Home Mercados Dólar volta a fechar acima de R$ 5,40 com cautela sobre o Copom

Dólar volta a fechar acima de R$ 5,40 com cautela sobre o Copom

Ao mesmo tempo, a queda do minério de ferro importante produto de exportação do Brasil penalizava mais uma vez o real

por Reuters
3 min leitura

O dólar (USDBRL) à vista voltou a fechar acima dos 5,40 reais nesta segunda-feira, impulsionado novamente pelas preocupações dos investidores com o equilíbrio fiscal no Brasil e pela cautela antes da decisão do Copom sobre juros, na quarta-feira, ainda que no exterior a moeda norte-americana tenha caído em relação às divisas fortes.

O recuo do minério de ferro após decepção com dados econômicos da China também pesava sobre o real.

O dólar à vista encerrou o dia cotado a 5,4221 reais na venda, em alta de 0,76%.

Banner MBA BARSI

Esta é a maior cotação de fechamento desde 4 de janeiro de 2023 início do governo Lula quando encerrou a 5,4513 reais. Em junho, a divisa acumula elevação de 3,26%.

Às 17h41, na B3 o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,83%, a 5,4270 reais na venda.

Mesmo após ter acumulado altas semanais nas quatro semanas anteriores, o dólar voltou a subir nesta segunda-feira com profissionais citando o mal-estar dos investidores com o cenário fiscal brasileiro.

“Temos clareza que são as questões domésticas que influenciam as cotações: o desgaste político do governo, os alertas dos jornais para as dificuldades, o diálogo ruim com o Congresso e o fim do espaço de ajuste fiscal pelo lado das receitas”, citou André Galhardo, consultor econômico da Remessa Online.

Segundo ele, a questão fiscal colocou nesta sessão o mercado de câmbio brasileiro na contramão do índice do dólar, que cedia ante uma cesta de divisas fortes.

Notas de dólar (Imagem: REUTERS/Fayaz Aziz)
Notas de dólar (Imagem: REUTERS/Fayaz Aziz)

Ao mesmo tempo, a queda do minério de ferro importante produto de exportação do Brasil penalizava mais uma vez o real.

“O (real do) Brasil é visto como uma commodity currency (moeda commodity). Sempre que a China perde força, o real também perde força”, disse pela manhã Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master, em comentário enviado a clientes.

“Aliás, o real já se desvaloriza mais de 10% no ano. Ele está sofrendo muito desde que começou este movimento de deterioração do Brasil, que vai completamente na contramão do que está acontecendo lá fora”, acrescentou, lembrando que a economia norte-americana vai bem.

As preocupações com a área fiscal seguiram permeando os negócios, assim como a cautela antes da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, na quarta-feira.

Na curva de juros, a precificação aponta para manutenção da taxa básica Selic em 10,50% ao ano, mas o mercado aguarda para saber se a decisão do Copom será novamente dividida.

Profissionais ouvidos pela Reuters pontuaram que nova divisão de votos voltará a estressar os ativos no Brasil em especial o câmbio, bastante sensível ao aumento da percepção de risco.

Pela manhã, as expectativas de mercado voltaram a indicar uma piora do cenário.

O Banco Central informou que, conforme o relatório Focus, a mediana das projeções do mercado para a inflação em 2024 subiu de 3,90% para 3,96% e em 2025 foi de 3,78% para 3,80% neste segundo caso, na sétima elevação consecutiva.

Além disso, a projeção da Selic para o fim deste ano foi de 10,25% para 10,50%, indicando que os economistas deixaram de esperar corte adicional de 25 pontos-base na taxa básica no atual ciclo.

Neste ambiente, o dólar à vista oscilou entre a cotação mínima de 5,3726 reais (-0,16%) às 9h, na abertura dos negócios, e a máxima de 5,4322 reais (+0,95%), às 15h31.

No exterior, às 17h36 o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas caía 0,20%, a 105,330.

Pela manhã o Banco Central vendeu todos os 12.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados para rolagem dos vencimentos de agosto.

Banner MBA BARSI

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.