manhã desta terça-feira.

Segundo o comunicado do órgão, 388 municípios foram afetados pelos eventos climáticos, mais de dois terços das cidades gaúchas, além de haver mais de 155 mil pessoas desalojadas e 361 feridas.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.