Dr. Apocalipse, Mantega e a economia brasileiraNouriel Roubini é um dos economistas mais cultuados nos últimos tempos devido ao sucesso de suas previsões catastróficas sobre o destino crítico da economia[bb] mundial. Ele passou de “ovelha negra” para celebridade mundial e tornou-se figura carimbada nos grandes eventos mundo afora. Em um seminário realizado ontem pela Serasa Experian em São Paulo, o novo Oráculo fez novos alertas – um tanto quanto pessimistas.

Só que, desta vez, a próxima vítima é o excesso de otimismo que alguns analistas e o próprio governo brasileiro têm em relação ao crescimento do país. Para o economista, o crescimento não será tão fácil como o governo gostaria que fosse. Mesmo sobre os olhares pouco amistosos de Guido Mantega (Ministro da Fazenda), Roubini não se fez de rogado e disparou:

“Notei que parte do otimismo no Brasil tem relação com a China, e isso parece ser injustificado porque a China está exportando menos e tem excesso de investimento em produção, que já está saturada. (…) As coisas melhoram para os que concentram dois terços do PIB global [os países ricos], mas onde alguns vêem um sinal verde, eu vejo um sinal amarelo. Afinal esses dois terços estão em recessão, e os emergentes estão em pouso forçado”

As palavras de Roubini, que muitos podem julgar pessimistas, fazem muito sentido. Principalmente porque sabemos que apenas o crescimento chinês não levará o Brasil e o restante do mundo rumo a dias melhores.

China: ritmo mais lento e menor exportação de matérias primas
O desempenho relativamente bom do gigante oriental ainda é tímido se comparado com os resultados do crescimento demonstrado nos últimos anos. Fora que os chineses estão comprando menos commodities e endureceram a negociação de produtos oriundos de minério – um mau sinal principalmente para nossa gigante Vale.

Mantega, que ouviu atentamente as palavras do Dr. Apocalipse (apelido carinhoso dado a Nouriel Roubini), discorda de sua tese de que o Brasil viverá um recuo no PIB e acredita em crescimento de 3% a 4% no último trimestre de 2009, prevendo um avanço de 1% para o PIB em 2009. O ministro falou:

“Percebemos uma melhora, uma recomposição do crédito. Porém isso não significa que a crise acabou, e sim que a confiança está voltando antes que todos os problemas tenham sido resolvidos.”

Brasil: muitos problemas ainda impedem seu crescimento
O ponto de discórdia o modelo de retomada do crescimento. Para Roubini, o modelo é demonstrado pela letra “U”, ou seja, queda e recessão prolongada. Para Mantega, o que acontecerá com a economia[bb] brasileira será melhor demonstrada pela letra “V“: forte queda, seguida de rápida recuperação. Sinceramente, acredito que o Brasil possui condições de sair mais rapidamente da crise.

Entretanto, ter condições não significa ver a prática se confirmar. Nossos principais parceiros comerciais estão estagnados e passando por períodos de grave recessão. O Brasil está travado dentro de sua própria camisa de força criada pela burocracia, corrupção e ineficiência de gestão pública – desafios que precisam ser enfrentados se quisermos um dia fazer parte do grupo dos países ricos e desenvolvidos. De qualquer forma, 2009 já é um desafio!

——
Ricardo Pereira
é educador financeiro e palestrante, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.

Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários