dinheirama-post-dilmaPor ocasião da reunião de Davos (Fórum Econômico Mundial), a presidente Dilma em sua estreia no encontro foi quase perfeita. Ela se preparou convenientemente com áulicos importantes e deve ter tido do ex-presidente Lula a “palinha” de falar para plateias o que elas esperam ouvir.

A presidente Dilma em seu discurso falou sobre o papel estratégico dos emergentes com bilhões de consumidores, da inflação sob controle, não abdicando da solidez fiscal, e a pétrea (essa é nossa) determinação para convergência da inflação para o centro da meta em 4,5%. A presidente foi mais além e versou sobre o princípio basilar de seu governo com a responsabilidade fiscal, inclusive dos entes federados (Estados e municípios), o respeito aos contratos estabelecidos e superação de posturas defensivas no comércio global.

Ao final de seu discurso falou sobre investimentos em infraestrutura, ampliando e recuperando produtividade, e conclamou os investidores e banqueiros lá presentes para criarem parcerias com o governo e setor privado no país. Quase em seguida, o ministro Mantega e o presidente Tombini e seus périplos pelo exterior tentaram “arredondar” o discurso da presidente, confirmando pontos citados no discurso e dando maiores detalhes.

Apesar de dizer tudo ou quase tudo que todos gostariam de ouvir, temos que considerar que o passado condena a postura do governo. Tivemos quebra de contratos importantes em setores essenciais, o governo foi leniente com os gastos públicos (principalmente dos entes federados), o centro da meta de inflação não mais existe e agora o teto de 6,5 parece ser a meta, o Brasil segue sendo um dos países mais fechados para o comércio internacional e, para completar, temos crescimento histórico pífio; o que certamente não seduz muito os investidores.

Temos sido absolutamente repetitivos em afirmar que o país precisa de um choque de credibilidade urgente para passarmos da teoria para a prática. O governo tem uma alternativa de ouro nas mãos, na definição dos contingenciamentos do orçamento de 2014, seguido pelo estabelecimento da meta de superávit primário para o ano. Se efetivamente fizermos cortes no orçamento (sem cortar vento como no ano anterior) e se a meta de superávit superar com folga os 1,9% de 2013 (digamos de 2,5% para cima), estaremos demonstrando ao mundo que estamos bem intencionados.

O problema parece estar na volta ao Brasil. A presidente Dilma por ocasião da posse de novos ministros voltou a elencar os feitos de seu governo, citando coisas como, inflação por 10 anos dentro da meta, gastos controlados, conquistas sociais e volume de reservas internacionais tranquilizadora. Voltamos a mesma cantilena anterior de pouca humildade na condução da coisa pública, bem mais eleitoreira que real.

Assim, ficamos diante do dilema. Em qual postura acreditar? É por isso que esses próximos passos (contingenciamento do orçamento e superávit primário) são essenciais para definição de como será o ano de 2014.

De nossa parte achamos que, apesar de tudo, 2014 pode ser melhor, já que teremos o auxílio luxuoso da recuperação econômica global, reduzindo e/ou eliminando a deterioração de nossas contas públicas e externas e trazendo melhora da eficiência e produtividade nas empresas. É por isso que seguimos recomendando a assunção de maior parcela de risco em suas aplicações, com aquisições progressivas. Consulte boas opções de investimento no nosso site www.orama.com.br e escolha as aplicações que mais se adequam ao seu perfil. Por último, não deixe de baixar gratuitamente nosso novo eBook “Cenários e investimentos para 2014″, falando sobre perspectivas para os mercados em 2014 e melhores opções de investimento. Certamente será de boa utilidade para você.

Foto Shutterstock. Veliko Tarnovo, BULGARIA -October 6: Brazil’s President Dilma

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários