Home Economia e Política “E agora, José? a festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou. E agora, José?”

“E agora, José? a festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou. E agora, José?”

por Alvaro Bandeira
0 comentário

Talvez o poema mais conhecido de Carlos Drummond de Andrade sirva para ilustrar a situação atual do Brasil e mesmo do mundo. Nesse curto prazo que nos cerca, estamos meio à deriva nos mercados de risco no mundo e, no Brasil, não é diferente.

Na B3, até 08 de maio, a valorização acumulada em 2018 do Ibovespa estava próxima de 7,8%, sendo que nos dias de maio já acumulava queda de 4,4%. Mais que isso, perdemos zonas de suporte importante mostrando toda a fragilidade de curto prazo.

Passamos fevereiro, março e abril numa zona de congestão/acumulação, com algumas tentativas de rompimento infrutíferas para baixo e para cima, mas agora parece confirmar afrouxamento de curto prazo. Ok, necessita ainda de alguma confirmação, mas é isso que está sinalizando.

Riscos da geopolítica e a desaceleração econômica no mundo

Claramente estamos à mercê de dois fatores principais que alteram o comportamento de curto prazo dos mercados. O risco geopolítico e alguma desaceleração de economias importantes. Acessoriamente ainda temos que considerar a possibilidade de mudanças de atitude por bancos centrais de países desenvolvidos.

Nessa semana passada, trocamos o risco geopolítico da Coreia do Norte que não era tão grave, por outro com maior potencial de atrito, representado pelo Irã. Israel e Donald Trump acusam o Irã de mentir sobre o programa nuclear, e Trump tirou os EUA do acordo, apesar de pressões vindas da Europa.

Trump já disse que o acordo é ruim e foi muito mal negociado. Sua decisão sobre o acordo já estava claro. A Rússia expressou preocupação com o anúncio dos EUA sobre o acordo nuclear.

Trump, acirrando os ânimos protecionistas

Além do risco geopolítico, temos o risco ao comércio internacional. Trump está nessa ao acirrar ânimos protecionistas, nacionalista e xenófobo; a partir da imposição de sobretaxa aos produtos importados de aço e alumínio.

Aparentemente, desse lado, nada de grave deve acontecer, exceto por alguns atritos, mas não podemos desconsiderar a probabilidade de guerra comercial que no final da linha inibe a recuperação econômica global.

Quanto a desaceleração das economias, os últimos dados de conjuntura divulgados pela Alemanha e zona do euro como um todo, mostram esgotamento de curto prazo. Isso, não só enfraquece a moeda da região em relação ao dólar, como amplifica o desequilíbrio pelo comportamento de aceleração da economia americana e decisão do FED em elevar juros de forma gradual.

E no Brasil? Indefinições e a desistência de Joaquim Barbosa

No Brasil, a economia começa a mostrar sinais de paralisação pela não votação de reformas e ajustes. Dando lugar ao processo político conturbado, onde ainda teremos muitas mudanças. Agora mesmo, o candidato que representava o novo (Joaquim Barbosa) desistiu de concorrer na próxima eleição e volta a embaralhar todo o cenário, fortalecendo a candidatura Ciro Gomes (principalmente se vier com o PT) e enfraquecendo o centro de Geraldo Alckmin.

Com a economia estagnada pelo processo político e Copa do Mundo acontecendo em cerca de 30 dias, os investimentos diretos no país (IDP) encolhem e os dólares ficam mais raros no país, situação que o Bacen até o momento têm lidado com aumento da quantidade de contratos de swap cambial. Sem grande capacidade de afetar nossa economia, mas ainda assim expondo mais a situação dos emergentes. A Argentina lida com ataque ao peso.

Consequência de todo o ocorrido, a inflação que já vinha mostrando alta, acelera um pouco mais, ao ponto de algumas instituições financeiras, já estarem considerando que o Copom possa não reduzir a Selic na reunião de 16 de maio, como previsto para 6,25%.

Em resumo, o “mundo piscou indeciso” e os emergentes como sempre acabam prejudicados. Os mercados só retratam isso. Porém, para quem enxerga que a situação não irá desandar, abrem-se boas chances de montagem de posições.

E agora, José? José, para onde?

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.